Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

De Camaro picape a Gol GTS: conheça modelos que burlaram leis de impostos

Da Finlândia ao Brasil, veja algumas histórias de modelos que foram modificados pelos donos ou pelas montadoras para fugir de leis ou impostos

Por João Vitor Ferreira 6 jul 2022, 13h35

No mercado automotivo, taxas e impostos podem ser considerados como vilões para o consumidor, já que elevam os preços dos veículos e, em alguns casos, até tornam sua importação inviável para as montadoras. Em alguns casos, para se ter o carro dos sonhos não basta apenas ter dinheiro, também tem que ser criativo para encontrar brechas na legislação. Em outros, as próprias montadoras dão uma “mãozinha” para que o carro chegue ao consumidor.

Na Finlândia da década de 1980, uma dessas leis de importação obrigou aqueles que estavam cansados dos modelos europeus, como Opel e Lada, a fazer suas próprias modificações em veículos importados. Mais precisamente, a imposição tornava muito cara a importação de modelos americanos. Com isso, o sonho do finlandês de ter um muscle car era quase impossível.

Camaro transformado em picape da Finlândia
Camaro de terceira geração transformado em picape encontrado na Finlândia. A foto foi postada em um fórum na internet e divulgada pelo site Jalopnik Heimo24/Reprodução

Porém, essa mesma lei não falava nada sobre picapes. Logo, uma série de Chevrolet Camaro e Pontiac Firebirds tiveram suas carrocerias F-Body cortadas, bancos retirados e ganharam uma caçamba. O site Jalopnik encontrou uma história onde uma única pessoa (ou loja) importou cerca de 140 desses muscle cars para serem transformados em caminhonetes e vendidos no país nórdico.

Camaro transformado em picape da Finlândia traseira
Com a conversão, nem sempre as lanternas traseiras eram mantidas e tinham que ser substituídas pelas de modelos vendidos na Finlândia Heimo24/Reprodução

Imagens encontradas na internet mostram modelos um tanto elaborados. Alguns dos esportivos receberam prolongamentos nas colunas, já outros são equipados com grandes capotas, que quase fazem eles terem de volta a aparência de três volumes que foi perdida.

Camaro transformado em picape com capota
Edsel Grossepointe/Flickr

Chicken Tax e a simplicidade japonesa

Voltando um pouco no tempo, na década de 1960, o presidente americano Lyndon B. Johnson criou a “Chicken Tax” (ou imposto do frango, em tradução livre). Esse imposto foi criado em resposta às altas taxas de importação cobradas por Alemanha Ocidental e França sobre o frango exportado pelos EUA. É daí que vem o nome engraçado.

Mas o que a indústria automotiva tem a ver com isso? O governo americano passou, então, a cobrar 25% de imposto sobre diversos produtos vindos da Europa, entre eles picapes e utilitários pequenos, chamados por lá de light trucks.

Claro que isso não impediria que modelos orientais chegassem ao país, o que deu origem aos Chicken Tax Trucks. Talvez o modelo mais famoso e que represente esse pseudo-segmento seja o Subaru BRAT, uma picape que nunca foi vendida do Japão, sendo feita exclusivamente para importação e que chegou aos EUA em 1978.

Subaru Brat frontal
Divulgação/Subaru

Para driblar a alta taxa de importação, a Subaru instalou dois bancos e até carpete na caçamba do pequeno 4×4. Esses bancos eram virados para trás e tinham cintos de segurança, porém não havia capota, logo, seria bem complicado dar carona para mais de uma pessoa em dias de chuva ou muito sol. Com a “conversão” a taxa de importação caiu para apenas 2,5%.

Continua após a publicidade

Subaru Brat lateral
Os bancos tinham eram instalados de costas para a cabine e tinham uma pegada aventureira Divulgação/Subaru

Mais recentemente, os japoneses tiveram outra ideia bastante simples para adaptar um de seus modelos. Em 2020, a Suzuki estava prestes a descontinuar o Jimny do mercado europeu devido às leis de emissões que ficaram mais rígidas. Porém, uma solução bastante simples salvou o jipinho.

Subaru Brat em movimento
Se os bancos não parecem ser tão bons para o dia-a-dia, eles parecem servir bem em um passeio off-road Divulgação/Subaru

No lugar de soluções mais tecnológicas, como uma eletrificação,ba montadora retirou o banco traseiro, transformando o local em um compartimento de carga, que incluía grade divisória e piso plano. Com isso, o Jimny passou a ser considerado um utilitário leve (por lá classificado como N1), que poderia ultrapassar os 95 g/km de CO2 dos veículos de passeio, sem perder sua capacidade no off-road.

Jimny europa
Os bancos traseiros deram espaço a uma grade divisória no Suzuki Jimny Divulgação/Suzuki

Jeitinho brasileiro

Claro que por aqui, também teve o nosso “jeitinho”. Talvez, o caso mais famoso tenha ocorrido com o Volkswagen Gol GTS 1.8, que estreou em 1987 e herdou o motor AP a álcool da versão GT.

Compartilhe essa matéria via:

Deste modo, a VW pode manter os 99 cv que declarava na versão anterior e pode livrar o seu esportivo da maior tributação que modelos com mais de 100 cv recebiam na época. Porém, a realidade é que o Gol GTS tinha entre 105 cv e 110 cv. A Ford utilizou da mesma estratégia com o Escort XR3, que compartilhava o mesmo motor do rival Alemão, devido à uma joint venture formada pelas duas montadoras na época.

Gol 1.8 GTS
O Icônico Gol GTS cumpria muito mais do que prometia Acervo/Quatro Rodas

A partir de 1990 a lei ganhou uma nova barreira. Agora, carros com mais de 128,7 cv (ou 127 hp, como estava descrito na legislação) tinham o IPI aumentado de 17% para 34%. Usando do mesmo “jeitinho brasileiro”, a Fiat lançou, em 1993, o Tempra 16V com 127 cv declarados. Mas os bons números de desempenho e testes afirmavam uma potência de cerca de 140 cv.

Fiat Tempra Ouro 16V
O motor 16V trouxe tanto desempenho ao Tempra, que a Fiat precisou esconder alguns cavalos a mais Arquivo/Quatro Rodas

Com o substituto do Tempra, o Fiat Marea, a montadora italiana não mentiu e declarou o sedã com seus 142 cv. Porém, um ano depois da estreia, foi lançado o Marea SX, com um comando de válvulas convencional no lugar do variável e nova central eletrônica para diminuir a potência para 127 cv.

Marea SX
Marea SX tinha visual mais simples e menos potência que o modelo original Acervo/Quatro Rodas

  

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue lendo, sem pisar no freio. Assine a QR.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.


a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo de QUATRO RODAS. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da QUATRO RODAS, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Comparativo entre os principais modelos do mercado.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.

Receba mensalmente a QUATRO RODAS impressa mais acesso imediato às edições digitais no App QUATRO RODAS, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês