Clique e assine com até 75% de desconto

Caoa Chery encerra vendas do QQ, e Brasil perde seu “carro mais barato”

Produção do subcompacto já havia sido encerrada em julho, mas só agora modelo deixa definitivamente o catálogo da marca no país

Por Leonardo Felix Atualizado em 21 nov 2019, 09h09 - Publicado em 21 nov 2019, 09h06
Em vez de conta-giros, o QQ tem luzes diurnas com lâmpadas halógenas
Caoa Chery New QQ Christian Castanho/Quatro Rodas

O subcompacto Caoa Chery QQ não é mais produzido nem vendido no Brasil.

A informação foi confirmada em primeira mão pelo parceiro Autos Segredos, que em julho já havia noticiado o encerramento da linha de montagem do pequeno hatch em Jacareí (SP).

No configurador do site oficial da marca, já não há mais vestígios do modelo. Agora, apenas o sedã Arrizo 5 e os SUVs Tiggo 2, 5X e 7 constam no catálogo de opções zero-quilômetro.

Produzido na China com a mesma plataforma desde 2003, o QQ desembarcou no país em abril de 2011, quando a Chery ainda era representada no país pela importadora Venko.

Sua proposta sempre foi a de atuar como o automóvel mais barato de nosso mercado. À época, cada unidade saía da concessionária por menos de R$ 23.000.

100113_import_03.jpg
QQ desembarcou no país com este visual Acervo/Quatro Rodas

Desde o princípio, porém, o subcompacto foi alvo de críticas devido à qualidade pobre dos materiais, à montagem com desalinhamentos e imprecisões, e à falta de desempenho, estabilidade e segurança.

Em 2014, já sob representação oficial da Chery no país, o QQ recebeu um novo motor 1.0 12V fornecido pela Acteco (braço da Chery na China).

Continua após a publicidade

Em meados do ano seguinte, o QQ passou por uma profunda reestilização e passou a ser vendido como “New QQ”.

Além do visual totalmente renovado, incluindo tampa do porta-malas de vidro, o hatch ganhou reforços estruturais e novas peças de acabamento interno.

Tampa do porta-malas é toda de vidro, mas é muito menor que a do Mobi
Reestilização profunda veio em 2015 Christian Castanho/Quatro Rodas

No final de 2016, sua produção foi nacionalizada em Jacareí e, alguns meses mais tarde, o motor Acteco passou a ser flex, com potência declarada de 74 cv com gasolina e 75 cv com etanol.

Quando a Caoa assumiu as operações da Chery no Brasil, em 2018, deu sequência à fabricação do QQ, mas desde o princípio sinalizou uma disposição maior para apostar em modelos de maior valor agregado, como sedãs e SUVs.

E assim, com preços entre R$ 24.990 e R$ 35.490 em seus últimos meses de vida, além de índices baixos de venda (de janeiro a outubro deste ano, foram meras 1.360 unidades emplacadas, sendo apenas 31 no último mês), o QQ encerra seu ciclo de vida no país.

  • Sem ele, a Caoa Chery deve apostar no SUV de sete lugares Tiggo 8 e no sedã médio Arrizo 6 em 2020. Também há chances de vermos por aqui o SUV de luxo Exeed LX.

    Já o segmento de subcompactos de entrada fica ainda mais desidratado em nosso mercado, tendo apenas o Fiat Mobi, o Renault Kwid e o VW Gol como representantes (o VW Up! não é levado em conta devido ao seu posicionamento de preços).

    Continua após a publicidade
    Publicidade