Top Ten: carros nacionais que inovaram com itens que rivais nem sonhavam

Esses modelos se tornaram referência em inovação no mercado brasileiro. Nem todas deram certo, mas todas ficaram marcadas para a História

Falou tudo!

Miura Saga O Saga não tinha o vinco lateral típico dos Miura

O Saga não tinha o vinco lateral típico dos Miura (Acervo/Quatro Rodas)

Na aridez de tecnologia que era o mercado fechado aos importados dos anos 80 e 90, o fora de série Miura Saga arrasava: portas com controle remoto, freios ABS e bancos e coluna de direção com ajuste elétrico. A expressão “só faltava falar” nem caberia, pois o esportivo gaúcho trazia um sintetizador de voz que dispunha de sete alertas falados.

Mas que volume!

190214-fracasso-04.jpg Chevrolet Chevette Junior: esta versão depenada do Chevette foi uma tentativa de resposta ao Uno Mille; equipado com um fraco motor 1.0 de 50 cv, deixou as ruas em 1993, apenas um ano após sua estreia

Chevrolet Chevette Junior: esta versão depenada do Chevette foi uma tentativa de resposta ao Uno Mille; equipado com um fraco motor 1.0 de 50 cv, deixou as ruas em 1993, apenas um ano após sua estreia (Divulgação/Chevrolet)

Na categoria dos populares, inaugurada pelo Uno Mille em 1990, nasceu dois anos depois o Chevette Júnior, o único sedã 1.0 de duas portas. Apesar do volume extra para malas, o motor de 50 cv era insuficiente, o que decretou sua morte com menos de um ano de vida.

Cobertor de pobre

O vidro laminado é usado no para-brisa, pois evita que se estilhace. Mas coube ao Fiat Idea em 2005 ser o único nacional a tê-lo no vidro das portas. De um lado trazia mais segurança em arrombamentos; do outro, era mais caro e dificultava o resgate dos passageiros.

Utilitário raiz

Ford Belina 4x4 Suspensão com molas helicoidais na traseira era reforçada

Suspensão com molas helicoidais na traseira era reforçada (Acervo/Quatro Rodas)

Em 1985, as peruas estavam em alta para quem buscava mais espaço e conforto para a família inteira. Foi quando a Ford Belina se tornou pioneira no segmento ao oferecer tração 4×4. Como o sistema era pouco confiável, acabou saindo de linha em 1987.

Cabe mais um?

Projeto da Zafira é de origem Opel, a filial alemã da GM

Em 2001, a Chevrolet Zafira foi fiel ao termo minivan, pois era a única que oferecia espaço para sete pessoas. Baseado na família Astra, o eficiente projeto assinado pela Porsche fez tanto sucesso no Brasil que nem mesmo sua substituta, Spin, conseguiu superá-la.

Câmbio flutuante

Chevrolet Chevy 500 DL 1.6/S

Hoje uma necessidade, nos anos 80 o câmbio automático era um luxo quase inacessível. E foi bem nessa época que a Chevrolet ofereceu-o pela primeira vez em carros baratos: estreou na linha Chevette (Hatch, Marajó e Chevy 500), em 1985.

Injeção de ânimo

Gol GTI

Quando a esportividade era levada a sério nos nacionais, a VW lançou em 1988 a injeção eletrônica – só três anos depois chegaria ao Kadett, da GM. O Gol GTi trazia um 2.0 de 120 cv e 18,35 mkgf alimentado pela LE-Jetronic (Bosch), que o fez ir a 100 km/h em 10,4 s.

Eu bebo, sim

Ford Pampa 4x4

Entre as picapes leves, a Pampa supria bem as necessidades do agricultor ou comerciante, mas a versão a álcool bebia demais. Assim, a Ford providenciou um tanque auxiliar de 40 litros, posicionado atrás do eixo traseiro, sendo a única a usar dois reservatórios.

Voando baixo

Modelo turbinado retornará após mais de três décadas de sua estreia no mercado

Modelo turbinado retornará após mais de três décadas de sua estreia no mercado (Divulgação/Fiat)

O Uno Turbo largou na frente, literalmente, com o motor sobrealimentado. Com a turbina Garret T2 de 0,8 bar, seu 1.4 rendia 118 cv e 17,5 mkgf, suficiente para levá-lo de 0 a 100 km/h em 9,2 s, deixando para trás VW Gol GTi, Ford Escort XR3 e Chevrolet Kadett GSi.

Categoria nivelada

Ford Escort

Para encerrar com chave de ouro a produção da primeira geração do Escort, a Ford lançou a série Fórmula em 1991, com 750 unidades. Foi o primeiro nacional a ter amortecedores eletrônicos: seus Cofap regulavam a altura do carro automaticamente conforme a velocidade.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s