Clique e Assine QAUTRO RODAS por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Chevrolet Montana tinha o melhor do Corsa e levava muita carga

Picape derivada da segunda geração do Corsa tinha visual das UTE australianas e levava mais carga que Saveiro e Strada

Por Adriano Griecco | Introdução: Henrique Rodriguez
Atualizado em 16 Maio 2021, 12h14 - Publicado em 15 Maio 2021, 10h37
Chevrolet Montana Off Road
(Marco de Bari/Quatro Rodas)

Foi só a General Motors anunciar a produção de uma picape inédita, supostamente maior e com cabine dupla, que veio a notícia de que a Chevrolet Montana deixou de ser fabricada há algumas semanas.

Clique aqui e assine Quatro Rodas por apenas R$ 8,90.

Esta segunda geração da Montana esteve à venda por mais de 10 anos e não teve qualquer atualização visual em todo esse tempo. Esteve mais tempo em produção, inclusive, que sua primeira geração, vendida entre 2003 e 2010. E não estaríamos forçando a barra se disséssemos que a primeira geração deixou saudade.

Houve, inclusive, uma reviravolta técnica nessa mudança de geração. A primeira Chevrolet Montana era baseada na primeira geração do Corsa e chegava para substituir a Corsa Pick-Up, baseada na plataforma GM 4200, que seguiria viva com Celta e Classic.

Montana Sport 2014
Chevrolet Montana Sport 2014 (Marco de Bari/Quatro Rodas)

Isso, pelo menos, até o lançamento da segunda geração da Montana em 2010. A geração que acaba de sair de linha era baseada no Agile, outro carro baseado na velha base 4200, que enfim foi aposentada.

Em menos de 20 anos a picape compacta conseguiu avançar e regredir tecnicamente. Agora, o resgate do primeiro teste da primeira geração da Montana, publicado no final de 2003, mostra que ela poderia ter sido baseada no Celta. E nessa, estaria até hoje com a mesma base do Corsa de 1994.

Continua após a publicidade

Chevrolet Montana Off Road – Ela veio para brigar

Cabine maior, mais capacidade de carga e três anos de garantia para motor e câmbio são os principais argumentos para enfrentar a concorrência
Publicado originalmente em outubro de 2003

Chevrolet Montana Off Road
(Marco de Bari/Quatro Rodas)

Desde o lançamento do novo Corsa, em abril do ano passado, os picapeiros de plantão aguardavam a versão utilitária do compacto. Nesse quase um ano e meio entre desenvolvimento e apresentação – a Strada veio sete meses depois do Palio – chegou-se a cogitar que a Montana não seria derivada do Corsa mas sim do Celta.

A demora, segundo a fábrica, não está relacionada a problemas durante o projeto, porém ao calendário de lançamentos da GM. É bom lembrar que entre a chegada dos dois modelos ela ainda lançou a Meriva, também derivada do Corsa, e o novo Astra.

Chevrolet Montana Off Road
(Marco de Bari/Quatro Rodas)

Pelas fotos já dá para imaginar que a missão da Montana é se aproximar da Strada – e se possível ultrapassá-la. Seu preço deverá ficar perto dos 23.000 reais (R$ 59.230 em 2021, IPCA), para a versão básica (ainda há a Sport e a Off Road, a avaliada por nós).

Vale adiantar que não haverá versões com cabine estendida. Segundo a GM o conceito “Max Cab”, adotado na Montana, tem a melhor relação entre capacidade de carga e espaço interno, graças à maior distância entre-eixos: são 2,71 metros contra 2,48 na picape Corsa. No total, a nova picape é 37 centímetros maior que a antecessora.

Continua após a publicidade
Chevrolet Montana Off Road
(Marco de Bari/Quatro Rodas)

De fato a cabine é espaçosa e até os mais altos não têm problemas para achar a posição ideal ao volante – os bancos têm regulagem de altura na versão Off Road. Quanto àquele espacinho atrás dos bancos, saiba que ele é mais que suficiente para levar uma mochila ou pequenas caixas. Mas nada comparável ao espaço da Strada com cabine estendida.

Ainda no interior, o visual e o acabamento seguem o padrão da família Corsa, com predominância de plástico cinza e pequenas falhas de acabamento, percebidas no encaixe de algumas peças do painel.

Chevrolet Montana Off Road
(Marco de Bari/Quatro Rodas)

Se por dentro ela lembra o Corsa, externamente essa afirmação só é válida se a picape estiver de frente. E apenas na versão básica, que leva o mesmo pára-choque do hatch. As linhas da Montana foram um dos últimos trabalhos de David Rand, ex-diretor de design da GM Brasil e que agora ocupa o cargo de diretor do departamento de estilo da marca, na matriz, em Detroit.

Responsável pelo design de Corsa, Corsa Sedan e Meriva, ele teria deixado o projeto pronto, ficando a cargo de Carlos Barba, o atual chefe do departamento, os acertos finais.
Entenda-se aí os adereços estéticos, como os detalhes da versão Off Road.

Chevrolet Montana Off Road
(Marco de Bari/Quatro Rodas)
Chevrolet Montana Off Road
(Marco de Bari/Quatro Rodas)

Nela, o pára-choque dianteiro tem um quebra-mato que sustenta dois faróis de neblina. O conjunto óptico recebeu uma máscara preta, que acompanha o formato dos refletores. E, a exemplo do que acontece na Strada Adventure, a Montana tem protetores plásticos nos pára-lamas e estribos laterais.

