Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

VW Santana Evidence é versão rara, bem equipada e com rodas do Gol GTI

A combinação de requinte e esportividade resultou em uma das versões mais raras e interessantes do renomado sedã da VW

Por Felipe Bitu Atualizado em 25 jul 2021, 09h27 - Publicado em 25 jul 2021, 09h26
Santana Evidence
Os para-choques envolventes recebiam filetes na cor cinza Fernando Pires/Quatro Rodas

Em maio de 1988, QUATRO RODAS definiu o Santana 2000: “Quase um outro Santana”. O novo motor de 2.0 com 112 cv e 17,3 kgfm afastava de vez a imagem de carro lento associada ao sedã desde sua apresentação, em 1984. O automóvel mais luxuoso da VW finalmente estava em paridade de armas com seu arquirrival Chevrolet Monza.

Clique aqui e assine Quatro Rodas por apenas R$ 8,90

O Santana sempre teve uma tocada mais esportiva, mérito da direção hidráulica progressiva (primazia em nosso mercado) e de suspensões bem acertadas. O virabrequim de curso longo e o escalonamento fechado do câmbio transformaram o Santana em um dos nossos automóveis mais rápidos, principalmente após a abertura do segundo estágio do carburador.

  • A versão que mais combinava com essa agilidade era a intermediária GL, posicionada entre a básica CL e a requintada GLS. Era a única a contar com rodas aro 14 de liga leve e pneus de perfil 60, o mais baixo oferecido na época. E foi essa versão que serviu de base para a série especial Evidence, novidade mais atrativa da linha 1989.

    Santana Evidence
    Volante e manopla do câmbio são revestidos de couro Fernando Pires/Quatro Rodas

    Oferecido apenas em Preto Ônix metálico, o Santana Evidence era caracterizado por uma decoração externa sóbria e elegante. Frisos, molduras das janelas e espelhos retrovisores eram pintados na cor cinza, com lanternas traseiras fumê e a inscrição “Evidence” na parte traseira das laterais. As rodas pingo d’água aro 14 eram as mesmas dos Gol GTS/GTI.

    O destaque do interior era a forração das portas de veludo cinza, com bancos revestidos de tecido navalhado diagonal na mesma tonalidade. O clássico volante de quatro raios do Santana passava a ser revestido de couro, assim como o pomo da alavanca do câmbio. O painel de instrumentos exibia tons de grafite e cinza.

    O pacote de equipamentos seguia o padrão de um sedã executivo dos anos 1980: travas, vidros e retrovisores com acionamento elétrico e rádio/toca-fitas Bosch Los Angeles II com antena telescópica automática. O conjunto ótico era o mesmo do Santana GLS, com faróis auxiliares ao lado dos faróis principais. Como único opcional havia o ar-condicionado.

    Continua após a publicidade
    Santana Evidence
    Rodas diamantadas dos Gol GTS/GTI e pneus de perfil 60 Fernando Pires/Quatro Rodas

    “Trata-se de uma série especial tão rara que a maior parte do público nem sequer sabe que ela existiu”, conta Thyago Szoke, presidente do Santana Fahrer Club. “Visualmente, ele representa uma prévia do que seria o Santana Executivo, sem a injeção eletrônica e sem equipamentos da versão GLS como luzes de leitura e cintos de três pontos no banco traseiro.”

    O desempenho variava de acordo com o combustível (havia duas versões: álcool e gasolina). O Evidence era mais ágil com motor a etanol, acelerando de 0 a 100 km/h em pouco mais de 11 segundos, alcançando a velocidade de 167 km/h. Com gasolina (99 cv e 16,2 kgfm), o tempo de aceleração entrava na casa dos 12 segundos, com máxima de 165 km/h.

  • A velocidade só não era maior em função de duas características que só seriam sanadas na segunda geração do sedã: a aerodinâmica deficiente e a curta relação do diferencial. Periclitantes, os freios dianteiros traziam discos sólidos de pequeno diâmetro, incompatíveis com o novo padrão de desempenho.

    Mesmo limitados, os freios não abalavam a sensação de firmeza e segurança proporcionada pela suspensão dianteira McPherson e pela traseira com eixo de torção: o Evidence exibia tendência ao subesterço, de fácil correção. Os mais habilidosos logo aprendiam o macete de aliviar o pedal do acelerador para induzir saídas de traseira.

    santana evidence
    O padrão diagonal do revestimento navalhado era exclusivo da versão. O porta-cassetes era obrigatório Fernando Pires/Quatro Rodas

    “O Evidence é um dos carros mais icônicos e marcantes para mim”, conta o colecionador Alexandre Guerreiro. “Este Santana estava no meu radar desde a minha juventude, época em que eu não tinha condições de comprá-lo. Hoje tenho o prazer de ter uma unidade que sofreu pequenos ajustes para receber o certificado de originalidade.”

    O Evidence representa hoje uma das versões mais valorizadas do Santana entre os entusiastas. Tanto que o prestígio do nome acabou sendo resgatado como versão de produção normal em 1996: o Evidence correspondia à versão intermediária e exibia o mesmo caráter esportivo da antiga versão GL da década anterior.

    santana evidence
    De tão discreto, o emblema da versão passava quase despercebido na lateral. Rádio toca-fitas Bosch era objeto de desejo Fernando Pires/Quatro Rodas

    Ficha técnica – VW Santana Evidence 1989

    • Motor: álcool, long., 4 cil., 1.984 cm3, comando de válvulas simples no cabeçote, carburador de corpo duplo; 112 cv a 5.200 rpm; 17,3 kgfm a 3.400 rpm
    • Câmbio: manual de 5 marchas, tração dianteira
    • Dimensões: comprimento, 452,7 cm; largura, 169,5 cm; altura, 140,2 cm; entre-eixos, 255 cm; peso, 1.080 kg
    • Pneus: 195/60 HR 14
    Santana Evidence
    Motor AP 2.0 proporcionava retomadas rápidas. Fernando Pires/Quatro Rodas

    TESTE

    (não foi testado, dados do GL 2000 1989 a álcool)

    • 0 a 100 km/h: 11,5 s
    • Velocidade máxima: 165,9 km/h
    • Consumo: 6,25 km/l (urbano) e 9,44 km/l (rodoviário)
    • Preço: n/d

    Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital

    Edição de julho
    A edição 747 de QUATRO RODAS já está nas bancas! Quatro Rodas/Quatro Rodas
    Continua após a publicidade
    Publicidade