Clique e assine por apenas 5,90/mês

Impressões ao Dirigir: Volkswagen Saveiro Pepper

Novidade da linha 2018 da picape leve, versão só tem esportividade no visual - e preços altos demais

Por Vitor Matsubara - 7 set 2017, 19h15
Versão esportivada da Saveiro tem o mesmo motor 1.6 MSI das demais opções Volkswagen/Divulgação

Scoville é o nome da escala criada para medir o grau de ardência dos tipos de pimenta. Esta classificação obviamente não foi pensada para avaliar o desempenho dos automóveis, mas se fossemos inserir a Saveiro Pepper nesta lista, a picape não se sairia tão bem assim.

Isso porque a linha Pepper (ou Pimenta, em inglês) não é tão apimentada como gostaríamos que fosse. Assim como o Fox Pepper (lançado em 2015, um ano após sua apresentação na forma de carro-conceito durante o Salão do Automóvel de 2014), a proposta esportiva da Saveiro se limita ao visual.

Faixa preta na tampa da caçamba é um dos itens visuais da Saveiro Pepper Volkswagen/Divulgação

Externamente, a faixa preta na parte inferior da tampa da caçamba e as capas dos espelhos retrovisores em cores contrastantes (pretas se a carroceria for pintada na cor vermelha e vermelha se a cor externa for preta, prata ou branca) e um friso vermelho no melhor “estilo Golf GTI” identificam a Pepper.

Picape é oferecida em quatro opções de cores: preta, prata, branca e vermelha Volkswagen/Divulgação

O belo interior tem molduras vermelhas em volta das saídas de ar condicionado, mesma tonalidade presente nas costuras em volta do aro do volante e nos bancos – que trazem o nome da versão bordado nos encostos. Um aplique horizontal imitando fibra de carbono dá o toque final.

Interior da Pepper tem detalhes vermelhos por toda parte Volkswagen/Divulgação

Há quem goste e quem odeie a Saveiro Pepper. Na minha opinião, a receita caiu muito bem na picape, um carro bastante apreciado pelos jovens. Melhor ainda seria se a motorização acompanhasse a esportividade sugerida no visual.

Em vez de aplicar o motor 1.6 16V MSI presente na Saveiro Cross, a Volkswagen escolheu o velho motor 1.6 MSI de oito válvulas (que gera até 104 cv se abastecido com etanol), que equipa a Saveiro desde 2009, quando a atual geração da picape estreou nas ruas.

Posição de dirigir é um dos sinais da idade do projeto Volkswagen/Divulgação

O desempenho não é ruim, mas poderia ser muito melhor se os alemães tivessem optado pela motorização mais moderna. O veterano motor de 1,6 litro funciona de forma áspera nas acelerações e é bastante ruidoso acima dos 100 km/h. Outras características entregam a defasagem de um projeto com oito anos de idade: a posição de dirigir e a ergonomia interna – ambas aceitáveis no começo dos anos 2010, mas ruins atualmente.

Nome da versão aparece bordado nos encostos dos bancos Volkswagen/Divulgação

Em contrapartida, há uma rara preocupação com os detalhes neste segmento. Um bom exemplo é o sistema de abertura e fechamento da tampa da caçamba.

Até hoje, a Saveiro é a única picape à venda no Brasil (entre todas as categorias) equipada com um amortecedor que impede a queda brusca da tampa após sua abertura. Dá para abri-la parcialmente e fechá-la de forma suave, sem recorrer à força excessiva.

Continua após a publicidade
Costuras vermelhas foram aplicadas no aro do volante e na coifa do câmbio Volkswagen/Divulgação

A Saveiro Pepper é oferecida nas carrocerias de cabine estendida (R$ 67.810) e dupla (R$ 71.090). Neste segundo caso, aliás, a VW dispensou a terceira porta adotada na sua concorrente (e criadora do segmento de picapes leves com cabine dupla) Fiat Strada.

Pintura vermelha nos espelhos retrovisores só não é aplicada se a carroceria for preta Volkswagen/Divulgação

Quem viaja atrás sente os efeitos desta decisão na pele – ou melhor, na cabeça, já que pessoas mais altas sentem dificuldades para entrar e sair do banco traseiro. A posição excessivamente alta do assento de trás é outro ponto ruim, deixando pouco espaço para a cabeça mesmo com o ressalto no teto projetado para tentar amenizar o aperto.

Dados informados pela VW indicam aceleração de 0 a 100 km/h em 10,7 segundos e velocidade máxima de 174 km/h para a versão cabine estendida abastecida com etanol – se o combustível for gasolina, os números caem para 11 segundos e 172 km/h.

Molduras vermelhas são exclusivas da versão Pepper Volkswagen/Divulgação

Já a Pepper Cabine Dupla precisa de 10,9 segundos para ir de 0 a 100 km/h e atinge a velocidade máxima de 172 km/h com etanol no tanque – as mesmas provas são cumpridas em 11,2 segundos e 170 km/h, respectivamente, se a escolha for pela gasolina.

O bom pacote de itens de série é baseado na versão Highline e inclui ar-condicionado, direção hidráulica, volante multifuncional, coluna de direção com regulagem de altura e profundidade, retrovisores com ajustes elétricos, rodas de liga leve de 15 polegadas, vidros e travas elétricas, faróis de neblina, sensor de estacionamento traseiro e capota marítima.

Tampa da caçamba tem amortecimento – item único entre todas as picapes vendidas no país Volkswagen/Divulgação

A lista de opcionais inclui teto preto (R$ 1.400) e dois tipos de central multimídia: a Composition Touch custa R$ 1.590 e a Discover Media sai por R$ 2.690. Ambas são associadas à câmera de ré.

Se o cliente optar pela cor Prata Sirius (única opção metálica, diga-se) será preciso desembolsar mais R$ 1.448.

Sua principal (e única) concorrente direta é a Fiat Strada Adventure, que custa R$ 68.620 na versão Cabine Estendida e R$ 75.710 na opção de Cabine Dupla.

Embora seja mais defasado do que a Saveiro, o modelo da Fiat oferece a transmissão automatizada Dualogic por R$ 4.630 extras, saltando a conta final para R$ 80.340.

VW Saveiro Cross CD
Assim como na versão Cross, acesso ao banco de trás é ruim na Pepper Cabine Dupla Marco de Bari

Se fosse mais barata, a Saveiro Pepper certamente se tornaria uma opção mais atraente aos olhos de quem procura uma picape leve estilosa – ajudando a VW a até ultrapassar a líder Strada, como fez em julho deste ano.

Continua após a publicidade
Publicidade