Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Longa Duração: analisando os sistemas de som da frota

Especialistas em som automotivo analisam o sistema original dos carros da frota do Longa Duração. Qual foi o melhor?

Por Péricles Malheiros 13 mar 2017, 10h40
Frota reunida: os sistemas de som originais dão conta do recado?
Frota reunida: os sistemas de som originais dão conta do recado? João Mantovani/Quatro Rodas

A popularização dos sistemas multimídia nos últimos anos trouxe a reboque uma sensível melhoria no conjunto de áudio dos automóveis.

Notamos esse efeito em 2014, quando, pela primeira vez, submetemos os carros da frota de Longa Duração (àquela época, composta por Mercedes A 200, Corolla, Golf, C4 Lounge, Peugeot 208 e Up!) à análise de dois especialistas em som automotivo, os irmãos Thelly e Willy Leandrini, da Leandrini, uma das mais tradicionais lojas paulistanas do setor.

Repetimos a dose agora, com Mobi, Kicks, A3 e Cruze. Analisados pelos ouvidos treinados dos técnicos, a atual frota foi meticulosamente estudada pela dupla convidada.

Assim como na primeira ocasião, a grata surpresa foi o bom desempenho do modelo 1.0. Se antes o Up! saiu elogiado, desta vez o Mobi é que fez bonito. Felizmente, a média geral também está mais alta.

Fiat Mobi

Tweeters: bem-posicionados e com agudos definidos
Tweeters: bem-posicionados e com agudos definidos João Mantovani/Quatro Rodas

Nos bancos da frente, os irmãos Leandrini fazem o pareamento do celular com o sistema Bluetooth do rádio – em todos os carros, a audição foi feita da mesma maneira.

Assim que a música de referência (rica em sons com variadas frequências) começou a sair pelos alto-falantes, eles se entreolharam com ar surpreso. “Bom, hein?!”, disse Thelly.

“O equilíbrio é o grande destaque. Bem posicionados e com qualidade acima do esperado para o segmento popular, os falantes têm potência satisfatória. Não gostei da resposta tátil dos botões giratórios do rádio. Os cliques são facilmente percebidos, mas muito sensíveis. É difícil avançar de um em um”, diz Willy Leandrini.

 

Nissan Kicks

Falantes mais nobres dariam peso e brilho ao som do SUV
Falantes mais nobres dariam peso e brilho ao som do SUV João Mantovani/Quatro Rodas
Continua após a publicidade

O Kicks toca mais forte que o Mobi e tem uma distribuição muito boa na cabine, mas falta brilho nos agudos. Willy explicou: “Isso se evidencia quando a faixa apresenta, por exemplo, o som da vibração de um prato de bateria. Os falantes do Kicks não passam a sensação de uma baqueta no metal. O som fica opaco, sintetizado”.

A ausência de subgraves foi criticada por Thelly: “Essas frequências são aquelas que dão peso à música. No Kicks, elas são pouco presentes. Isso é um erro de projeto. Mesmo os SUVs compactos têm uma cabine volumosa, o que pede um sistema de som com especial atenção às baixas frequências”.

 

Audi A3

Técnico indica onde seria a altura ideal do tweeter no A3
Técnico indica onde seria a altura ideal do tweeter no A3 João Mantovani/Quatro Rodas

“Potente, bem definido e com grave intenso. Audi é sempre um problema para as lojas de som. O áudio original é tão forte e agradável que o dono precisa estar disposto a investir pesado para ter, de fato, um upgrade”, confessa Thelly.

Mas nem tudo foi elogio. “Há duas falhas com relação aos tweeters montados nas colunas dianteiras. Estão em posição muito baixa e apontados um para o outro”, critica Thelly.

A cúpula do painel obstrui o som do tweeter esquerdo. Se estivessem voltados para os ocupantes dos bancos ou para o para-brisa, não teríamos essa sensação de som separado em quatro zonas. A cabine é bem preenchida, mas falta envolvimento”.

 

Chevrolet Cruze

Distribuição sonora elogiável, e rádio com menu intuitivo
Distribuição sonora elogiável, e rádio com menu intuitivo João Mantovani/Quatro Rodas

O som do Cruze foi o mais elogiado pelos especialistas. “Não conhecia o sistema, mas o acesso aos recursos de equalização é tão lógico que, intuitivamente, cheguei de primeira nos comandos que buscava”, disse Willy, enquanto operava o rádio.

Feitos os ajustes, mais elogios: “O conjunto do Cruze é o melhor da atual frota de Longa Duração. Perde para o do A3 em potência, mas compensa com uma excelente distribuição sonora. O motorista fecha os olhos e tem a impressão de que está diante de um palco, com o somdos instrumentos vindo da base do para-brisa. Bons equipamentos e posicionamento correto”.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue lendo, sem pisar no freio. Assine a QR.

Impressa + Digital

Plano completo da QUATRO RODAS! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da QUATRO RODAS, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Comparativo entre os principais modelos do mercado.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.

Receba mensalmente a QUATRO RODAS impressa mais acesso imediato às edições digitais no App QUATRO RODAS, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da QUATRO RODAS, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Comparativo entre os principais modelos do mercado.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.

App QUATRO RODAS para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês