Clique e assine por apenas 8,90/mês

Renault Kwid tem novo bloqueio de entregas por defeito nos freios

Concessionárias estão obrigadas a trocar os discos de freio antes da entrega dos carros aos proprietários

Por Henrique Rodriguez - Atualizado em 11 nov 2017, 01h22 - Publicado em 7 nov 2017, 18h50
Renault Kwid
Bloqueio começou em 25 de outubro Divulgação/Renault

A Renault bloqueou, mais uma vez, as entregas de novas unidades do Kwid. Desta vez a interrupção foi feita para a substituição dos discos de freio dianteiros de todas as unidades. Alguns também podem ter os cubos das rodas trocados.

Documento ao qual QUATRO RODAS teve acesso informa sobre a necessidade de troca dos discos antes da entrega dos carros aos clientes. Caso sejam constatadas fissuras no disco, o cubo da respectiva roda também será substituído.

disco de freio com fissura
Se for constatada fissura no disco, como essa destacada em vermelho, o cubo da roda também será trocado Reprodução/Internet

O bloqueio foi comunicado aos concessionários em 25 de outubro, mas apenas nesta semana foi informado o motivo e o procedimento para a solução do problema.

Agora, a previsão é que as entregas sejam normalizadas entre 10 e 20 de novembro, dependendo da região do país onde está localizada a revenda.

Continua após a publicidade
Renault Kwid
Solução do problema é a troca dos discos de freio dianteiros. Alguns carros ainda podem ter o cubo da roda trocado Divulgação/Renault

Procurada, a Renault do Brasil não enviou resposta até a publicação desta reportagem.

Segundo bloqueio? Sim.

O primeiro bloqueio das entregas do Renault Kwid aconteceu no início de outubro e teria afetado cerca de 3.300 unidades. A causa foi a deterioração dos espelhos dos freios traseiros.

É nos espelhos onde são fixados o cilindro do freio e as sapatas do sistema de freio a tambor, e a solução era a substituição da peça. 

Após este primeiro bloqueio das entregas houve queda no número de emplacamentos do Kwid em outubro. Foram 3.926 unidades emplacadas no mês passado, 62,2% a menos que as 10.389 de setembro. De acordo com a Renault, no primeiro mês havia mais unidades acumuladas na fábrica, o que permitiu que ela entregasse mais carros.

Publicidade