Hatch de entrada básico pode ser um mau negócio

Mercado de carros até R$ 40.000 despenca em dez anos

Neste trio, a aptidão off-road varia muito de um carro para o outro O risco, ao comprar o carro sem ar ou direção, é ficar com o mico na mão

O risco, ao comprar o carro sem ar ou direção, é ficar com o mico na mão (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Foi-se o tempo em que a compra de um Gol, Uno ou Up! era garantia de boa revenda. Se a escolha for sua versão mais barata, pode se preparar: eles têm tudo para ser um mau negócio no futuro.

Dados da Fenabrave (federação das concessionárias) revelam que a venda de carros abaixo dos R$ 40 000 despencou em 10 anos. Em outubro de 2017, eles respondiam por quase 40% do mercado total de veículos. Hoje são apenas 20%. Ou seja, sua participação no mercado caiu pela metade.

Especialistas explicam que a queda ocorreu porque o público passou a exigir modelos equipados, deixando os 1.0 pelados para os frotistas. “Temos acompanhado de perto as tendências e vimos que o consumidor não quer mais um carro sem ao menos ar-condicionado, direção assistida, vidros e travas elétricos”, diz Oswaldo Ramos, gerente-geral de marketing da Ford.

O risco, ao comprar o carro sem ar ou direção, é ficar com o mico na mão. O que é uma economia de uns R$ 2 500, no início, pode virar uma desvalorização de mais de R$ 5 000 na hora da revenda.

Antenadas a essa mudança de comportamento, algumas marcas passaram a lançar carros de entrada mais equipados. É o caso da Hyundai e da Ford – esta decidiu não vender o novo Ka sem o quarteto “ar, direção, vidro e trava”. Por isso, seu preço básico é de R$ 43.780. Enquanto isso, a Volks optou pela estratégia tradicional com o Up!, para que o valor de tabela fosse muito menor: R$ 37.990. Se incluir os itens acima como opcionais, ele vai para R$ 43.240.

Se colocar os itens opcionais o preço do Up! vai de R$ 37.990, para R$43.240R$ 43.240R$ 43.240R$ 43.240R$ 43.240

Se colocar os itens opcionais o preço do Up! vai de R$ 37.990, para R$43.240R$ 43.240R$ 43.240R$ 43.240R$ 43.240 (Leo Sposito/Quatro Rodas)

Para essas montadoras, lançar uma versão que poucos querem tem a função de criar o que elas chamam de fluxo de loja. É o famoso “a partir de R$ 39 990”. O método consiste em atrair o consumidor para a concessionária para depois o vendedor convencer o interessado a levar um modelo que no fim sairá bem mais caro do que no anúncio.

A estratégia dá espaço para que na selva do mercado surja outra espécie de mico: o 1.0 equipado sem ar-condicionado. Aumento de renda e maior acesso ao crédito explicam essa nova preferência do mercado.

“Como há mais crédito, as pessoas escolhem o carro mais caro e financiam o valor, já que os prazos são longos e as taxas, baixas, comparadas a outras modalidades”, diz Samy Dana, especialista em finanças e professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s