Toyota já ajusta fábrica no Brasil para produzir Corolla híbrido flex

Fabricante se prepara para iniciar produção da próxima geração do sedã médio para o fim de 2019

Nova geração do Corolla será vendida no Brasil em 2019

Nova geração do Corolla será vendida no Brasil em 2019 (Divulgação/Toyota)

O novo Toyota Corolla estreia no Brasil no final de 2019, mas os ensaios da montagem já começaram na fábrica da Toyota em Indaiatuba (SP).

Segundo uma fonte, a empresa está fazendo as adequações necessárias nos finais de semana. A unidade do interior paulista é a que vai montar o modelo. Já a de Sorocaba (SP), que vai produzir os motores, por enquanto segue sua rotina sem alteração.

Lembrando que na última quinta-feira o fabricante japonês confirmou o lançamento de seu motor híbrido flex justamente no último trimestre de 2019.

Basta ligar os pontos para entender que a tecnologia certamente estará na nova geração do sedã médio a ser produzido no Brasil. Resta confirmar apenas se o propulsor será nacionalizado ou se, por enquanto, virá importado do Japão.

Um aplique no para-choque simula um extrator de ar

Um aplique no para-choque simula um extrator de ar (Divulgação/Toyota)

Voltando a falar do novo Corolla: a 12ª geração do modelo na carroceria três-volumes foi apresentada em novembro.

Ele agora é baseado na nova plataforma modular TNGA, que também serve de base para o Prius (outro que deve virar híbrido flex por aqui) e o SUV C-HR, este distante de nosso mercado.

Com isso, foi possível alterar as medidas do modelo visando a algo pouco comum para o Corolla: esportividade. Apesar de os 2,70 m de entre-eixos terem sido mantidos, a nova geração tem 10 mm a mais no comprimento, 5 mm extras na largura e ficou 45 mm mais baixa.

O interior é similar ao do hatch; Freio de estacionamento varia de acordo com o mercado

O interior é similar ao do hatch; Freio de estacionamento varia de acordo com o mercado (Divulgação/Toyota)

Uma boa surpresa para os entusiastas é a adoção da suspensão traseira independente, mais eficiente que o eixo de torção usado pelo modelo atual. A ver se a solução será adotada também pela derivação brasileira.

O pacote é completado por um inédito 2.0 aspirado de 171 cv e sistema de injeção direta e indireta, como no Audi TT. No Brasil, será flex. Faltou só o turbo. 

Por sinal, os testes com o novo motor no Brasil começaram meses antes do sedã ser apresentado, ainda com a versão hatch, que foi mostrada em março.

O novo motor será combinado ao câmbio CVT de sete marchas virtuais nas versões de entrada. Já o inédito 1.8 híbrido bicombustível tem valores de potência e torque ainda desconhecidos com as adaptações para queimar etanol.

O Corolla manteve o entre-eixos e um pouco das linhas das janelas laterais

O Corolla manteve o entre-eixos e um pouco das linhas das janelas laterais (Divulgação/Toyota)

Entre os equipamentos que podem aparecer por aqui estão os faróis totalmente em leds e o controlador de velocidade adaptativo, possivelmente restritos à versão topo de linha.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Não “faltou só o turbo”, bem pelo contrário, é ótimo ver alguém seguindo um caminho diferente ao dotar de novas tecnologias um belo motor aspirado, ao invés de ser só mais uma “maria-vai-com-as-outras” e tomar o caminho mais fácil, que é enfiar uma turbina no motor. Já estou cheio dessa tendência chata de motorzinhos de dentista com um caracol nas costas pra ter potência e torque “maravilhosos” em baixas rotações e uma condução “maravilhosamente chata”, dotada de pouca diversão (poucas rotações).