Clique e assine por apenas 8,90/mês

Accord será o primeiro dos três híbridos da Honda prometidos para o Brasil

Nova versão tem três motores, sendo que dois impulsionam o carro e um só gera energia elétrica

Por Leonardo Félix, de Tóquio (Japão) - Atualizado em 25 out 2019, 11h35 - Publicado em 25 out 2019, 11h18
Sedã híbrido está confirmado para o Brasil, mas ainda não tem data para chegar Divulgação/Honda

A Honda está se preparando para dar o primeiro passo rumo à eletrificação no Brasil. Em Tóquio, a fabricante japonesa anunciou que o Accord será seu primeiro carro híbrido no Brasil.

Desta forma, o sedã topo de linha será o primeiro de três híbridos que serão lançados pela Honda no Brasil até 2023.

Versão híbrida tem três motores e o mais potente é elétrico Divulgação/Honda

A Honda se esquiva de falar sobre datas, mas garante que o sedã híbrido chegará na mesma configuração oferecida nos Estados Unidos – de onde a nova geração chega desde o final de 2018 com motor 2.0 turbo de 256 cv.

Neste caso o motor 2.0 a gasolina trabalha em ciclo Atkinson (mais eficiente que o Otto) para gerar 145 cv e 17,8 mkgf de torque. Ele trabalha aliado a dois motores elétricos, cada um com tarefas bem específicas.

Conjunto híbrido é relativamente complexo, mas eficiente Divulgação/Honda

O primeiro é um gerador, que não se conecta diretamente às rodas. Sua função é captar a energia vinda do 2.0 e enviá-la diretamente para o potente motor elétrico, mas também pode recarregar a pequena bateria de íons de lítio com 1,3 kWh de capacidade. 

Continua após a publicidade

Já o segundo está ligado ao diferencial e faz a transmissão direta da força às rodas. Ele pode ser alimentado pelo motor a combustão ou pela bateria, sempre via gerador, mas também pode funcionar como gerador nas desacelerações. Não é à toa que é o motor mais potente de todos: são 184 cv e 32,1 mkgf.

[youtube=https://www.youtube.com/watch?v=VggMsk9ghtM&w=780&h=450]

O quatro-cilindros, por sua vez, envia energia ao gerador, mais ou menos conforme acontece com o sistema e-Power da Nissan. Mas ele também pode transmitir força às rodas sem intermediários, através de uma embreagem multidisco com relação única de marchas. Isso só acontece em velocidade de cruzeiro, quando o motor a gasolina passa a funcionar sozinho.

Ou seja: o Honda Accord Hybrid não tem caixa de câmbio. Além disso, não existe ação combinada entre motores a combustão e elétrico, diferentemente do que acontece com o Toyota Corolla Altis Hybrid.

Interior da versão híbrida é praticamente igual ao da versão convencional Divulgação/Honda

Ele aproveita o melhor de cada motor. A disponibilidade imediata de força e a capacidade de regeneração do motor elétrico e o motor a gasolina funcionando como gerador ou em velocidade de cruzeiro, regimes de menor consumo – principalmente para motores Atkinson. O consumo médio divulgado pela Honda supera os 20 km/l.

Só não espere preços muito competitivos. Hoje o Honda Accord Touring custa R$ 204.900. A lista de itens de série é recheada, com ajustes elétricos e ventilação nos bancos dianteiros, teto solar e o pacote Honda Sensing, que inclui controle de velocidades adaptativo, assistente de permanência em faixa e frenagem automática de emergência. A fabricante também não diz se a versão convencional continuará à venda após a chegada do híbrido. 

Continua após a publicidade
Publicidade