Clique e assine por apenas 8,90/mês

Nova geração do Renault Sandero será um Clio simplificado e chega em 2022

Nova geração do hatch compacto terá tamanho do VW Polo, plataforma do Clio e motores 1.0 e 1.3 turbo

Por Henrique Rodriguez - Atualizado em 5 set 2020, 13h48 - Publicado em 5 set 2020, 12h59
A base do Sandero é será a mesma do Clio, mas até o design é simplificado Renato Aspromonte/Quatro Rodas

Faz pouco mais de um ano que o Renault Sandero passou por sua terceira reestilização no Brasil. Mas o visual atualizado, novos equipamentos e a estreia do câmbio automático CVT não escondem que seu projeto está prestes de completar 13 anos.

Se serve de alento, a nova geração do compacto já está pronta. A Dacia, marca de baixo custo da Renault e com sede na Romênia, está prestes de apresentar os novíssimos Sandero, Stepway e Logan.

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de Quatro Rodas? Clique aqui e assine com 64% de desconto.

E o melhor é que desta vez eles usam a mesma plataforma da mais nova geração do Renault Clio europeu, a CMF-B, ainda que simplificada.

Versão Dacia terá grade com barras horizontais e elementos mais retos Reprodução/Internet

O Grupo Renault está empenhada em substituir a plataforma B0, lançada pelo Logan em 2004 (2007 no Brasil), pela arquitetura CMF-B, que deverá estar presente em metade dos carros do grupo (que inclui Renault, Nissan, Dacia e Mitsubishi) até 2024.

Na fábrica da Renault em São José dos Pinhais (PR) a nova família é representada por dois codinomes: Projetos XJF e XJI.

Teaser permite ver o formato da carroceria dos novos compactos Reprodução/Internet

Aproveitamos os teasers divulgados pela Dacia para ensaiar como será a versão Renault do novo Sandero, cujo lançamento no Brasil está previsto para 2022.

Em geral, a simplificação nos carros compactos está mais relacionada aos materiais de acabamento, isolamento e, principalmente, aos equipamentos disponíveis. Tanto que a carroceria do novo Sandero guarda muitas semelhanças com o Clio em pontos chave da carroceria, como colunas e desenho das portas.

Continua após a publicidade

Mas não espere por elementos de design mais complexos, como as maçanetas das portas traseiras escondidas na coluna C ou prolongamentos de leds a partir dos faróis. Mas os faróis do novo Sandero terão leds, assim como as lanternas – que avançam sobre a tampa do porta-malas mas é uma única peça.

A Dacia também revelou os faróis e lanternas do novo Sandero Reprodução/Internet

Outra diferença importante está no capô, mais elevado e com dois relevos longitudinais bem marcados.

Como hoje até mesmo a versão automática (a Renault tirou de linha as versões Zen 1.6 e Intense 1.6 com câmbio CVT e restou apenas a 1.6 GT Line) tem molduras nas caixas de roda, já ensaiamos o visual da versão Stepway, que também terá barras longitudinais no teto, nicho dos faróis de neblina maior e plástico metalizado na base do para-choque dianteiro. 

Os Sandero e Logan são reconhecidos pelo amplo espaço interno e pelo grande porta-malas, e isso não deverá mudar. O Renault Clio europeu tem 2,58 m de entre-eixos (0,7 cm a menos que o Sandero atual) e 4,05 m de comprimento (2 cm menor que o Sandero e exatamente a mesma medida do VW Polo).

Renato Aspromonte/Quatro Rodas

Na mecânica, nova família de Sandero e Logan deve manter nas versões de entrada o motor 1.0 SCe naturalmente aspirado 12V flex de 82 cv. A divisão indiana da Renault ainda trabalha em uma versão turbo deste motor, que seria chamada de 1.0 TCe e substituiria o atual motor 1.6 16V de origem Nissan.

O Sandero R.S. não será esquecido. A ele caberá o motor 1.3 TCe turbo flex com potência na casa dos 170 cv e injeção direta de combustível. O novo motor será ligado aos câmbios manual e ao automático do tipo CVT – conjunto que estreia no ano que vem com o novo Captur 2021.

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

Continua após a publicidade
Publicidade