Clássicos: Farus Quadro sonhava em ser Ferrari usando base de VW Santana

Célebre pelas linhas inspiradas na marca italiana e na Porsche, esportivo brasileiro também tinha faróis de Fiat 147 e é um dos carros nacionais mais raros

Nem japonês, nem americano, nem alemão: este trem é mineiro

Nem japonês, nem americano, nem alemão: este trem é mineiro (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Fundada em 1978 por Alfio e Giuseppe Russo em Belo Horizonte, a Farus (acrônimo de “Família Russo”) atravessou a década de 80 produzindo esportivos de tração traseira e motor central de origem Fiat, Volkswagen e Chevrolet.

Pouco comum na época, esse grau de refinamento técnico não foi adotado no cupê Quadro, apresentado em 1989 com o esquema mecânico convencional de motor e tração dianteiros.

A intenção do fabricante mineiro era clara: diminuir drasticamente o custo de produção e oferecer ao público mais exclusividade e menos esportividade.

Caro e trabalhoso, o chassi tipo espinha dorsal em chapas de aço criado pelo engenheiro russo Arcadiy Zinoviev e usado no Farus ML 929 foi substituído por uma estrutura tubular especialmente desenvolvida para acomodar a mecânica Volkswagen refrigerada a água.

Incoerência aerodinâmica: vidro recuado e asa traseira

Incoerência aerodinâmica: vidro recuado e asa traseira (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Cupês esportivos de tração dianteira foram uma tendência mundial na década de 80. Enquanto modelos como Dodge Daytona e Acura Integra tiveram grande aceitação nos EUA, a gaúcha Miura foi a pioneira no emprego do trem de força do VW Passat, já em 1981.

Priorizando o conforto, o Quadro teve como base a plataforma do VW Santana, com razoáveis 2,55 metros de entre-eixos.

Mesmo mais pesado, o Quadro era bastante ágil. O motor VW de 2 litros rendia bons 112 cv e a maior parte dos seus 17,3 mkgf estava disponível desde as rotações mais baixas, casamento perfeito com o câmbio de escalonamento fechado e engates curtos e precisos.

Curvas? Só nas rodas e pneus…

Curvas? Só nas rodas e pneus… (Christian Castanho/Quatro Rodas)

A dirigibilidade era favorecida pela direção hidráulica progressiva, freios eficientes e suspensões bem acertadas (McPherson à frente e eixo de torção atrás).

O estilo controverso combinava o criticado teto plano dos Farus anteriores com largas colunas traseiras, responsáveis por suavizar o terceiro volume.

A posição longitudinal do motor exigiu um capô mais alto, devidamente disfarçado por aletas de refrigeração semelhantes às do Porsche 924 Turbo. Tradição na marca, o vidro traseiro recuado era nitidamente inspirado nas Ferrari do mesmo período.

O resultado final foi bem satisfatório: aparentando ser bem menor do que era, o Quadro estava mais para Voyage do que para Santana e a harmonia do estilo só foi comprometida pela linha de cintura elevada, muito desproporcional para as pequenas caixas de roda.

Volante Panther e vários comandos elétricos: o melhor dos anos 80

Volante Panther e vários comandos elétricos: o melhor dos anos 80 (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Os pequenos faróis retangulares herdados do Fiat 147 ficavam ocultos por tampas escamoteáveis e debaixo da asa traseira estavam as enormes lanternas do onipresente VW Gol.

Um dos detalhes mais marcantes do projeto original era a supressão das maçanetas externas: as portas seriam abertas por controle remoto.

Couro até onde a vista alcança

Couro até onde a vista alcança (Christian Castanho/Quatro Rodas)

O interior representava outra profusão de contrastes: maçanetas internas do Fusca, difusores de ar do Passat, rádio/toca-fitas, ar-condicionado Climauto, interior revestido de couro, painel com instrumentação completa e volante com regulagem elétrica de altura.

A qualidade de construção e do acabamento eram apenas aceitáveis para um automóvel tão caro, mas o Quadro estava pronto para fazer sucesso em um mercado na época carente de opções.

Um belíssimo exemplar amarelo equipado com rodas raiadas BBS ornamentou o estande da Farus durante a 16a edição do Salão do Automóvel de São Paulo, já sob a direção de um grupo empresarial da cidade.

Rodas de liga leve Mangels

Rodas de liga leve Mangels (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Estima-se que cerca de 120 unidades do Quadro foram produzidas até 1991, ano em que a Farus encerrou suas atividades, após ser aniquilada pela concorrência dos importados.

Entre tantas dúvidas há pelo menos uma certeza: equipado com motor VW 1.8, o Quadro que ilustra esta reportagem foi o último a deixar a fábrica em 1992 após várias negociações trabalhistas com os empregados demitidos e hoje faz parte de uma coleção especializada em automóveis nacionais.             

Ficha técnica – Farus Quadro 1990

  • Motor: long., 4 cil. em linha, 1.781 cm3, comando de válvulas no cabeçote, carburador de corpo duplo; 99 cv (SAE) a 5.600 rpm; 14,9 mkgf a 3.600 rpm
  • Câmbio: manual de 5 marchas, tração dianteira
  • Dimensões: comprimento, 454 cm; largura, 170 cm; altura, 140 cm; entre-eixos, 255 cm; peso, 1.200 kg
  • Pneus: 195/60 R14

Desempenho (não testado pela QUATRO RODAS)

  • Aceleração: 0 a 100 km/h: 13 s
  • Velocidade máxima:171 km/h
  • Consumo: 9 km/l urbano e 12 km/l rodoviário (dados de fábrica)
Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s