Renault quer vender Kwid elétrico no Brasil

Versão sem motor a combustão será fabricada na China e exportada para outros mercados emergentes

Renault Kwid Versão elétrica do Kwid já está em desenvolvimento na China

Versão elétrica do Kwid já está em desenvolvimento na China (Divulgação/Renault)

Enquanto trabalha para atender todos os pedidos do Kwid, a Renault já pensa nos próximos passos do subcompacto no Brasil. Em entrevista ao Automotive News, o CEO da Renault, Carlos Ghosn, afirmou que a versão elétrica do hatch já está em desenvolvimento na China e será vendida por aqui.

Hoje a China é o maior mercado de carros elétricos do mundo, mas isso não quer dizer que seu mercado pode receber qualquer modelo.

“Não podemos vender o Leaf na China. É caro e muito sofisticado. Não podemos vender o Fluence. Muito caro. O que vende na China? Carros elétricos de baixo custo. Então colocamos os engenheiros da Aliança Renault-Nissan-Mitsubishi para trabalhar em um Kwid elétrico de baixo custo. Acabei de dirigir um protótipo. Será um carro de boa engenharia com preço baixo”, disse o executivo.

O Kwid elétrico estaria um nível acima dos veículos elétricos de baixa velocidade (LSEV), que estão se tornando populares na China. Eles são baratos, feitos por pequenos fabricantes e não passam dos 50 km/h e são populares em zonas rurais do interior do país. Responderam por 688 mil carros vendidos em 2015 e devem alcançar os 2 milhões de veículos por ano em 2020.

Renault Kwid Versão elétrica seria exportada para o Brasil

Versão elétrica seria exportada para o Brasil (Divulgação/Renault)

A ideia da Renault é seguir esta onda e oferecer algo mais, principalmente no que diz respeito a qualidade.

“E uma vez que [o Kwid elétrico] estiver indo bem na China, não há razão para não exportá-lo para a Índia, para o Brasil e para o Oriente Médio”, completou Ghosn.

Mas isso ainda deve demorar. Mesmo que os primeiros protótipos do Kwid elétrico já estejam prontos, a versão de produção só deverá entrar em produção em 2019. E bote mais tempo aí para vê-lo rodando no Brasil.

Ghosn também disse que Renault, Nissan e a Mitsubishi utilizarão a mesma plataforma, o mesmo conjunto de baterias e o mesmo conjunto de motores para seus respectivos projetos carros elétricos. A ideia é reduzir custos. Um carro elétrico baseado no Renault Kwid pode ser seguido por um equivalente da Nissan ou de sua marca de baixo custo, a Datsun.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Se lançar uma versão com embreagem automática, assim como existiu o Palio Citymatic, venderia muito hoje em dia. Li, recentemente, que a Bosch projetou um novo sistema de automatização de embreagem que é mais simples, confiável e barato.