Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Pau, pedra e o fim do caminho

Por Péricles Malheiros 2 out 2015, 20h55

 

45 370 km

Desde que chegou à nossa frota, a S10 não havia sido testada em condições pesadas de off-road. Houve incursões leves em estradas de terra e até acionamento da tração 4×4, mas nada severo. Quando o redator-chefe Zeca Chaves escolheu a picape para levar a família até uma isolada pousada no interior paulista, ele sabia que essa seria a oportunidade para a primeira prova de fogo da S10.

Partindo de São José do Barreiro (SP), são 26 km até o início da trilha que começa na entrada no Parque Nacional da Serra da Bocaina, próximo à divisa com o Rio de Janeiro. Para chegar lá, o dono da pousada avisou: “Você vem com qual 4×4? Porque tem de ser alto para passar”. Ele tinha razão: logo de cara, um rio atravessa o caminho. Com a reduzida acionada e em segunda marcha, a picape mergulhou lentamente, exibindo novamente suas rodas por inteiro ao concluir a transposição. “Fui devagar, sempre com a rotação elevada e constante para evitar a aspiração de água pelo escapamento”, diz Zeca.

Mais à frente, foi hora de enfrentar uma rampa com grandes pedras. Dessa vez, a S10 avançou só com a primeira marcha engatada, em reduzida. Como manda o manual do off-road on the rocks, pouca aceleração para preservar os sistemas sob o assoalho, especialmente suspensão e transmissão. “Enquanto subia lentamente, notei na superfície das rochas os arranhões deixados por outros veículos que, provavelmente, não tinham a suspensão tão alta quanto a da S10”, diz Zeca.

Mais adiante, a picape saiu das pedras e entrou na mata fechada. Após 16 km de trilha e 1h10 de viagem, a S10 chegou ao fim do caminho, no Vale dos Veados, já no alto do parque, com não mais do que alguns arranhões nas portas deixados por galhos que invadiam a trilha. É verdade que o sacolejo incomodou um pouco os quatro ocupantes, mas mesmo assim, Zeca destacou o elevado consumo como ponto negativo: “Ao encerrar o passeio, o computador de bordo indicava média de 2,1 km por litro de etanol. Nunca vi nada parecido”.

 

CONSUMO

No mês: 6,4 km/l com 25,4% de rodagem na cidade

Desde jan/15: 5,7 km/l com 20,2% de rodagem na cidade

Continua após a publicidade

Combustível: etanol

 

GASTOS NO MÊS

Combustível: R$ 1 074

 

FICHA TÉCNICA

Versão: LTZ 2.5

Motor: diant. long., 4 cil., flex, 206/197 cv a 6 000/6 300 rpm, 27,3/26,3 mkgf a 4 400 rpm

Câmbio: manual, 6 marchas, 4×4

 

 

Continua após a publicidade

Publicidade