Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Clássicos: Glaspac Cobra é réplica brasileira disputada no mundo todo

O modelo foi um dos fora de série mais velozes e exclusivos do mercado brasileiro

Por Felipe Bitu Atualizado em 6 dez 2020, 10h19 - Publicado em 5 dez 2020, 11h00
Glaspac Cobra 82
Glaspac Cobra 82 Fernando Pires/Quatro Rodas

Fundada por Donald Pacey e Gerry Cunningham, a Glaspac teve início em 1962, especializando-se em produtos de plástico reforçado com fibra de vidro. A iniciativa resultou na criação do primeiro bugue brasileiro e no fornecimento de componentes para a indústria (incluindo a equipe Copersucar de Fórmula 1). A expertise adquirida pelos sócios culminou no desenvolvimento do Glaspac Cobra.

Black Friday na Quatro Rodas! Clique aqui e assine por apenas R$ 7,90

A ideia surgiu a partir da proibição das importações de automóveis e bens de luxo em 1976, medida que complicou a vida de entusiastas da Jaguar como Donald e Gerry. Naquele período a manutenção dos esportivos ingleses tornou-se impossível ou proibitiva devido aos valores cobrados por peças que sumiram do mercado.

Glaspac Cobra 82
Motor recuado atrás do eixo dianteiro resultava em um largo túnel central e pedais deslocados para a esquerda Fernando Pires/Quatro Rodas

Frente a esse desafio, os sócios decidiram produzir uma réplica do AC Cobra, impulsionada por um V8 de grande cilindrada oferecido no Brasil. O roadster inglês era perfeito para nossas condições: simples, bonito, com alto desempenho e manutenção facilitada pelo emprego de componentes nacionais produzidos em larga escala.

  • Glaspac Cobra 82
    Glaspac Cobra 82 Fernando Pires/Quatro Rodas

    Gerry Cunningham aproveitou uma viagem de negócios e bateu às portas da lendária AC Cars, na Inglaterra, ocasião em que foi recebido por ninguém menos que Derek Hurlock. Após algumas xícaras de chá, o presidente da empresa lhe entregou uma série de desenhos originais do AC Cobra.

    Glaspac Cobra 82
    Fernando Pires/Quatro Rodas

    O ato de boa vontade resolveu parte dos problemas, pois não era possível reproduzir o chassi tubular do Cobra com o ferramental da Glaspac. As suspensões também eram sofisticadas demais, situação que quase inviabilizou o projeto. O custo do desenvolvimento era elevado para produzir apenas duas unidades, uma para cada sócio.

    Glaspac Cobra 82
    Glaspac Cobra 82 Fernando Pires/Quatro Rodas

    Para desenvolver os moldes da carroceria, foi necessário recorrer a um complexo e burocrático processo de importação de uma carroceria artesanal fabricada nos EUA. O chassi ficou a cargo dos argentinos Carlos Mazzeo e Enrique Carmona, que utilizaram a suspensão dianteira do Chevrolet Opala e o eixo traseiro do Ford Galaxie.

    Glaspac Cobra 82
    Glaspac Cobra 82 Fernando Pires/Quatro Rodas

    A carroceria foi ampliada para receber as largas bitolas e o habitáculo redimensionado para acomodar Donald e Gerry, ambos com mais de 1,90 m de altura. A iminência do 12o Salão do Automóvel encorajou os sócios a apresentarem seu novo modelo.

    Continua após a publicidade
    Glaspac Cobra 82
    Glaspac Cobra 82 Fernando Pires/Quatro Rodas

    A recepção do público foi tão favorável que o acesso ao estande da Glaspac precisou ser limitado: 18 unidades foram vendidas durante o evento, realizado entre os dias 13 e 22 de novembro de 1981.

    A produção do Cobra representou outro desafio para a Glaspac: foi preciso investir em ferramental, recursos humanos e fechar contratos com novos fornecedores. Tanto a Ford quanto a Chrysler manifestaram interesse em fornecer motores V8 para a empresa paulistana. A Glaspac optou pelo V8 Windsor de 5 litros empregado no Ford Galaxie, acoplado ao câmbio de quatro marchas do Ford Maverick.

    Glaspac Cobra 82
    Fernando Pires/Quatro Rodas

    Os enormes pneus Pirelli 215/70 eram os mais largos oferecidos no Brasil. O acerto dos sistemas de direção e suspensão contou com o apoio dos pilotos Ingo Hoffman e Emerson Fittipaldi, amigos de longa data.

    Glaspac Cobra 82
    Eixo traseiro vinha do Ford Galaxie e contava com diferencial autoblocante Fernando Pires/Quatro Rodas

    Era o automóvel mais caro, rápido e veloz do Brasil. Testado por QUATRO RODAS em março de 1982, ele foi de 0 a 100 km/h em 7,9 segundos e alcançou 205 km/h na melhor passagem. Ficou devendo apenas freios mais eficientes: o conjunto era formado por discos dianteiros e tambores traseiros.

    O fim do Ford Galaxie forçou a Glaspac a adotar o motor de seis cilindros do Chevrolet Opala a partir de 1983. Cerca de 120 Cobras foram produzidos até 1987, com unidades exportadas para Estados Unidos, Japão, Suíça e Inglaterra. Hoje, as poucas unidades remanescentes são cada vez mais disputadas pelos colecionadores.

    Glaspac Cobra 82
    Glaspac Cobra 82 Fernando Pires/Quatro Rodas

    Ficha Técnica:

    Glaspac Cobra 1982

    • Motor: longitudinal, 8 cilindros em V, 4.950 cm3, comando de válvulas no bloco, alimentação por carburador de corpo quádruplo
    • Potência: 310 cv SAE a 5.800 rpm
    • Torque: não aferido
    • Câmbio: manual de 4 marchas, tração traseira
    • Dimensões: comprimento, 416 cm; largura, 189 cm; altura, 126 cm; entre-eixos, 243,8 cm; peso,1.250 kg
    • Pneus: 215/70 R14 dianteiros e 215/70 R15 traseiros
    • Aceleração: 0 a 100 km/h: 7,89 s
    • Velocidade Máxima:199,77 km/h
    • Consumo: 3,78 km/l cidade /7,95 km/l estrada

    Teste QUATRO RODAS – março de 1982

    • Aceleração: 0 a 100 km/h: 7,89 s
    • Velocidade Máxima: 199,77 km/h
    • Consumo3,78 km/l cidade/7,95 km/l estrada
    • Preço: março de 1982: Cr$ 3.800.000,00. Preço atualizado: R$ 239.096 (ref.: salário mínimo)

    Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

    Capa 739

     

    Continua após a publicidade
    Publicidade