Clique e assine por apenas 5,90/mês

Impressões: Toyota Yaris, mais que Etios e menos que Corolla

Fomos à Tailândia e dirigimos o Yaris, sedã que a Toyota vai começar a fabricar no Brasil, a partir de 2018, para brigar com Honda City e o futuro VW Virtus

Por Marcello Oliveira, de Bangcoc (Tailândia) - Atualizado em 12 jun 2018, 19h59 - Publicado em 31 out 2017, 20h15
Aparência de Corolla e jeito de andar do Etios Colin Dunjohn/Quatro Rodas

Recentemente a Volkswagen anunciou o Virtus para ocupar a lacuna entre o Voyage e o Jetta. Este sedã, derivado da nova geração do Polo, terá como missão não apenas reconquistar os clientes do antigo Polo sedã, mas também roubar os consumidores do reestilizado Honda City.

Nota-se, então, que o segmento volta a prosperar, mas o asfalto não será tão liso assim para o Virtus, pois a Toyota já prepara o sedã que promete colocar água no chope alemão da Volks.

O Yaris é o próximo lançamento da marca, previsto para chegar às concessionárias brasileiras no segundo semestre deste ano, com produção em Sorocaba (SP), onde serão montadas as configurações hatch e sedã.

Com jeitão de mini-Corolla, Yaris será 19,5 cm menor que o irmão maior Colin Dunjohn/Quatro Rodas

Com a confirmação de nossas fontes no Brasil de que o Yaris é o carro que já roda em testes no interior de São Paulo, embarcamos para Bangcoc, na Tailândia, o único mercado em que o novo modelo está disponível por enquanto. Lá, andamos apenas no sedã (no caso, a versão intermediária).

Se na Tailândia o powertrain se baseia em um motor 1.2 de 86 cv com uma transmissão automática CVT, no Brasil deverá herdar o 1.5 do Etios e o 1.8 da versão de entrada do Corolla e com opção de câmbio manual e automático.

Saliência no topo da tampa: pseudoaerofólio Colin Dunjohn/Quatro Rodas

Aliás, essa mudança de motor do Yaris ao fazer as malas para o Brasil é o mínimo que se espera de um modelo que vai peitar os pesos-pesados da Honda e Volks, ambos mais potentes que o Yaris. O Fiat Cronos, sedã derivado do Argo, também entrará na disputa.

Com o 1.2, o tailandês tem desempenho bem limitado, mesmo quando usado na cidade – no caso, o caótico trânsito de Bangcoc.

O desenho do Yaris revela um upgrade em relação ao polêmico Etios e causa boa impressão à primeira vista. De perto, lembra bastante o Nissan Versa.

Ao vivo, o Yaris sedã lembra o Nissan Versa Colin Dunjohn/Quatro Rodas

Enquanto a dianteira segue a linha usada pela Toyota na penúltima geração do SUV RAV4, a traseira lembra a do Corolla norte-americano, o que deve agradar em cheio ao consumidor brasileiro.

As versões topo da gama virão com luz diurna (DRL) de led embutida no para-choque, separado do conjunto óptico. As luzes de neblina foram colocadas nas extremidades e um aplique de plástico preto dá um tom esportivo.

As maçanetas têm acabamento cromado na versão mais equipada, enquanto os retrovisores ganharam um aplique preto brilhante. Na traseira, a lanterna invade a tampa do porta-malas e a lateral da carroceria.

Na Tailândia, os carros adotam mão-inglesa Colin Dunjohn/Quatro Rodas

Em todas as versões, a luz de posição (lanterna), marcada por um filete de led, dá um toque de sofisticação – nas mais completas, as luzes de freio também são de led.

Denominado de Ativ na Ásia, a nova versão sedã do Yaris ganhou rodas de liga leve aro 15 na Tailândia. No Brasil, elas deverão ser maiores, com 16 polegadas.

Volante do Corolla

Por dentro, a receita da Toyota segue a mesma, com o simplismo que sempre fez sucesso em seus produtos, sem inventar moda e mantendo a boa funcionalidade e a ergonomia.

O painel fica atrás do volante, voltado a quem interessa, o motorista. Todos os vidros são elétricos, mas só o do motorista é do tipo “um toque” – e só a respectiva tecla é iluminada.

Volante multifuncional foi herdado do Corolla e é revestido de couro Colin Dunjohn/Quatro Rodas
O painel, atrás do volante, tem luzes azul e branca Colin Dunjohn/Quatro Rodas

A versão topo de linha vem com chave presencial para acesso ao carro e partida do motor. Também conta com volante multifuncional, herdado do Corolla, com teclas do computador de bordo, sistema de som, piloto automático e telefonia – tem até revestimento de couro.

Continua após a publicidade

O sistema de direção tem bom nível de assistência: confortável nas manobras e com peso suficiente para transmitir segurança em velocidades mais elevadas.

