Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Esse barato é divertido

Por Jeremy Clarkson 28 jun 2013, 12h08

Conforto, muito prazer ao dirigir e desempenho atordoante: em geral, essa receita custa caro, mas não no caso do Ford Fiesta ST

Eu fui tomar chá com amigos em um restaurante de Londres outro dia e, quando terminamos, disse que era por minha conta. Generoso, eu sei. Mas é assim que sou. Então vamos em frente. Quanto você acha que seria a conta? Quatro pessoas. Um bule de chá. E uma rodada de sanduíches de pepino. Não. Você errou. Custou 78,42 libras (cerca de 243 reais).

Se a conta tivesse sido exatamente de 80 libras, teria chamado o gerente e enfiado o bule de chá nele. Mas, porque foi de 78,42 libras, dava a impressão de que eles não estavam só querendo dizer: “Olha aquele trouxa rico. Vamos tirar 80 libras dele”. Parecia que eles tinham chegado meticulosamente ao valor. E que o preço real naquela parte de Londres de dois saquinhos de chá, meio litro de água de torneira, oito fatias de pão e um quarto de pepino realmente é de 78,42 libras. Aparentemente, é um truque bem conhecido. Quando alguém lhe pede para fazer orçamento para um trabalho, você não deve nunca falar algo como “Ah, deve dar umas 500 libras”, porque parece que você simplesmente tirou um número do ar. O que é um convite aberto para que o cliente comece uma das coisas mais selvagens do mundo: pechinchar. Para um britânico, pechinchar é como conversar no elevador. É nojento.

O que você deve fazer, quando lhe pedem um orçamento, é murmurar para si próprio como se estivesse fazendo uma longa multiplicação no verso de um envelope e então, depois de uns 20 segundos, dizer 512,63 libras. Isso deixa o valor com jeito de ser o custo real de fazer o trabalho e, como resultado, pechinchar não é possível. Então, em vez de se chegar a um acordo em 450 libras, você recebe 512,63 pelo trabalho. Se há uma coisa que eu desprezo, é pechinchar. Se alguém me oferece um bem ou serviço que custa menos do que eu esperava, automaticamente suponho que tem alguma coisa errada com ele. Normalmente eu estou certo. Refrigerante barato tem gosto pior que o caro. Um aspirador de pó barato não faz um trabalho tão  bom quanto um caro. Férias baratas serão uma porcaria. Férias caras serão ótimas.

No entanto, no mundo dos carros, isso não é necessariamente verdade. Um Aston Martin Vanquish, por exemplo, custa 189 995 libras (590 000 reais). Isso nos diz que a Aston fez uma planilha de custos (até parece…) e é isso que custa fazer o carro. Mais uma pequena margem de lucro incluída. É a mesma história com a Ferrari 458 Italia. A básica custa 178491 libras (552 000 reais), porque é isso que custa montar esse conjunto de metal, vidro, plástico e fibra de carbono. É verdade. É isso que custa. O metal da Ferrari é mais caro que o metal da Ford porque… bem… simplesmente é.

Eu posso continuar a lista: McLaren MP4-12C, Mercedes SLS AMG, Lamborghini Gallardo Superleggera. Na Inglaterra, todos esses carros custam até 200 000 libras (620 000 reais). É o preço que você paga para ter algo um pouquinho diferente. Mas, então, por que um Audi R8 custa 91 575 libras (283 000 reais)? Um Porsche 911 sai por 71 449 libras (221 000 reais)? E um Bentley Continental V8 GT fica em 123 850 libras (383 000 reais)? Eles também são carros exóticos. Pela metade do preço.

Continua após a publicidade

Isso significa que eles são porcarias? Bom, esse é o ponto. Eu acho que não. Se você reduzir um Porsche 911 e uma Ferrari 458 aos seus componentes, é difícil ver por que a Ferrari custa o dobro do Porsche. A verdade é que o 911 é um ótimo negócio. Assim como o Bentley e o R8. E isso me leva ao Ford Fiesta ST. Carrinho legal, o Fiesta. É bonito, espaçoso, seguro, econômico e, se você evitar os modelos básicos, bem equipado também. Mas eu sempre achei que o chassi era tão bom que poderia aceitar com facilidade um pouco mais de potência. É onde entra o ST.

Eu não sei por que a Ford diz que o motor sob o capô é da linha EcoBoost. EcoBoost dá a impressão de que ele usa trabalho braçal e produz quase tanta potência quanto Luxemburgo. Mas não é isso. Porque, na verdade, ele é um motor de 1,6 litro turbo que produz 182 cv. Isso significa que você vai de 0  a 100 km/h em atordoantes 6,9 segundos e chega à máxima de 220 km/h. Isso é rápido.

Para tornar o carro mais esportivo, o ST fica 15 mm mais próximo do solo e é calçado com rodas de 17 polegadas. Ele tem um spoiler no teto também, que não tem absolutamente função nenhuma além de decoração. Mas é bonito. E o conjunto funciona? Sim. E como. Da mesma forma que o Ford Focus ST, ele parece solto e leve e – se você reduzir o sistema de controle de tração ou desligá-lo – um pouquinho caprichoso. Ele sai de frente e também apresenta a tendência a sair de traseira quando você levanta o pé. Sua aderência é “agarre-se à vida”, mas a conclusão é: ele é tremendamente divertido.

Você pode sentir o diferencial de deslizamento limitado eletrônico fazendo o melhor que pode para manter as coisas em ordem, mas fica com a impressão de que é como um professor não muito bom tentando colocar ordem em uma turma de crianças rebeldes de 7 anos de idade. Eu gosto disso. E também gosto do barulho. A Ford aproveitou uma ideia que apareceu pela primeira vez no Lexus LFA e instalou um “sound symposer”, um tubo que  leva o rugido da admissão diretamente para dentro da cabine. A sensação é de você estar sentado no cofre do motor. E o interior também é bom: inclui enormes bancos anatômicos Recaro e, mesmo no modelo básico, um monte de acessórios.

Eu gostei desse carro. E muito. Ele tem todas as qualidades que procuro em um hot hatch. Ele tem praticidade para o dia a dia, tem conforto, passa a sensação de que consertar qualquer painel da carroceria não sairá mais caro do que em um modelo básico. E, apesar de toda essa praticidade, ele também entrega muita velocidade e prazer ao dirigir.

E agora vem a melhor parte: ele custa apenas 16 995 libras (52 600 reais), 2 000 a menos do que a Peugeot e a Renault cobram por seus hot hatches. Na verdade, esse valor é praticamente o mesmo que a Alfa Romeo cobra por algumas das versões do seu aflitivo MiTo TwinAir, de dois cilindros. E a Ford nem mesmo tenta explorar você com acessórios. Eu acessei o configurador on-line da marca e basicamente a única opção a mais é a cor.

O Ford Fiesta ST consegue algo bastante raro atualmente: ser barato e divertido.

Continua após a publicidade

Publicidade