Clique e assine por apenas 8,90/mês

De subcompacto a recordista: os principais carros de Anísio Campos

Foram mais de 60 anos dedicados ao ramo automobilístico. Além de piloto, Anísio Campos foi designer de pelos menos 15 veículos

Por Renan Bandeira - Atualizado em 16 set 2019, 20h22 - Publicado em 16 set 2019, 19h55
Anísio participou do projeto do Puma GT 4R, feito sob encomenda a pedido de QUATRO RODAS Leo Sposito/Quatro Rodas

No último sábado (14), morreu José Anísio Barbosa de Campos, designer brasileiro de automóveis de maior reconhecimento. Foram cerca de 60 anos dedicados ao mundo automobilístico e mais de 15 veículos projetados durante a vida.

Para homenagear Anísio Campos, nós da QUATRO RODAS separamos os principais modelos que fazem parte do legado deixado pelo designer. Confira:

1- Puma GT DKW

Puma GT 1967 testado pela revista Quatro Rodas Ricardo Rollo/Quatro Rodas

O Puma GT foi o precursor da marca no país e surgiu em 1967.

Era uma evolução do GT Malzoni, criado por Rino Malzoni as pistas e que posteriormente ganhou uma versão de rua. Essa versão de rua seria o ponto de partida para o Puma GT, que receberia traços de Anísio Campos, mas mantinha o chassi e o motor 1.0 de três cilindros em dois tempos com 60 cv e 9 mkgf dos DKW. A velocidade máxima era de 142,86 km/h.

Porém, em 1968, após a venda de cerca de 170 unidades, a Vemag (responsável pela DKW) encerrou as operações, deixando o Puma sem motor e sem chassis.

Os Puma passariam a usar os motores boxer 1.500 da Volkswagen e chassis fornecidos pela Karmann-Ghia. Mas o design dos chamados P2 era outro – o que acompanhou o modelo até seu fim.

Continua após a publicidade

2- Carcará

Veículo bateu recorde de velocidade máxima quando testado Acervo/Quatro Rodas

Junto com o também projetista Rino Malzoni, Anísio Campos começou a projetar veículos para competição. O Carcará, de 1966, foi mais além. Sua aerodinâmica o ajudou a alcançar a incrível marca de 213,9 km/h, obtendo o recorde de maior velocidade atingida por um veículo mil na época. O teste foi feito na Rio-Santos.

O veículo tinha carroceria leve, de alumínio rebatido, e chassi da Fórmula Júnior. O motor traseiro 1.0 três cilindros da DKW foi preparado por Miguel Crispim, e chegou aos 104 cv (o Up TSI, com turbo e injeção direta, tem 105 cv!)

3- AC biposto de corrida

O motor passou a ser equipado com dois tipos de motor de duas mil cilindradas Reprodução/Internet

O sonho de produzir um veículo de competição nacional não ficou apenas no Carcará. Em 1968, um novo corredor entrou em cena: AC biposto de corrida.

Criado como um carro de competição para ser construído em série, o veículo teve apenas cinco exemplares produzidos e foi apresentado durante o VI Salão do Automóvel brasileiro, no estande da Puma – responsável por sua fabricação.

Em 1970, Anísio preparou uma versão mais potente, com motor de dois litros: podia ser o Porsche com 198 cv ou o Volkswagen com 146 cv.

4- Tropi Kadron

classicos-brasileiros
Tropi Kadron Acervo/Quatro Rodas

O Tropi foi o primeiro bugue registrado no Brasil. Criado por Anísio em 1969, o veículo tinha sua carroceria fabricada pela Puma e depois enviada à Kadron (tradicional fabricante de escapamentos e acessórios.), que reduzia o chassi VW em 35 cm.

Continua após a publicidade

Do Fusca também vinha o velho quatro-cilindros boxer – o favorito era o 1.3.

Seu design se destacava pelos grandes faróis acoplados a lataria e epla barra traseira para proteção do motorista em caso de capotamento. Os primeiros usavam as lanternas do Fusca e o motor era protegido só pela placa traseira, num suporte basculante.

Como isso dificultava a manutenção e inviabilizava a dupla carburação, Anisio redesenhou a traseira, adotando tampa articulada, para-lamas mais retos e lanternas da Variant. Na dianteira, só um retoque: os piscas inseridos nos para-lamas.

5- Corcel Hatch

Transformação do Corcel foi feito pela concessionária Souza Ramos Reprodução/Quatro Rodas

Entre 1976 e 1990, um movimento de transformação de veículos estava acontecendo, tendo como principal transformadora a concessionária Souza Ramos. Anísio, junto com a Souza Ramos criou uma nova versão do Corcel II: o Corcel Hatch.

