Top Ten: carros que não combinam em nada com as marcas que ostentam

Seguir a cartilha da casa? Nada disso! Heresias dentro da marca, eles eram da turma do contra

Esportivo do povão

 (Acervo/Quatro Rodas)

Onde já se viu fazer um Porsche com um monte de peças de Volkswagen? Foi em 1969, quando a Porsche precisava substituir o 912 e a Volks, o Karmann-Ghia.

Então veio o modelo híbrido 914, nas versões 1.7 (quatro-cilindros) e 2.0 (seis-cilindros). Porém, o excesso de itens VW não justificava os US$ 6.100 do 914/6, o que abreviou sua vida.

Alistamento militar

 (Acervo/Quatro Rodas)

Quando a Lamborghini só fazia esportivos ousados (assim como suas rivais), a marca lançou em 1986 o LM002, um jipão de rua quadradão com o V12 do Countach.

A ideia era restringi-lo ao uso militar, o que não deu certo. Pouco mais de 300 foram feitos.

Macho alfa

 (Acervo/Quatro Rodas)

A essência dos Alfa Romeo é a esportividade e o prazer de dirigir. Então o que explica seu jipe 1900 M (ou Matta)?

Feito para o Ministério da Defesa italiano (militar AR 51 e civil AR 52), tinha motor 1.9 com duplo comando e câmbio de quatro marchas com reduzida.

Promoção exagerada

 (Acervo/Quatro Rodas)

Desde 1981, as picapes Dodge eram as RAM, gigantes no porte e no motor V8. Até que, em 2010, passou à FCA e virou marca.

Daí inventaram de vender no México em 2014 a Fiat Strada como RAM 700, a picapinha com motor 1.6 de 115 cv usando o novo emblema.

Bastardo inglório

Em 1983 o pequeno Fiero espantou os fãs da Pontiac, habituados aos enormes carros e poderosos V8.

O estranhamento devia-se ao nome espanhol, ao porte mirrado e aos motores centrais tímidos: havia o 2.5 de 92 cv e o V6 2.8 de 140 cv. Durou só cinco anos.

Pequena decepção

 (Acervo/Quatro Rodas)

A Aston Martin remete a luxo e esportividade, porém em 2011 fugiu à regra com o Cygnet, uma variação do Toyota iQ que ela vendeu só para ganhar pontos com os baixos índices de emissão.

O preço alto (R$ 153.000) e o motor pífio (1.3 de 87 cv) sumiram em 2013.

Em nome do filho

 (Acervo/Quatro Rodas)

Primeira Ferrari a não ter motor V12, a Dino surgiu em 1968, batizada com o apelido do filho de Enzo, Alfredino.

Até 1976, era vendida nas versões V6 ou V8, mas nunca foi considerada uma Ferrari legítima, por isso não tinha o emblema do cavalinho rampante.

Leão anabolizado

 (Acervo/Quatro Rodas)

Revelado no Salão de Paris de 2004, o show-car Peugeot 907 em nada lembra os carros da marca.

Homenagem aos 40 anos do fim do centro de design em La Garenne e abertura do novo em Vélizy, tinha um V12 6.0 de 500 cv: ia de 0 a 100 km/h em 3,7 s e atingia 360 km/h.

Vergonha da família

 (Acervo/Quatro Rodas)

Por anos, a Cadillac era célebre por carrões e motores de até 16 cilindros, o que mudou no início de 1980 com a crise do petróleo.

Veio então o compacto (e fracassado) Cimarron, apenas um Monza que usava o logotipo da divisão de luxo da GM e um V6, no máximo.

Primo rico

 (Acervo/Quatro Rodas)

A Volkswagen sempre esteve ligada a populares como o Fusca. Para elevar sua imagem, ela lançou em 2002 o Phaeton, que brigava com os mais caros sedãs da Mercedes, Audi e BMW.

Mas nem o luxo e o motor W12 adiantaram. Afinal, por que pagar uma fortuna por um mero VW?

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s