Clique e assine por apenas 8,90/mês

“Caoa Chery italiana” muda cara dos SUVs e vende carro até em supermercado

DR Automobiles surgiu bem antes de a operação nacional ser criada e modifica frente dos carros chineses para vendê-los na Europa

Por Gabriel Aguiar - Atualizado em 23 jun 2020, 18h54 - Publicado em 24 jun 2020, 07h00
Nosso Tiggo 7 recebeu novo visual e é chamado DR F35 DR Automobiles/Divulgação

Se Caoa Chery surgiu após Carlos Alberto de Oliveira Andrade – dono da empresa que leva suas iniciais – comprar 51% da filial brasileira, os chineses também arrumaram um parceiro para tentar a sorte na Itália. Mas, lá, a história é mais conturbada.

Para começar a entender todo o “rolo”, primeiro é necessário conhecer Massimo Di Risio, o responsável pela criação da DR Motors (depois, rebatizada como DR Automobiles). Filho de concessionário, o italiano fez carreira como revendedor e piloto.

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de quatro rodas? clique aqui e assine com 64% de desconto.

Essa é apenas uma das semelhanças com o médico paraibano, que também fez sucesso como dono de autorizadas. Desde 1979, a Caoa se tornou a maior revendedora da Ford na América Latina, além de representar oficialmente Hyundai e Subaru por aqui.

Continua após a publicidade

Também coube ao empresário nordestino fazer modelos da empresa sul-coreana pela primeira vez – antes da operação oficial, que só chegou em 2012, com o HB20. Primeiro, o caminhão HR foi nacionalizado em Anápolis (GO), em 2007, seguido por Tucson, ix35 e, depois, o New Tucson.

Primeira tentativa de Massimo Di Risio foi com a Katay Gonow Katay Gonow/Divulgação

Já a trajetória do italiano como fabricante começou em 2006, quando passou a fazer na Europa modelos da chinesa Gonow, uma subsidiária da GAC, com a marca Katay Gonow. Só que não é difícil perceber pela imagem acima que eram só cópias do Toyota Land Cruiser Prado.

DR5 foi o primeiro modelo da então DR Motors DR Automobiles/Divulgação

Naquele mesmo ano, Di Risio apresentou o SUV DR5 no Salão do Automóvel de Bolonha – que, na verdade, era uma versão do Chery Tiggo. E se a Katay sumiu do mapa, a DR ganhou fôlego: foram 21 emplacamentos em 2007. Já em 2008, passou a 1.953.

Os planos da pequena DR Motors pareciam dignos de contos de fadas automotivos. Até 2010, manteve o bom crescimento e, no fim da década passada, chegou a vender 5.059 carros. Além do SUV, passou a oferecer o DR1 (um Chery S18) e a Citywagon.

Continua após a publicidade
Citywagon era versão perua do Chery S18 DR Automobiles/Divulgação

Com a chegada desses novos produtos, o empresário italiano passou a ter uma rede própria de concessionárias. Até então, os veículos eram vendidos em hipermercados e, não bastasse isso, a montagem dos carros era feita em diferentes instalações no país.

Para melhorar a produção na Itália, Massimo Di Risio passou a negociar a aquisição da fábrica da Fiat em Termini Imerese – que produziu 500, Panda, Punto e Lancia Ypsilon. O valor seria de simbólico 1 euro, além dos investimentos, mas não deu certo.

Chery QQ também foi vendido pela marca italiana DR Automobiles/Divulgação

Se por lá os negócios pareciam ir de vento em polpa, aqui no Brasil a Chery mal tinha cravado os pés de vez no mercado. Na nossa terra, a empresa chinesa estreou somente em 2009, sem ter nenhum representante local, com a primeira geração do Tiggo.

Entretanto, aquela que parecia ser a estratégia perfeita para aumentar a relevância da DR se tornou a pior decisão possível: em 2011, as vendas caíram a 2.961 unidades. Em 2012, foram só 736 e, em 2014, 349 carros (6.798% menos em relação a 2010).

Continua após a publicidade
Nosso Tiggo 2 é um dos modelos oferecidos pela marca atualmente DR Automobiles/Divulgação

Esse foi o mesmo período da derrocada das operações da Chery no Brasil. Em 2014, a empresa montou a primeira fábrica fora da China, em Jacareí (SP), mas a produção jamais chegou perto da capacidade máxima para até 150.000 veículos anualmente.

Para tentar dar a volta por cima, a DR Automobile passou a oferecer novos modelos – inclusive os que não fizeram sucesso no Brasil, como Face e QQ. Além disso, fechou parceria com a JAC para fazer o SUV T50, rebatizado por lá como DR4.

Hegemonia de carros Chery foi interrompida pelo Jac T40 DR Automobiles/Divulgação

Por aqui, o jeito foi repassar as operações dispendiosas e nada lucrativas (foi assim que a Caoa entrou na jogada). De fato, as vendas melhoraram no Brasil, com aumento de 130% em 2019 quando comparado a 2018. Já na Itália, o ganho foi mais discreto.

De apenas 415 emplacamentos em 2018, segundo pior resultado nos 12 anos de vendas cheias desde a estreia, a DR Automobile saltou a 1.225 unidades emplacadas em 2018. E, no ano passado, foram 3.242 carros, segundo melhor desempenho desde 2007.

Continua após a publicidade
Tiggo 5X, modelo de maior sucesso da Caoa Chery no Brasil, chama DR5.0 DR Automobiles/Divulgação

Por lá, a operação de Massimo Di Risio continua um tanto misteriosa, mas a oferta de carros é parecida à da Caoa Chery, com os nossos Tiggo 2, Tiggo 5X e Tiggo 7 – devidamente chamados DR3, DR5.0 e DR F35 –, ainda que tenham mudanças no desenho.

Aliás, essa é uma exclusividade dos italianos: se por aqui nossos carros são exatamente iguais aos chineses em termos visuais, por lá a empresa afirma ter um departamento de estilo capaz de influenciar as decisões da própria Chery. E há opções movidas a GLP (o popular gás de cozinha).

Para quem procura ainda mais excentricidade, é possível apelar à Evo, recém-lançada marca de (mais) baixo custo da DR Automobiles. Além de manter os veteranos Tiggo 3 e Tiggo 5 à venda, ela oferece versões próprias do JAC T50 e até do elétrico iEV40.

Carros da Chery e da Jac também servem de base à linha Evo Evo/Divulgação

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da nova edição de quatro rodas? clique aqui e tenha o acesso digital.

Fernando Pires/Quatro Rodas
Publicidade