Grandes Brasileiros: Emis Art

Na era dos fora de série, o carro urbano destacava seu dono no trânsito pela originalidade do projeto

Emis Art Com 31,0 m, ele é 40 cm maior que o Smart, mas 79 cm menor que o Gol

Com 31,0 m, ele é 40 cm maior que o Smart, mas 79 cm menor que o Gol  (/)

A proibição das importações entre 1976 e 1990 fez com que nosso mercado ficasse limitado a tudo o que era produzido pelas “quatro grandes”: Fiat, Ford, GM e Volkswagen. Foi o momento oportuno para a aparição de construtores independentes de veículos fora de série, destinados a satisfazer uma seleta parcela de consumidores de alto poder aquisitivo, ávidos por exclusividade.

O Emis Art é um dos exemplos dessa fase. É um veículo urbano de apenas dois lugares desenvolvido por Alfredo Soares Veiga e produzido por Eduardo de Miranda Santos, famoso pela qualidade de seus bugues. A originalidade do projeto rendeu uma aparição no horário nobre da TV, com o Art virando astro de novela Cambalacho, de 1986, ao lado de Edson Celulari e Débora Bloch.

Baseado num chassi próprio do tipo espinha dor- sal, ele reunia componentes de diferentes fabricantes em apenas 3,10 metros: para-brisa, portas e vidros laterais eram cedidos pelo Chevette e o vidro traseiro vinha da Marajó. As lanternas eram da Fiat Panorama e todo o resto era Volks: faróis e freios do Fusca, painel do Gol, volante do Passat, motor e câmbio da Brasilia e diferencial do SP2.

Emis Art Com carroceria de fibra, tem lanterna de Fiat Panorama, vidros laterais de Chevette e vigia de Marajó

Com carroceria de fibra, tem lanterna de Fiat Panorama, vidros laterais de Chevette e vigia de Marajó  (/)

Como nos bugues, sua carroceria era construída de fibra de vidro, imune à corrosão. De linhas simples e agradáveis, era antes de tudo um veículo carismático, que fazia sucesso em qualquer lugar. Era tão bem resolvido que a fusão de peças de diversos fabricantes em nada prejudicava a harmonia do desenho: tudo parecia ter sido criado para ele.

Emis Art Com painel herdado do Gol, o interior dava conta de dois adultos

Com painel herdado do Gol, o interior dava conta de dois adultos  (/)

Ratificando a máxima de que um carro vai muito além da somatória de suas peças, ele não decepcionou na pista: pesando só 730 kg, fazia de 0 a 100 km/h em 13,93 segundos, apenas 0,5 mais lento que o Escort XR3. O consumo era de 10,09 km/l na cidade e 13,17 na estrada, marcas excelentes para a época. Sua estabilidade era incomum para um automóvel artesanal: o comportamento era neutro, com rolagem mínima da carroceria e tendência a um leve sobresterço só em curvas de alta velocidade. Contribuía para isso a dureza da suspensão, ainda que ela não chegasse a comprometer o conforto.

Emis Art Atrás, sobre o motor, só espaço para bolsas e malas pequenas

Atrás, sobre o motor, só espaço para bolsas e malas pequenas  (/)

Apesar de tantas virtudes, o Art tinha suas limitações: não havia porta-malas, pois o espaço sob o capô dianteiro acondicionava apenas a bateria e o estepe. A solução para levar alguma bagagem (ainda que pouca) era apelar para o espaço livre atrás dos bancos, onde ficava o motor. Porém o mais indicado era evitar viagens longas para preservar os ouvidos: mesmo utilizando a longa relação final do SP2, o nível de ruído interno do Art era muito alto, fato agravado pelo som de aspiração dos dois carburadores e pelo sistema de escapamento, o mesmo utilizado nos bugues da marca.

Emis Art Motor VW 1.6 refrigerado a ar produz 52 cv e 11,2 mkgf

Motor VW 1.6 refrigerado a ar produz 52 cv e 11,2 mkgf  (/)

O exemplar das fotos faz parte do acervo da loja Private Collections, de São Paulo, e pertence ao colecionador João Carlos Sancini, que exalta suas qualidades: “O Art é perfeito para as grandes cidades, pois é leve, fácil de dirigir e cabe quase em qualquer vaga. Outro ponto positivo é sua agilidade. Um carrinho muito esperto e que acelera rápido”.

Emis Art Rodas de liga leve de 13 polegadas

Rodas de liga leve de 13 polegadas  (/)

Apesar da proposta urbana, o Art não se popularizou devido ao alto preço. A seriedade do projeto tomava ares de brincadeira quando o comprador percebia que ele concorria com carros maiores e mais confortáveis, como Escort XR3, Monza SL/E e Passat GTS Pointer. Mantendo o clima de exclusividade, a produção do Art foi finalizada em 1987, com apenas 153 unidades produzidas.

Teste Quatro Rodas – julho de 1986
Aceleração de 0 a 100 km/h 13,93 s
Velocidade máxima 137,404 km/h
Frenagem de 80 km/h a 0 28,4 m
Consumo urbano 10,09 km/l
Consumo rodoviário 13,17 km/l
Preço (maio de 1986) Cr$ 110.000
Preço (atualizado IGP-DI/FVG) R$ 99.369
Ficha Técnica – Emis Art 1986
Motor longitudinal, 4 cilindros opostos, duas válvulas por cilindro, dupla carburação
Cilindrada 1584 cm3
Diâmetro x curso 85,5 x 69mm
Taxa de compressão 7,5:1
Potência 52 cv a 4.200rpm
Torque 11,2 mkgf a 2.600rpm
Câmbio manual de 4 marchas, tração traseira
Dimensões comprimento, 310 cm; largura, 165 cm; entre-eixos, 197 cm
Peso 730 kg
Suspensão dianteira barras de torção
Suspensão traseira tensores em v e molas helicoidais
Freios disco na dianteira e tambor na traseira
Pneus 155 R13
Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s