Clique e assine por apenas 8,90/mês

Aceleramos o Aston Martin DB11, esportivo inglês com motor da AMG

Improvável associação entre a marca britânica e a Mercedes levou o motor V8 4.0 da AMG para o DB11

Por Joaquim Oliveira/Press-Inform - Atualizado em 22 out 2018, 10h10 - Publicado em 22 out 2018, 10h01
A carroceria é cupê 2+2 Divulgação/Aston Martin

O auge da Aston Martin já passou – esse período ocorreu nos anos 60, época em que o DB6 podia ser adquirido zero-km nas lojas da marca.

Mas o brilho daquele clássico lendário ainda ofusca os olhos da concorrência em sua última leitura, o DB11. Para enfrentar os novos tempos, o esportivo da atualidade conta com uma arma secreta que jamais equipou os carros do agente secreto James Bond: um motor fornecido pela AMG.

Tradicional bocão da Aston e capô que envolve as lanternas foram preservadas Divulgação/Aston Martin

Em uma inusitada parceria entre a empresa britânica e a Mercedes-Benz, esse inglês passou a contar com um V8 4.0 de 510 cv e 68,8 mkgf.

A carroceria cupê 2+2 tem a missão de marcar o início de uma era dentro da empresa, que quer recuperar o status de marca dos sonhos – e voltar a ser uma alternativa de compra sedutora nos mercados que mais consomem superesportivos.

Na soleira da porta, a inscrição da grife inglesa Divulgação/Aston Martin

Ou seja, bater de frente com Bentley Continental GT, Jaguar F-Type e McLaren 650S.

Continua após a publicidade

Comercialmente havia um bônus para a inglesa: até então tratava-se do único logotipo independente entre as grandes.

Mini e Rolls-Royce pertencem à BMW, Jaguar e Land Rover estão nas mãos da indiana Tata, e Bentley tem sangue VW. Mas isso não significa que a Aston pretenda se manter purista para competir.

Painel digital permite a seleção das informações Divulgação/Aston Martin

Tanto é que recorreu ao motor alemão para evitar a extinção que já atingiu fabricantes conterrâneos.

No processo de osmose que resulta da sua participação de 5% do capital da Aston, a Mercedes-Benz começou por ceder a plataforma eletrônica para o novo DB11.

Novo design das rodas de 20 polegadas é exclusivo da versão V8 Divulgação/Aston Martin

A grife AMG torna o esportivo mais competente e divertido de guiar, possivelmente até mais interessante que os tradicionais V12 que a empresa utiliza.

Continua após a publicidade

Visualmente, o time de designers preservou a icônica grade do radiador e o capô que “abraça” o motor. Entre as novidades estão a adoção da tecnologia led nos faróis (full-led) e cornering lights (facho de luz dinâmico que aponta para as curvas seguindo o movimento do volante).

No detalhe do farol, destaque para a iluminação integral por led Divulgação/Aston Martin

Em comparação com o DB11 V12, as diferenças são poucas: há uma grade frontal e máscaras escurecidas, além de duas entradas de ar a menos.

Cadê o porta-luvas?

Por dentro, as diferenças estão nos detalhes, com cores e acabamentos distintos nos painéis de porta e console central.

Na estrutura, as colunas dianteiras permanecem excessivamente largas, os retrovisores continuam pequenos demais e falta espaço para armazenar objetos no interior – o carro não tem nem porta-luvas.

Os designers reduziram a lanterna a um filete com o uso de leds Divulgação/Aston Martin

Na eletrônica, é possível reconhecer alguns elementos oriundos da Mercedes, como a tecnologia e os comandos do sistema de entretenimento.

Continua após a publicidade
Comando sensível ao toque no console é herança eletrônica da Mercedes-Benz Divulgação/Aston Martin

O tamanho da tela da central multimídia agrada com suas 12 polegadas, bem como o quadro de instrumentos (que tem 8 polegadas).

Na dianteira, é a primeira vez que o DB11 tem faróis full-led Divulgação/Aston Martin

O motor V8, compartilhado com o AMG GT e toda a linha 63 do grupo alemão, traz vantagens mecânicas notáveis em relação ao tradicional V12.

Menos cilindros significam menos peso – esse propulsor tem 100 kg. Levando-se em conta os periféricos do trem de força, o DB11 V8 tem 115 kg a menos que o DB11 V12.

Painel tem duas telas digitais e conta com o tradicional couro em tom azul Divulgação/Aston Martin
volante é forrado de couro, tem teclas de som e borboletas para trocas manuais Divulgação/Aston Martin

A diferença na balança também influenciou a distribuição de peso entre os eixos: 49% está na frente e 51%, atrás. Curiosamente, é o inverso da versão com 12 cilindros.

Ao volante, o comportamento dinâmico também mudou com o uso de amortecedores mais rígidos. Isso favoreceu a precisão nas manobras, com menos rolamento da carroceria em curvas.

Continua após a publicidade
Assentos são envolventes e simulam efeito do tipo concha Divulgação/Aston Martin

Tanto peso a menos também é uma clara vantagem na sensação de agilidade em uso esportivo.

A transmissão ZF (também alemã), com as mesmas relações de velocidade do V12, é rápida, mesmo sem ser a melhor caixa do segmento. Por questão de custo, não houve avanço nesse item.

D811 tem saídas duplas de escape Divulgação/Aston Martin

Mas, para dar conta do desempenho extra, os freios evoluíram. Permanecem com discos de cerâmica, mas utilizam pinças maiores.

Para diferenciar as sensações entre os AMG e o Aston, a britânica promoveu ajustes das turbinas para soar diferente – a sonoridade é menos grave em baixos regimes e mais eloquente a médias e altas rotações.

Atrás, só há espaço (apertado) para dois Divulgação/Aston Martin

Mas o DB11 V8 não é só feito de sensações. Na pista também houve alteração nos números: precisa de 4 segundos para ir de 0 a 100 km/h ante 3,9 s do V12.

Continua após a publicidade

No entanto, ambos ultrapassam os 300 km/h. Nos Estados Unidos, o Aston Martin DB11 V8 está à venda a partir de US$ 200.000.

Veredicto

O DB11 com motor AMG é melhor que o V12 original. Aumentou eficiência, tornou o carro mais dinâmico e, melhor, até conteve o preço.

Ficha técnica

  • Preço: US$ 200.000
  • Motor: gas., diant., longit., V8, 3.982 cm3; 48V, biturbo, 510 cv a 6.000 rpm, 68,8 mkgf entre 2.000 e 5.000 rpm
  • Câmbio: aut., 8 m, tração traseira
  • Suspensão: duplo triângulo sobreposto (D) e multibraço (T)
  • Freios: disco vent. (diant. e tras.)
  • Direção: elétrica
  • Rodas e pneus: liga leve, 255/40 R20 (diant.), 295/35 R20 (tras.)
  • Dimensões: comprimento, 475 cm; largura, 195 cm; altura, 129 cm; entre-eixos, 280,5 cm; peso, 1.705 kg; porta-malas, 270 l
  • Desempenho*: 0 a 100 km/h em 4 s, velocidade máxima: 301 km/h

*Dados de fábrica

Publicidade