Continua após a publicidade
Chevrolet Montana Off Road
(Marco de Bari/Quatro Rodas)

Na tampa traseira, a influência veio de outro fabricante. Em vez do tradicional Chevrolet por extenso, como é na S10, a Montana ostenta o logotipo da marca, assim como a Saveiro.

Novidade mesmo são as lanternas com dois círculos – no mais alto ficam a lanterna e a luz de freio e no outro a luz de ré e as luzes indicadoras de direção –, o “step side”, uma espécie de degrau próximo ao pára-lama traseiro, a exatos 55 centímetros de altura do solo, e o santantônio, que fica acoplado na caçamba.

Chevrolet Montana Off Road
(Marco de Bari/Quatro Rodas)

Eis aí um dos pontos fortes do veículo. Entre as picapes pequenas, a Montana é a que tem maior capacidade de carga, levando até 735 quilos. São 35 quilos a mais que uma Courier e que uma Saveiro 1.6 e 30 a mais que uma Strada 1.8 cabine simples. Mas a Montana fica devendo o protetor plástico da caçamba, que é vendido em concessionária por 500 reais. Na Saveiro e na Strada o item é de série.

A Montana será comercializada apenas com o motor 1,8 litro Flexpower, que trabalha tanto com álcool (109 cavalos) como com gasolina (105 cavalos). A opção por utilizar apenas esse motor se justifica pela confiança depositada pela GM na tecnologia bicombustível, a exemplo do que já aconteceu com o Corsa.

Chevrolet Montana Off Road
(Marco de Bari/Quatro Rodas)

Em relação ao irmão, a Montana tem alterações na relação de diferencial, que passou de 3,94:1 para 4,19:1. Tal mudança tem como objetivo prover a picape de mais força quando carregada.

Continua após a publicidade

Ao volante – e com a caçamba vazia –, a impressão é a de que se está dirigindo um Corsa. Prova disso está na proximidade dos números de desempenho. Comparando a aceleração de 0 a 100 km/h com o Corsa Flexpower, medido em julho deste ano, a vantagem para o hatch é de apenas sete décimos – a Montana realizou o teste em 12,3 segundos.

Chevrolet Montana Off Road
(Marco de Bari/Quatro Rodas)

Na máxima, a barreira aerodinâmica causada pelo quebra-mato e pelo santantônio impediu que a picape fosse além dos 164 km/h, 7 km/h mais lenta que o irmão.

Na hora de fazer curvas, a diferença em relação ao Corsa também é pequena. Na dianteira, a GM manteve o conjunto McPherson, utilizando apenas uma calibragem mais rígida de molas e amortecedores, tendo em vista a vocação trabalhadora da Montana. Na traseira, mais requisitada na hora de transportar carga, a marca utilizou uma viga de torção com molas helicoidais.

E o esforço para tornar a picape competitiva não se restringiu à área técnica. Também o pessoal de pós-venda foi envolvido. Quem comprar a Montana terá garantia de fábrica de um ano sem limite de quilometragem e mais dois anos (além do primeiro) de garantia para motor, câmbio e todos os sistemas elétricos envolvidos nesses dois componentes. E a garantia é exclusiva à picape. Mas para ter direito a ela o cliente deverá fazer revisões – gratuitas – de seis em seis meses nas concessionárias da marca.

Fotos da Chevrolet Montana Off Road

Continua após a publicidade

Teste – Chevrolet Montana Off Road

0 a 100 km/h – 12,3 s
Velocidade máxima – 164 km/h
Consumo urbano – 7,2 km/l
Consumo rodoviário – 11,7 km/l
Preço – 29.500 reais (R$ 75.969 em 2021, IPCA)

Ficha técnica – Chevrolet Montana Off Road 1.8

  • Motor: Dianteiro, transversal, 4 cilindros em linha, 8 válvulas; Cilindrada: 1796 cm3 Diâmetro x curso: 80,5 x 88,2 mm; Taxa de compressão: 10,5:1; Potência: 105 cv a 5400 rpm; Torque: 17,3 kgfm a 3000 rpm
  • Câmbio: Manual de 5 marchas, tração dianteira; I. 3,73; II. 1,96; III. 1,32; IV. 0,95; V. 0,76. Ré 3,31; Diferencial 4,19; Rotação do motor a 100 km/h em 5°, 2800 rpm
  • Carroceria: Dimensões: Comprimento, 456 cm; largura, 177 cm; altura, 155 cm; entre-eixos, 271 cm; Peso: 1.115 kg; Peso/potência: 10,6 kg/cv; Peso/torque: 64,4 kg/kgfm; Volumes: Caçamba 1143 L, tanque de combustível 52,5 l
  • Suspensão: Dianteira: Independente, tipo McPherson, com molas helicoidais e amortecedores hidráulicos; Traseira: Semi-independente, viga de torção com dois braços de controle e amortecedores
  • Freios: Disco ventilado na dianteira e tambor na traseira com ABS (opcional)
  • Direção: Tipo pinhão e cremalheira, com assistência hidráulica; diâmetro de giro 10,8 metros; 3,3 voltas entre batentes
  • Rodas e pneus: Liga leve, aro 14; Pirelli Citynet 175/70 R14
  • Principais equipamentos de série: Ar quente, barras de proteção lateral, banco do motorista com regulagem de altura, brake-light, conta-giros, direção hidráulica, estribos laterais, faróis com máscara preta, janela traseira corrediça, rodas de liga leve, protetor de cárter, quebra-mato, vidros verdes
  • Garantia: 1 ano sem limite de quilometragem para o carro e três anos para motor e câmbio

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

Capa Quatro Rodas Abril

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Quatro Rodas impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.