Clique e assine por apenas 8,90/mês

Achou o novo Honda Fit estranho? Calma: visual no Brasil deve mudar

Quarta geração ganhou visual "fofinho", mas controverso. Por isso mesmo, variante brasileira deve receber pequenas modificações visuais

Por Leonardo Felix - 28 out 2019, 08h00
Fit 4 chega com visual polêmico Leonardo Felix/Quatro Rodas

A quarta geração do Honda Fit ainda está longe do Brasil – não chegará antes do fim de 2020. Aliás, ela recém foi apresentada no Salão de Tóquio. Mas ela já está gerando controvérsia.

O culpado é o visual, que fez o monovolume trocar a cara de mau por uma feição mais “fofinha”. Uma solução voltada a agradar os consumidores japoneses, mas que tem grandes chances de não ser tão bem aceita no Brasil.

É por isso mesmo que o novo Fit pode receber mudanças estéticas voltadas a mercados como o nosso e também os Estados Unidos. Quem afirmou isso foi o presidente da fabricante na América do Sul, Issao Mizoguchi.

“Ainda estamos estudando [como ficará o pacote do novo Fit brasileiro]. Mas o que posso dizer é que mexer em elementos como para-choques, grade e faróis é fácil”, disse o executivo a QUATRO RODAS durante a cobertura do salão.

Continua após a publicidade
Fit não chega ao Brasil antes do fim de 2020 Leonardo Felix/Quatro Rodas

Ainda no estande da marca, conversamos com um dos membros da equipe que criou o desenho do Fit 4. Ele nos explicou que a ideia foi fazer a nova geração conversar com a primeira, conhecida por também contar com faróis mais largos e grade fina.

E foi um pouco mais preciso do que Mizoguchi: “Há mudanças visuais possíveis para outros mercados, mas vão se resumir aos para-choques”, contou.

É basicamente o que já acontece com o Fit 3, cujo desenho dos dois para-choques tem soluções exclusivas para o mercado brasileiro, diferindo das versões americana, europeia e japonesa.

Apenas por curiosidade, a nova geração do Jazz, como o monovolume é chamado no Velho Continente, já foi revelada e mantém o visual fiel ao da variante nipônica.

Continua após a publicidade
Nosso Fit também deve ter painel mais conservador Leonardo Felix/Quatro Rodas

Mais baixo

A Honda ainda não revelou dimensões ou especificações técnicas do novo Fit, que chega ao mercado japonês em fevereiro de 2020.

Mas, de acordo com o designer entrevistado por nossa reportagem, o modelo ficou “um pouco mais baixo” do que a terceira geração. Segundo ele, comprimento, largura e entre-eixos estão praticamente inalterados.

Para ressaltar sua silhueta mais próxima à de um hatch, a fabricante dotou o Fit de capô elevado e lanternas traseiras horizontalizadas.

Vale observar que no Japão o Fit 4 será equipado com motorização 100% híbrida, que inclui um motor 1.5 quatro-cilindros a combustão de 109 cv e 13,7 mkgf, além de sistema elétrico com dois motores.

Continua após a publicidade

O primeiro opera como gerador, fazendo a transição da energia do propulsor térmico ou da bateria para o segundo, este sim responsável por entregar força às rodas, rendendo 131 cv e 27,2 mkgf.

Assim como no Accord híbrido que será vendido no Brasil, o Fit híbrido não promove a combinação de forças dos motores em nenhum momento.

A atuação na entrega de torque às rodas é 100% elétrica nas arrancadas, retomadas e acelerações mais fortes. Em velocidade de cruzeiro, o motor 1.5 se acopla a uma embreagem multidisco e corta a ação do companheiro elétrico.

Por aqui, ainda é incerto se teremos esta solução – lembrando que a Honda promete mais dois híbridos no país até 2023 além do Accord – ou se ficaremos apenas com a opção 1.0 turbo flex de 130 cv e injeção direta.

Publicidade