Clique e assine por apenas 5,90/mês

Longa Duração: Jeep troca os amortecedores do Compass na garantia

Falta de peças e de boa vontade da concessionária postergaram alguns serviços em mais de um mês

Por Péricles Malheiros - Atualizado em 27 nov 2019, 12h14 - Publicado em 19 out 2018, 11h34
Amortecedores novos: fim dos ruídos na suspensão Gabriel Aguiar/Quatro Rodas

Quando o Compass passou pela revisão dos 40.000 km, na concessionária Amazonas, tivemos duas decepções. Apesar de o plano de manutenção prever verificação do filtro de cabine, o técnico alegou que o serviço seria cobrado, o que nos levou à decisão de fazer o mesmo pedido em outra autorizada.

Em contrapartida, a Amazonas condenou o par de amortecedores dianteiros, culpando-os pelo ruído na suspensão. A substituição seria em garantia, mas não havia as peças disponíveis no momento e elas precisaram ser encomendadas na fábrica.

Após 30 dias, entramos em contato com a Amazonas, que respondeu só que nada havia chegado e teria de esperar mais. Nove dias depois, a concessionária ligou, dando conta da chegada dos amortecedores.

A essa altura, o Compass já estava próximo dos 50.000 km. Mesmo assim, resolvemos as duas pendências da Amazonas antes.

Trocamos o filtro de cabine na Sinal, por R$ 63,49 (que não cobrou para fazer a verificação e deu a mão de obra em cortesia), e trocamos os amortecedores na própria Amazonas.

A concessionária Amazonas deixou o controle de tração desligado quando o carro foi entregue Christian Castanho/Quatro Rodas

Feito o serviço, o técnico disse: “Como a marca dos amortecedores originais (Tenneco) era diferente da dos novos (Cofap), a fábrica optou pela troca do conjunto inteiro”.

Continua após a publicidade

Em seguida, nosso Compass foi para Belo Horizonte (MG) e, na Sinal, encostou para que fossem feitos os serviços de alinhamento, balanceamento e rodízio.

Lá, o técnico notou a necessidade de troca das pastilhas de freio dianteiras: “Estão muito gastas.

Compass, no Morro da Capelinha, em Planaltina (DF)
Os amortecedores do Compass foram condenados pela própria rede Péricles Malheiros/Quatro Rodas

Pode retornar para São Paulo, mas elas não aguentam até a próxima revisão. Aqui, sai por R$ 1.057”, disse. Por telefone, orçamos o mesmo serviço nas concessionárias Valence (R$ 1.145) e Strada (R$ 1.144) e autorizamos a Sinal a executar a manutenção.

De volta a São Paulo, nosso consultor, Fabio Fukuda, vistoriou o trabalho da rede: “Desta vez foi feito a contento. A Amazonas trocou os amortecedores; a Sinal paulista, o filtro e a Sinal mineira, as pastilhas”, elogiou.

Jeep Compass – 51.167 km

    Consumo

    • No mês: 15,1 km/l com 30,9% de rodagem na cidade
    • Desde out/17: 12,3 km/l com 18,9% de rodagem na cidade
    • Combustível: disel S-10
    • Pastilhas: R$ 1.057
    • Combustível: R$ 1.141
    • Revisão: R$1.360
    • Filtro: R$ 63

    Ficha técnica

    • Versão: Longitude 2.0 16V turbodiesel
    • Motor: 4 cilindros, dianteiro, transv., 1.956 cm3, 16V 170 cv a 3.750 rpm, 35,7 mkgf a 1.750 rpm
    • Câmbio: automático, 9 marchas, 4×4
    • Combustível: flex (gasolina)
    • Seguro (perfil QUATRO RODAS): R$ 5.889
    • Revisões (até 60.000 Km): R$ 3.920
    Continua após a publicidade
    Publicidade