Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Teste: último Fiat Marea tinha motor do Brava e estava longe de ser bomba

O Fiat Marea SX 1,6 estreou no início de 2005 como uma alternativa mais barata e equipada aos HLX 1.8 e ao Marea Turbo – e tinha até Nokia com Bluetooth!

Por Paulo Campo Grande Atualizado em 13 dez 2020, 13h39 - Publicado em 13 dez 2020, 13h26
Marea SX 1.6 16V, modelo 2006 da Fiat, testado pela revista Quatro Rodas._3
Marco de Bari/Quatro Rodas

Publicado originalmente em agosto de 2005

A locomotiva da linha Marea 2006 é o menos potente deles. A maior novidade está na versão SX, que trocou o seu motor 1.8 16V italiano por um 1.6 16V argentino.

Trata-se do mesmo motor Hi-Torque que equipava o Brava. As outras mudanças incorporadas à linha – que inclui também as versões ELX, HLX e Turbo – são discretas. Na dianteira, a grade tem novo desenho. Na traseira, as lanternas ganharam lentes incolores. E, no interior, o console recebeu acabamento na cor cinza.

Marea SX 1.6 16V, modelo 2005 da Fiat, testado pela revista Quatro Rodas.
Marco de Bari/Quatro Rodas

Com a substituição do motor, o preço do Marea SX baixou – uma vez que o motor feito na Argentina sai mais barato e não paga imposto de importação.

  • Lanterna do Marea SX 1.6 16V, modelo 2006 da Fiat, testado pela revista Quatro R
    Marco de Bari/Quatro Rodas

    O SX 1.8 16V comercializado até o mês passado era tabelado em 48.850 reais (R$ 121.184, IGP-M) e o SX 1.6 16V lançado agora custa 46.450 reais (R$ 115.230 em 2020). Se a diferença não é tão grande, o carro ganhou em equipamentos.

    Interior do Marea SX 1.6 da Fiat, sedã modelo 2006, testado pela revista Quatro
    Marco de Bari/Quatro Rodas

    Entre os itens que passaram a vir de série nessa versão estão ar-condicionado, para-brisa degradê, bancos de veludo e banco traseiro bipartido com descansa-braço central. Também não faltam vidros e travas elétricos, banco do motorista com regulagem de altura, Fiat Code e o sistema temporizador de faróis Follow Me Home.

    Detalhe do recurso viva-voz no painel do automóvel Marea SX 1.6 16V, modelo 2005
    Marco de Bari/Quatro Rodas

    A versão avaliada veio equipada com o kit Connect, opcional oferecido a um custo adicional de 1.500 reais. O pacote inclui telefone celular com tecnologia Bluetooth, CD player, faróis de milha e rodas de liga leve. Segundo a Fiat, adquirindo os itens em separado, o cliente paga 3.840 reais pelo conjunto. Bom negócio.

    Banco dianteiro do Marea SX 1.6 da Fiat, sedã modelo 2006, testado pela revista
    Marco de Bari/Quatro Rodas

    Mas o que você deve estar se perguntando desde o início do texto é se o Marea SX 1.6 16V sai do lugar quando se pressiona o acelerador. A resposta é um sonoro sim.

    Continua após a publicidade
    Banco traseiro do Marea SX 1.6 da Fiat, sedã modelo 2006, testado pela revista Q
    Marco de Bari/Quatro Rodas

    Claro que não dá para comparar com o Marea HLX e muito menos com o Turbo. Afinal, o 1.6 Corsa Lunga tem 106 cavalos contra 160 e 182 cavalos, respectivamente. Mas o Marea SX não faz feio diante de modelos de características técnicas semelhantes, como Santana 1.8, Focus Sedan GLX 1.6 e Toyota Corolla 1.6 16V.

    Porta-malas do Marea SX 1.6 da Fiat, sedã modelo 2006, testado pela revista Quat
    Marco de Bari/Quatro Rodas

    Desse grupo, o Corolla é o que se sai melhor em uma pista de testes. Avaliado em outubro de 2002, ele acelerou de 0 a 100 km/h em 11,5 segundos e chegou a 187 km/h de velocidade máxima.

