Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Tirando o atraso: Chevrolet S10 flex ganha câmbio automático

Transmissão de seis marchas é oferecida a partir de R$ 107.990 nas versões LT e LTZ

Por Da Redação Atualizado em 25 abr 2017, 12h05 - Publicado em 25 abr 2017, 11h48
Renovada em 2016, ela agora tem logos S10 nas portas dianteiras
Renovada em 2016, ela agora tem logos S10 nas portas dianteiras divulgação/Chevrolet

Durante longos anos, quem quisesse uma S10 flex com câmbio automático (algo que até modelos populares já oferecem) acabaria comprando uma Hilux ou uma L200 Triton.

A lacuna no portólio de picapes da Chevrolet só terminou agora, com o oferecimento da transmissão automática de seis marchas para as versões LT 4×2 (R$ 107.990) e 4×4 (R$ 116.990) e LTZ 4×2 (R$ 122.990) e 4×4 (R$ 129.990).

Mesmo criticadas pelo alto consumo, as picapes flex formam parte significativa do segmento – no caso da S10, elas continuam vendendo mais que as a diesel. A explicação é simples: custam, em média, 20% a menos.

Suave, câmbio automático de seis marchas roda sem solavancos
Suave, câmbio automático de seis marchas roda sem solavancos divulgação/Chevrolet

O câmbio automático de seis marchas é o mesmo aplicado na motorização a diesel, mas teve modificações, como o alongamento da relação do diferencial (para melhorar o consumo), programação específica do módulo de controle da transmissão.

O motor 2.5 de quatro cilindros com injeção direta e até 206 cv e 27,3 mkgf ganhou novo mapa de aceleração e coxins mais rígidos. No último comparativo entre picapes flex (S10, Hilux e Ranger), ele garantiu à Chevrolet (ainda só com câmbio manual) os melhores números de desempenho e consumo.

Motor 2.5 flex produz até 206 cv e 27,3 mkgf
Motor 2.5 flex produz até 206 cv e 27,3 mkgf divulgação/Chevrolet
Continua após a publicidade

Agora com transmissão automática, a S10 mantém o pique. Na avaliação completa a ser publicada na edição de maio de QUATRO RODAS, ela manteve o pique (de 0 a 100 km/h em 11,5 s, com gasolina) mas bebeu mais (7,8 /10,1 km/l no consumo urbano / rodoviário, contra 8,5 / 10,6 km/l da manual).

Outra pequena novidade na linha é a partida remota do motor pela chave, para que a cabine seja climatizada pelo ar-condicionado antes dos ocupantes entrarem.

Central MyLink, ar-condicionado digital e OnStar são de série na LTZ
Central MyLink, ar-condicionado digital e OnStar são de série divulgação/Chevrolet

De resto, o pacote de equipamentos continua farto. A LTZ, que parte de R$ 122.990 com tração 4×2, traz de série alerta de colisão frontal, alerta de mudança de saída de faixa, assistente de rampa, controles de estabilidade e tração, banco do motorista com ajustes elétricos, sistema de comunicação OnStar e central MyLink. Mas fica devendo nos airbags: apenas dois, obrigatórios.

Versões 4x4 possuem seletor eletrônico de tração
Versões 4×4 possuem seletor eletrônico de tração divulgação/Chevrolet

Mais simples, a LT flex 4×2 automática começa em R$ 107.990, uma diferença de R$ 5.290 para a sua principal concorrente, a Toyota Hilux SR flex 4×2 (R$ 113.280), equipada com um motor 2.7 de até 163 cv e 25 mkgf.

No caso do modelo que aparece nas fotos, a LTZ com tração 4×4, o valor chega a R$ 129.990, também um pouco abaixo da Hilux SRV flex 4×4 (R$ 133.070).

Continua após a publicidade

Publicidade