Clique e assine por apenas 8,90/mês

Teste: novo Chevrolet Cruze Sport6 Premier, o último hatch médio do Brasil

Modelo ganha novo visual e equipamentos de série para adiar a aposentadoria no Brasil, mas exagera no preço da versão topo de linha

Por Gabriel Aguiar - 10 out 2019, 07h00
Grade dianteira avança no para-choque Fernando Pires/Quatro Rodas

Nos conhecemos desde 2012, quando apareci pela primeira vez. Estou tão sumido que talvez você nem lembre, mas eu sou o Cruze Sport6.

Nos últimos tempos, muita coisa mudou: meus colegas nos deixaram pouco a pouco e, neste ano, Golf TSI e Focus, os mais famosos, disseram adeus.

E eu? Nos EUA, até me tiraram da linha de montagem e, no Brasil, sou o último da espécie.

E até tentei entender esses jovens: ganhei internet com Wi-Fi e fiz algumas plásticas. Mas sinto que, infelizmente, em breve meu destino será o mesmo dos meus colegas.

Continua após a publicidade
Para-choque é igual, mas lanternas têm luzes de led Fernando Pires/Quatro Rodas

Não estou aqui para falar só de mim, mas também do passado. Você pode até chamar de nostalgia, mas lembro de ler sobre tempos melhores, lá atrás, em 2010 ou 2011, quando o Hyundai i30 se tornou febre nas lojas e todos queriam um hatch médio.

Foi nesse mundo que nasci. De lá para cá, vi o mercado encolher em até 1 milhão de carros vendidos por ano.

Rodas de liga leve aro 17 têm novo desenho e acabamento escurecido Fernando Pires/Quatro Rodas

Me chamaram de antiquado por não ser alto como um SUV ou raspar em algumas lombadas. Mas nos testes da QUATRO RODAS cheguei aos 100 km/h em 9,1 s. Tudo bem que, lá atrás, gostava de beber um pouco além da conta, mas agora nem isso faço.

Na cidade foram 11,8 km/l e na estrada ótimos 16,2 km/l. Quem já passeou comigo sabe que não deixo buracos atrapalharem tanto e, mesmo assim, me mantenho firme na estrada e nas curvas. Mas insistem que sou baixo demais para hoje.

Continua após a publicidade
Há peças simples na cabine, mas painel tem parte macia Fernando Pires/Quatro Rodas

Quando eu nasci, as prioridades eram outras. Por isso ganhei acerto mais esportivo e deixaram minha direção um pouco mais rígida que a do meu irmão sedã. Minha missão era brigar com colegas de Ford e VW.

E minhas qualidades continuam até hoje: acabei de passar pela Editora Abril e os jornalistas elogiaram meu comportamento agressivo e, ao mesmo tempo, confortável.

Eles lembraram que faltam borboletas para trocas de marchas e que alguns detalhes do acabamento ainda deixam a desejar.

Banco do motorista tem ajustes elétricos e teto solar na versão topo de linha Fernando Pires/Quatro Rodas

Sempre fui bem completão, com sistemas que ajudam o motorista a se manter na faixa e avisam se há risco de bater no carro à frente, seis airbags, assistente de partida em rampa, sensores na frente e atrás, alerta de ponto cego, chave presencial, partida por botão e indicador de pressão dos pneus.

Continua após a publicidade

Mas agora também sei quando há pedestres ou objetos à frente e até paro por conta própria. Ainda ganhei câmera de ré melhorada e lanternas com iluminação de led.

Faltam saídas de ventilação na segunda fileira Fernando Pires/Quatro Rodas

Em vez de falar da última cirurgia plástica, que você pode ver pelas fotos, preferi dedicar espaço ao sistema de internet. Não sei se meus clientes procuram isso e se faz mais sentido para o novo Onix Plus, que disputa volume de vendas.

Central multimídia tem tela de 8 polegadas e oferece conexão Wi-Fi de internet Fernando Pires/Quatro Rodas

OK… é legal ter Wi-Fi para até sete celulares com ótimo sinal, mas é preciso pagar assinatura e meus donos já costumam ter bom pacote de dados. O pior é que nem dá para escolher a operadora.

Sistema start-stop agora tem botão que permite desativar a função à frente da alavanca de câmbio Fernando Pires/Quatro Rodas

Sei que a R$ 123.790, já não há mercado para mim. Até meu irmão sedã, com os mesmos equipamentos e 150 litros a mais de porta-malas, custa R$ 1.000 a menos.

Continua após a publicidade

Para se ter ideia, desde janeiro, só vendi 3.414 carros – meu primo Onix precisou de cinco dias do mês de agosto para fazer o mesmo.

Há carregador sem fio para celular no console central Fernando Pires/Quatro Rodas

Valho a compra? Sou realista ao dizer que não. Se gostou das novidades, leve o sedã. Ou se renda à moda dos SUVs. Nas próximas gerações, hatch médio só existirá nas lojas de usados.

Veredicto

Bom de dirigir, o Cruze Sport6 está mais bem equipado que nunca. Pena que ele tenha ficado caro demais para justificar o investimento.

Teste

Aceleração
0 a 100 km/h: 9,1 s
0 a 1.000 m: 30,4 s – 172,6 km/h
Velocidade máxima: n/d

Retomada (em D)
40 a 80 km/h: 4,6 s
60 a 100 km/h: 5,2 s
80 a 120 km/h: 6,4 s

Frenagens
60/80/120 km/h – 0 m: 14,7/26,3/58,6 m

Consumo
Urbano: 11,8 km/l
Rodoviário: 16,2 km/l

Ficha técnica

  • Preço: R$ 123.790
  • Motor: gas., diant., transv., 4 cil., 1.399 cm³, 16V, turbo, 74,0 x 81,3 mm, 153/150 cv a 5.200/5.600 rpm, 24,5/24,0 mkgf a 2.000 e 2.100 rpm
  • Câmbio: automático, 6 marchas, tração dianteira
  • Suspensão: McPherson (diant.), eixo de torção (tras.)
  • Freios: disco ventilado (diant.), disco sólido (tras.)
  • Direção: elétrica
  • Rodas e pneus: 215/50 R17
  • Dimensões: comprimento, 444,8 cm; altura, 148,4 cm; largura, 180,7 cm; entre-eixos, 270 cm; peso, 1.336 kg; porta-malas, 290 l;tanque de combustível, 52 l
Publicidade