DeSoto Adventurer: o último conquistador

Ícone de alta performance, o modelo atravessou os anos 50 à frente da concorrência, mas terminou canibalizado por outras divisões Chrysler

DeSoto Adventurer

O Adventurer era uma série limitada com mais potência da DeSoto

Fundada em 1928, a DeSoto surgiu como uma divisão intermediária da Chrysler Corporation, que ficava acima da popular Plymouth e abaixo das requintadas Chrysler e Imperial. O nome era uma homenagem ao conquistador espanhol Hernando de Soto, primeiro europeu a transpor o Rio Mississipi.

A marca viveu seus anos dourados com a chegada do designer Virgil Exner, admitido pelo grupo Chrysler em 1949. Com passagens pela GM e Studebaker, ele foi um sopro de criatividade na DeSoto, assim como nas outras divisões. Numa época em que os carros-conceito não eram tão comuns quanto hoje, Exner criou vários. Entre eles estava o Adventurer, em 1954, um cupê esportivo de quatro lugares criado para fazer frente ao Chevrolet Corvette. O designer tentou viabilizar sua produção, mas sem sucesso. Então redesenhou-o completamente, dando origem ao Adventurer II, de dois lugares, em 1955. Ainda era muito ousado para a cúpula da DeSoto, que aprovou um projeto mais convencional. O Adventurer chegou às lojas em 1956, mas como uma série limitada de 996 unidades do modelo Fireflite.

DeSoto Adventurer

Os clássicos rabos de peixe, ícones da década de 1950

Com duas portas, seis lugares e 5,6 metros de comprimento, ele era bem diferente dos conceitos. Mas seu motor tinha o dobro de potência: era um V8 Hemi 5.6 de 320 cv e câmaras de combustão hemisféricas. Atingia 230 km/h, superando assim mitos como o Corvette e o Ford Thunderbird, porém custando menos.

A versão conversível viria no ano seguinte, trazendo como principal novidade o estilo Forward Look, com inspiração aeroespacial. Os rabos de peixe nada discretos de Exner eram baseados nas linhas de foguetes e aviões e antecipavam a tendência para os anos 60: carrocerias cada vez maiores, mais baixas, mais largas e com faróis duplos. Seu V8 recebia dois carburadores de corpo quádruplo, com 345 cv.

DeSoto Adventurer

O design futurista Lorward Look era marcado por linhas inspiradas em aviões e foguetes

Como o Adventurer virou um ícone de força bruta (a um custo acessível), a potência não parava de crescer. Em 1958, o motor Hemi foi substituído pelo V8 Chrysler B, com 5,9 litros e câmaras triangulares, chegando a 355 cv com a rara injeção eletrônica Bendix Electrojector, a primeira oferecida por um fabricante de larga escala. Mas não vingou: o sistema era caro e deficiente e só maculou a imagem da DeSoto.

Chegou a linha 1959 e estava cada vez mais difícil diferenciar um DeSoto de um Dodge ou um Chrysler – todos compartilhavam carrocerias -, o que provocou forte queda nas vendas.

DeSoto Adventurer

O painel traz uma profusão de mostradores horizontais e teclas; o retrovisor interno é baixo, montado sobre o console

Até que em 1960 o Adventurer perdeu exclusividade de vez. Promovido a topo de linha, deixou de ser uma série limitada, ganhou carroceria de quatro portas e ficou sem a conversível. Recebeu uma moderna estrutura monobloco, mas os boatos do iminente fim da DeSoto afugentaram os clientes, que migraram para a marca Chrysler. Descaracterizado, ele saiu de linha após cinco anos e 15 662 unidades. O cupê 1960 das fotos acima pertence a um colecionador de São Paulo e integra o acervo que fica aos cuidados do antigomobilista Paulo Roberto Teixeira: “Por ser um carro nada discreto, marca presença em todos os lugares por onde passa”. A DeSoto encerrou as atividades em 1961, aos 32 anos. Não concretizou os belos carros-conceito idealizados por Exner, que por sua vez deixou o grupo Chrysler no mesmo ano.

FICHA TÉCNICA
Motor 8 cilindros em V, 6,3 litros
Potência 325 cv a 4 800 rpm
Torque 58 mkgf a 2 800 rpm
Câmbio automático de 3 marchas
Carroceria fechada, 2 portas, 6 lugares
Dimensões comprimento, 551 cm; largura, 201 cm; altura, 144 cm; entre-eixos, 310 cm;
Peso 1 870 kg
0 a 100 km/h 8,9 s
Velocidade máxima 190 km/h
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s