O veículo mantinha a mesma plataforma Ford e até o mesmo motor 1.6 em linha de 46 cv e 11,9 mkgf de torque. As modificações projetadas pelo designer brasileiro estavam na carroceria, com redução do balanço traseiro, alongamento dos vidros traseiros e para-choques de plástico.

6 – P.A.G. Nick

Ressalto no capô para acomodar motor AP
PAG Nick, uma das criações de Anísio Campos Xico Buny/Quatro Rodas

Em 1987, junto com Paulo Goulart, Anísio criou um subcompacto: o Nick.

Continua após a publicidade

Produzido na Projets d’AvantGarde Ltda (PAG), divisão da Dacon, tinha como base a Saveiro. O entre-eixos era encurtado em 34 cm e os balanços dianteiro e traseiro eram reduzidos ao máximo. A redução de peso era de apenas 40 kg, o que não era ruim para o motor AP 1.6 de 90 cv.

O zero a a 100 km/h em 11,7 segundos e a máxima de 160 km/h eram interessantes. Dois anos depois nasceria o Nick L, com base de Voyage e motor 2.0 de Santana.

7- P.A.G. Dacon 928

Automóvel Pag Dacon 928, da Porsche. Acervo/Quatro Rodas

O P.A.G Dacon 928 é uma réplica do Porsche 928 do dos anos 1980. O carro tinha carroceria de fibra de vidro e levava até quatro pessoas. A base é o Gol GT 1.8, mas o motor era traseiro e a tração, dianteira!

O motor tinha deslocamento aumentado para 2.100 cm³, mas os mesmos 99 cv. O carro ainda possuía faróis de Passat, lanternas de Kombi e freios dianteiros a disco.

8 – Topazzio

Topazzio foi feito para a Engerauto Reprodução/Quatro Rodas

Projetado em 1988 para a Engerauto, o Topazzio tinha como base a Ford Pampa.

Era estranho, mas com motivo: sua carroceria podia ser modificada trocando a traseira. Com a tampa de vidro, parecia um fastback. Caso esta tampa fosse retirada virava uma picape três volumes de cabine dupla.

Continua após a publicidade

9 – Mini Dacon 828

828, minicarro da Dacon. Christian Castanho/Quatro Rodas

Criado em 1982, o pequeno 828 também usava chassi Volkswagen, mas com entre-eixos encurtado e menos de três metros de comprimento total.

O motor Volkswagen 1.6 era oferecido em versões a gasolina e álcool, com 65/68 cv e 11,7/12,5 mkgf respectivamente. Seu melhor desempenho era com etanol, alcançando máxima de 136 km/h e chegando aos 100km/h em 16,3 segundos.

10 – Puma GT 4R

Produzidos pela Puma sob encomenda para a QUATRO RODAS, estes GT 4R foram presente da revista a três leitores em 1969
Produzidos pela Puma sob encomenda para a QUATRO RODAS, estes GT 4R foram presente da revista a três leitores em 1969 Sergio Chvaicer/Quatro Rodas

Criado sob encomenda da QUATRO RODAS, o Puma GT 4R teve três unidades produzidas em 1969 e nenhuma delas foi vendida: eles foram sorteados para os leitores.

O processo de criação do GT 4R arquivo/Quatro Rodas

O desenvolvimento do carro foi feito em Araraquara (SP) por Rino Malzoni e Anísio Campos. O carro seguia com motor Volkswagen, mas um 1.6 com carburação dupla Solex 32/34 e comando do Puma P2.

O GT 4R tinha interior impecável, com volante F-1 e cinto três pontos (raros na época). Além disso, para concretizar o design das pistas, o carro tinha ainda medidores de temperatura e de pressão do óleo, que ficavam na parte superior do console.

11 – Óbvio! 828 Elétrico

Elétrico, o Obvio 828 foi o último projeto de Anísio Campos Andrea Marques/Quatro Rodas

Desenhado por Anisio Campos, o Obvio 828 é a releitura do Dacon 828 de 1982.

Continua após a publicidade

Surgiu em 2002 e seria vendido pela internet e receberia motores 1.6 Tritec, plano que foi por água abaixo quando a Fiat comprou a Tritec. Depois, o projeto ensaiou um retorno com motor elétrico, mas nunca foi para a frente.

12 – Engerauto Scorpion

Engerauto Scorpion Reprodução/Internet

Outra criação de Anísio para a Engerauto, o Scorpion foi criado em 1990 e era baseado na Ford F-100.

A picape transformada em SUV leva até nove pessoas com conforto. Os passageiros ainda podiam acessar a cabine por uma terceira porta, instalada na lateral direita. Outra sacada era o teto desnivelado, que aumentava o vão útil da cabine. Para completar, tinha quadro de instrumentos eletrônico.

Publicidade