Clique e assine por apenas 8,90/mês

VW: coronavírus custará R$ 40 bilhões à indústria de carros só no Brasil

Segundo presidente da marca na América Latina, para sobreviver à crise, indústria gastará em quatro meses o investimento estimado para quatro anos

Por Paulo Campo Grande - Atualizado em 23 abr 2020, 17h49 - Publicado em 23 abr 2020, 17h25
A indústria se prepara para retomar a produção lentamente, quando a pandemia do coronavírus abrandar Divulgação/Volkswagen

Em video-conferência com jornalistas nesta quinta-feira (23), o presidente da VW do Brasil e América Latina, Pablo Di Si, comentou como a empresa está convivendo com a pandemia do coronavírus e como se prepara para a volta à rotina, quando houver flexibilização da quarentena.

Segundo Di Si, no momento, o foco da empresa é cuidar de seu caixa na região. Mas a VW se preocupa com toda a cadeia automotiva, que inclui empresas menor e com menos fôlego para atravessar a crise, com os fornecedores de auto-peças.

De acordo com o executivo, a estimativa é de que a indústria gaste nos próximos quarto meses o caixa equivalente a quatro anos de investimento.

mercado
Sem saber como o mercado vai se comportar, as fábricas querem evitar a formação de estoques Arquivo/Quatro Rodas

Mais precisamente, Di Si revela que um estudo feito pelo setor calculou que será necessária uma injeção de R$ 40 bilhões de toda a cadeia automobilística do país para sustentar as operações no período.

Sobreviver à crise passou a ser o mais importante e a primeira consequência dessa mudança de prioridades é o congelamento de investimentos que estavam previstos.

No caso particular da VW, a empresa se preparava para iniciar um novo ciclo de investimentos, para lançamentos de novos produtos, que agora foi adiado.

O novo SUV cupê, Nivus, será lançado no final de junho Divulgação/Volkswagen

As novidades previstas até o final do ano – os SUVs Nivus, que será produzido no Brasil, e Tarek, feito na Argentina – serão mantidas.

O Nivus será lançado no final de junho e o Tarek, no final do ano. Mas os demais projetos ficaram à espera de dias melhores, os quais não têm previsão de chegada.

Continua após a publicidade

No que diz respeito ao mercado, Di Si diz que não é possível prever como será a retomada. Mas acredita que a volta ao nível de atividade que havia antes da crise não deve acontecer este ano. 

O SUV Tarek, que será fabricado na Argentina, chega no final do ano Divulgação/Volkswagen

No que diz respeito à produção, a VW já tem um plano de retorno às atividades, embora sem data definida, que prevê a retomada de forma lenta e gradual, com um turno de produção somente, para ter tempo de avaliar o mercado e evitar a formação de estoques.

Assim como a VW, outras marcas também vão usar seus recursos para se manterem de pé, com perspectivas de uma volta gradual, depois que a crise abrandar.

Um documento elaborado pela Anfavea, a associação dos fabricantes, pede entre outras coisas o adiamento dos marcos regulatórios estabelecidos pela indústria junto ao governo.

Isso significa adiar os avanços planejados nas áreas de segurança, meio ambiente e eficiência energética.

Segundo, Di Si, a crise deve provocar mudanças no mercado durante a retomada, como a concentração do mix de vendas nas versões mais baratas e o incentivo a novas formas de acesso aos veículos.

Um exemplo são os chamados carros por assinatura, em que o cliente paga uma taxa mensal para usar um automóvel, ficando livre de custos com manutenção, seguro e licenciamento.

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da edição de abril da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

Continua após a publicidade
Publicidade