O ar-condicionado digital vem de série já a partir da versão intermediária, mas é de zona única de ajuste de temperatura. A central multimídia sensível ao toque é bem completa e de uso intuitivo.

Tela multimídia é sensível ao toque Colin Dunjohn/Quatro Rodas

O equipamento tem as mesmas funções do sistema do Corolla brasileiro, como GPS, leitor de CD e DVD, rádio, Bluetooth e câmera de ré e entradas USB, SD e HDMI.

O acabamento interno tem como destaque os revestimentos de tecido aveludado (bege ou preto), muito bonitos e agradáveis ao toque. As portas são forradas de plástico duro com aplique de tecido apenas no apoia-braço.

O painel segue usando o mesmo material das portas e com linhas pontilhadas nas bordas que imitam costura de couro, característica herdada do Corolla e da picape Hilux. Mas o desenho moderno compensa a aspereza.

Trio elétrico deve vir de série na versão brasileira Colin Dunjohn/Quatro Rodas

As saídas de ar são contornadas por plástico com aspecto de aço escovado, assim como as molduras da central multimídia, no centro do painel. Além dos porta-copos nas portas, há dois espaços no console central (iluminados por led) que podem receber até pequenas garrafas.

Acima do Etios 

As dimensões do Yaris são próximas às de alguns de seus principais rivais. São 4,43 m de comprimento, ante 4,45 m do Honda City e os 4,48 m do Volkswagen Virtus.

O entre-eixos do Toyota Yaris é de 2,55 m (exatamente como o Etios Sedan e 15 cm menor que o Corolla), contra 2,60 m do Honda e 2,65 m do VW.

Para se ter uma ideia do posicionamento do Yaris, ele é 5,6 cm mais comprido que o sedã de entrada da marca e 19,5 cm mais curto que o modelo médio.

Os bancos não são revestidos em couro Colin Dunjohn/Quatro Rodas
Na traseira, há pouco espaço para a cabeça, mas, no centro, o piso é plano Colin Dunjohn/Quatro Rodas

O assoalho plano dá uma vida melhor a quem viaja no centro do banco traseiro, mas, se você tem mais de 1,80 m de altura, inevitavelmente irá encostar a cabeça no teto. Isso ocorre pelo infeliz casamento do banco traseiro alto e o teto com caimento acentuado. O porta-malas conta com bons 473 litros de volume.

Muito novo, o Yaris Ativ ainda não passou pelos testes de impacto dos institutos de segurança, mas a Toyota afirma que ele é construído com ligas de altíssima resistência.

Porta-malas do sedã tem 473 litros Colin Dunjohn/Quatro Rodas

O sedã vem de série na Tailândia com sete airbags: dois frontais, dois laterais, dois tipo cortina e um de joelho para o motorista, além de ABS (disco na frente e tambor atrás) e controle de estabilidade e tração, que pudemos experimentar em uma pista de baixo atrito utilizada pela concessionária Toyota que nos permitiu fazer o test-drive no Yaris.

Há também o assistente de partida em rampa, que mantém o carro parado por cerca de 3 segundos sem acionamento do pedal do freio.

Área sem pintura dá a impressão de uma supergrade na dianteira Colin Dunjohn/Quatro Rodas

A suspensão (McPherson na dianteira e eixo de torção na traseira) absorveu bem até as imperfeições do solo sem pavimentação, com comportamento muito próximo ao do Etios.

No mercado brasileiro, a Toyota deverá posicionar o Yaris na faixa entre R$ 60.000 e R$ 80.000, fechando assim sua gama de sedãs e brigando com boas armas no segmento que, ao que tudo indica, será dos mais disputados no ano que vem.

Veredicto

Ao colocar o Yaris entre Etios e Corolla, a Toyota topa a briga com um peso-pesado (Honda City) e duas grandes promessas (Volkswagen Virtus e Fiat Argo). Se o bom nível de equipamentos e acabamento se mantiver na versão brasileira, a briga vai ser boa.

Ficha técnica – Toyota Yaris 

Preço estimado no Brasil: entre R$ 60.000 e R$ 80.000
Motor: gas., diant., transv., 4 cil. em linha, 1.1197 cm3, 16V, 72,2 x 72,5 mm, 11,5:1, 86 cv a 6.000 rpm, 11 mkgf a 4.000 rpm
Câmbio: aut., CVT, tração dianteira
Suspensão: McPherson (dianteiro), eixo de torção (traseiro)
Freios: disco ventilado (dianteiro), tambor (traseiro)
Direção: elétrica
Rodas e pneus: 185/60 R15
Dimensões: comp., 442,5 cm; largura, 173 cm; altura, 147,5 cm; entre-eixos, 255 cm; peso, 1.470 kg; tanque, 42 l; porta-malas, 473 l

Continua após a publicidade
Publicidade