Clique e assine com até 75% de desconto

Fracasso, Mercedes-Benz Classe X morrerá sem ter nem três anos de mercado

Vendas abaixo das expectativas e prejuízos podem ter custado a existência da picape

Por Henrique Rodriguez Atualizado em 28 jan 2020, 19h17 - Publicado em 28 jan 2020, 19h12
Baixo desempenho nas vendas custaram a vida da picape média da Mercedes Divulgação/Mercedes-Benz

A Mercedes-Benz Classe X, apresentada oficialmente na Europa em julho de 2017, já pode ser considerada o maior fracasso da marca alemã nos últimos anos.

A fabricante comunicou o fim da produção da picape média na Espanha em maio, decisão que representa o fim da Classe X em nível global menos de três anos após sua apresentação.

Sua morte, portanto, ocorrerá menos de três anos após o início da produção.

Por fora, a picape Mercedes é completamente diferente das irmãs Renault e Nissan Divulgação/Mercedes-Benz

Originalmente, o plano era produzir a Classe X também na Argentina, de onde seria exportada para mercados da América Latina, incluindo o Brasil.

Entretanto, a Mercedes suspendeu o projeto em abril de 2019 usando o “cenário econômico peculiar” do momento como justificativa.

Nos dois casos, a picape era produzida em fábricas da Nissan. Isso porque a Classe X foi desenvolvida sobre o mesmo chassi da atual Frontier, também compartilhado com a Renault Alaskan.

Interior da Classe X tem elementos dos automóveis da marca alemã Mercedes-Benz/Divulgação

No caso da produção argentina, a Mercedes teria exigido melhorias na linha de montagem ainda na fase de produção em pré-série, para que a Classe X sul-americana atendesse aos requisitos esperados.

Continua após a publicidade

Isso teria levado a Nissan a revisar o valor cobrado por unidade montada a um patamar que a marca alemã não estava disposta a pagar.

A altura livre do solo é de 22,2 cm
Picape não fez o sucesso esperado pela Mercedes Divulgação/Mercedes-Benz

Além de carroceria completamente diferente, a versão Mercedes tem peças de acabamento e equipamentos emprestados dos carros de luxo, além de um exclusivo motor V6 turbodiesel.

A fábrica da Nissan na zona franca de Barcelona acabou responsável por abastecer a Europa, além de mercados como Austrália, Chile e África do Sul.

  • A partir de maio, porém, a unidade sofrerá um esvaziamento: embora sua capacidade seja para 200.000 carros/ano, em 2019 produziu apenas 38.000 veículos entre Frontier, Alaskan, a van elétrica e-NV200 e a Classe X.

    Só da picape Mercedes foram 8.000 unidades, 21% da produção total.

    Nos dois eixos, pneus têm medidas 255/60 R17
    Mercedes-Benz Classe X não passa de maio Divulgação/Mercedes-Benz

    É um número que, na prática, só representa como a Mercedes Classe X fracassou: em 2018 foram produzidas 20.000 unidades só dela e em 6 meses de 2017, 16.800 unidades. Além disso, já figurava entre os carros que dão prejuízo à Daimler.

    Isso mesmo custando muito caro. Na Alemanha, a Classe X parte de 48.790 euros (ou R$ 225.000 em conversão direta) com motor V6 turbodiesel. Já a picape da Nissan parte dos 33.200 euros.

    Continua após a publicidade
    Publicidade