Clique e assine por apenas 8,90/mês

Caoa Chery Tiggo 2 (que era Celer) terá quarta mudança em 12 anos

Rebatizado e reinventado como SUV compacto, o modelo terá a quarta reestilização para se alinhar ao novo Tiggo 7

Por Gabriel Aguiar - Atualizado em 24 jul 2020, 19h28 - Publicado em 24 jul 2020, 18h44
Não haverá mudanças nas peças de estamparia das laterais Chinese Car Intelligence/Reprodução

O Caoa Chery Tiggo 2 está prestes a ganhar novo visual – na China. Caso você não tenha percebido, o pseudo-SUV é, na verdade, uma reestilização profunda do finado Celer. Ou seja, essa é quarta mudança visual do modelo (que foi apresentado em 2008).

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de Quatro Rodas? Clique aqui e assine com 64% de desconto.

Como um camaleão, o hatch soube se transformar para acompanhar tendências: primeiro, veio a dianteira mais refinada, seguindo pela mudança de segmento e de batismo. Agora, terá a frente inspirada na nova geração do Tiggo 7, recém-mostrada na Ásia.

Dianteira tem inspiração na nova geração do SUV Tiggo 7 Chinese Car Intelligence/Reprodução

Pelas imagens feitas às vésperas da apresentação no mercado chinês – e com pouquíssima camuflagem –, as principais mudanças estão na dianteira, com faróis divididos em duas partes. Já a traseira continuará praticamente igual àquela que existe há 12 anos. A exceção é o para-choque, agora com refletores horizontais.

Continua após a publicidade
Traseira continua praticamente igual ao Celer que foi aposentado Chinese Car Intelligence/Reprodução

Flagras divulgados anteriormente já indicavam que a cabine do pseudo-SUV terá poucas novidades em relação à configuração produzida em Jacareí (SP). Aliás, vale lembrar que o Arrizo 5, que ganhou novo painel, está meses defasado em relação à China.

Com isso, é pouco provável que haja mudanças na configuração nacional (ao menos para o futuro próximo). Na lista de prioridades da Caoa Chery está o sedã Arrizo 6, mostrado há pouco tempo, além do novo Tiggo 8 e da divisão de SUVs de luxo Exceed.

Se as especulações da imprensa chinesa estiverem certas, este novo visual será acompanhado de um inédito motor 1.0 turbo, derivado do três cilindros que era usado no QQ.

Continua após a publicidade

Teria cerca de 105 cv e 15 kgfm de torque e poderia se tornar uma alternativa ao atual 1.5 aspirado de 115 cv – que na China é combinado a um câmbio CVT e não mais ao automático de quatro marchas usado no Brasil.

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da nova edição de quatro rodas? clique aqui e tenha o acesso digital.

Arte/Quatro Rodas
Publicidade