    Motor do Marea SX 1.6 da Fiat, sedã modelo 2006, testado pela revista Quatro Rod_1
    Marco de Bari/Quatro Rodas

    O Marea SX, testado agora, fez de 0 a 100 km/h em 13,0 segundos e atingiu 181,7 km/h. No trânsito, o Marea tem desempenho mais que satisfatório. Se estiver com pressa, o motorista vai trabalhar um pouco mais com o câmbio. Mas, em uma condução normal, não vai sentir falta de torque: são 15,4 mkgf contra 15,0 mkgf do Corolla 1.6 16V. Na estrada, ele também embala bem e acelera sem dificuldade.

  • Marea SX 1.6 16V, modelo 2006 da Fiat, testado pela revista Quatro Rodas.
    Marco de Bari/Quatro Rodas

    Em relação ao consumo, o Fiat conseguiu as médias de 8,4 km/l na cidade e 12,8 km/l na estrada, enquanto o Toyota obteve 8,5 km/l no ciclo urbano e 15,4 km/l no rodoviário.

    Marea SX 1.6 16V, modelo 2006 da Fiat, testado pela revista Quatro Rodas._1
    Marco de Bari/Quatro Rodas

    O Marea se mostrou bastante confortável ao rodar, graças à suspensão macia e aos bancos que acomodam bem o corpo. No que diz respeito ao conforto, a nota dissonante foi o elevado ruído do motor. Em primeira marcha a 6000 rpm, o nível de ruído na cabine era de 73,2 dB, contra os 69,8 dB medidos no Corolla.

    Painel do Marea SX 1.6 16V, modelo 2006 da Fiat, testado pela revista Quatro Rod
    Marco de Bari/Quatro Rodas

    Como antídoto, basta apelar para o bom sistema de som original que vem com o kit Connect. Durante o teste, o rádio continuou em alto e bom som ao atravessar um túnel a caminho da redação, ponto em que a maioria silencia.

    Marea SX 1.6 da Fiat, sedã modelo 2006, testado pela revista Quatro Rodas.
    Marco de Bari/Quatro Rodas

    O Marea nunca foi um best seller e não deve ser agora que seu desempenho no mercado vai mudar. A Fiat espera vender 300 unidades do modelo por mês, o que é um volume tímido. Desses, 70% deverão ser na versão SX.

    O tempo passou e...

    Lançado no Brasil em 1998, o Fiat Marea já era um projeto datado em 2005. O sedã médio resistiu em produção até novembro de 2007, com motores 1.6 e 1.8 – a versão Turbo saiu de linha em março daquele ano. Ao todo, 54.781 unidades foram produzidas no Brasil. Em setembro de 2008 a Fiat lançaria um Linea, que tentaria brigar entre os sedãs médios mesmo tendo plataforma de compacto. Não vendeu muito, mas seguiu em produção até 2006.

    Ficha Técnica – Fiat Marea SX 1.6 16V

    • Motor: Dianteiro,transversal, 4 cilindros, 16 válvulas; 1596 cm3; 106 cv a 5500 rpm; 15,4 mkgf a 4500 rpm
    • Câmbio: manual, 5 marchas, tração diant.
    • Direção: hidráulica, 11 m (diâmetro de giro)
    • Suspensão: McPherson (diant.), braço arrastado (tras.)
    • Freios: disco ventilado (diant.) e tambor (tras.)
    • Pneus: 185/65 R14
    • Peso: 1.190 kg
    • Dimensões: comprimento, 439 cm; largura, 174,1 cm; altura, 143,4 cm; entre-eixos, 254,1 cm; porta-malas, 430 litros; tanque, 58L
    • Preço: 46.450 reais (R$ 115.230 em novembro de 2020 – IGP-M)

    Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

    Capa 739

    Continua após a publicidade
    Publicidade