Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Toyota bZ4X é como um RAV4 elétrico e recarrega com energia solar

O "BZ" vem de Beyond Zero, a submarca que busca colocar e Toyota como referência entre os elétricos. Além do bZ4X, outros 29 carros serão lançados até 2030

Por Joaquim Oliveira Atualizado em 12 jun 2022, 18h43 - Publicado em 13 jun 2022, 04h00

A Toyota terminou 2021 como a montadora de automóveis nº 1 do mundo e mais de 10 milhões de veículos vendidos. Além disso, pela primeira vez em nove décadas liderou o mercado dos Estados Unidos, no ano passado. Mas parece que não bastou: a maior fabricante de automóveis do planeta sofre críticas por estar atrasada no programa de carros elétricos.

A boa notícia é que isso está mudando. Comece por se acostumar com a sigla bZ.

Assine a Quatro Rodas a partir de R$ 9,90

Ela identifica a nova submarca da Toyota e representa as iniciais de Beyond Zero – “além da emissão zero”, em tradução livre. A nova família está para a Toyota assim como a nomenclatura ID está para a Volkswagen, e simboliza uma ofensiva elétrica da gigante japonesa.

toyota_bz4x
São dois motores elétricos, um para cada eixo, que juntos geram 218 cv e levam o bZ4X de 0 a 100 km/h em 6,9 segundos Divulgação/Toyota

No fim do ano passado, a empresa informou que pretende produzir 3,5 milhões de automóveis elétricos até 2030. No total, serão 30 modelos, sendo que sete deverão estar rodando até 2025. E o primeiro é este bZ4X, que chega agora à Europa, como linha 2023, com preço inicial de 48.500 euros.

Sua base é a arquitetura e-TNGA. O “4” representa o tamanho (semelhante ao RAV4) e indica que, a exemplo da família VW ID, haverá bZ2, 3, 5 etc. O “X” sinaliza que estamos falando de um crossover. Seus principais rivais serão o VW ID.4, o Kia EV6, o Hyundai Ioniq 5 e o Ford Mustang Mach-E. Mas isso na Europa.

Toyota BZ4X
Divulgação/Quatro Rodas

No Brasil, a linha bZ não está nos planos da Toyota. A empresa informou que segue apostando na tecnologia híbrida flex “como a mais adequada para a realidade brasileira”.

Teste camuflado

Toyita BZ4X
Os ângulos de ataque e saída são modestos, mas o crossover tem a invejável capacidade de imersão de 50 cm Divulgação/Quatro Rodas

Esta primeira oportunidade de experimentar o carro foi feita em um exemplar de pré-produção ainda camuflado, na região de Barcelona, na Espanha.

O bZ4X se caracteriza pelas linhas retas e pela carroceria repleta de arestas. A frente cheia de personalidade tem a forma de “cabeça de martelo”. Os arcos das caixas de rodas são bem largos e as lanternas traseiras são proeminentes, preenchendo a largura generosa do veículo.

toyota_bz4x
São dois motores elétricos, um para cada eixo, que juntos geram 218 cv e levam o bZ4X de 0 a 100 km/h em 6,9 segundos Divulgação/Toyota

Haverá opção de tração dianteira (204 cv) e nas quatro rodas (218 cv provenientes de dois motores de 109 cv, um em cada eixo), como a que dirigimos. A bateria de íons de lítio de 71,4 kWh é refrigerada a água.

O longo entre-eixos (2,85 m, ou 16 cm mais que o RAV4) abre espaço para um interior generoso, que você nota ao se sentar no banco traseiro. A ampla largura também irá beneficiar o passageiro central. Além disso, não há túnel interferindo nos pés e nas pernas. O teto alto acolhe sem restrições passageiros de até 1,90 metro de altura.

Já o volume do porta-malas é de 452 litros (incluindo a área abaixo do assoalho), claramente inferior ao do RAV4 (520 l a 580 l), e também menor do que a maioria de concorrentes como Mustang Mach-E (502 l) e VW ID.4 (543 l).

Energia solar 

toyota_bz4x
Divulgação/Toyota

O enorme teto solar enche a cabine de luz e é capaz de captar a energia que alimenta a bateria. Em países mais ensolarados, pode fornecer até “1.800 km de autonomia em um ano”, segundo os engenheiros da Toyota. Faltou explicar qual a irradiação necessária para que um país seja considerado “mais ensolarado”.

O painel de instrumentos de 7” acima do volante está em posição semelhante à que a Peugeot definiu como i-cockpit, que visa dar à tela a função de head-up display. O problema é que o aro superior do volante pode cobrir parte das informações para alguns motoristas.

A tela central tátil de 12,3” é nova, mostrando melhores gráficos e proporcionando uma operação geral mais intuitiva em relação aos Toyota atuais.

Continua após a publicidade

Toyota BZ4X
Multimídia tem uso mais intuitivo que a dos Toyota da linha atual Divulgação/Quatro Rodas

O botão giratório no console central controla a transmissão da única marcha. À direita você encontra o comutador para o Modo Eco, que visa a autonomia. E há ainda a opção do Modo X, que emprega tecnologia da Subaru para terrenos com aderência limitada.

A Toyota é dona de 20% da Subaru, e a marca, que tem muita tradição em terrenos off-road, contribuiu com o desenvolvimento do bZ4X principalmente nessa área. Além do painel intuitivo, o modelo oferece tecnologia de reconhecimento de voz e integração sem fio de dispositivos Android e Apple.

Toyota BZ4X
Baterias sob o piso, plano, liberam espaço para bagagem e pessoas e favorecem a dinâmica do carro em qualquer tipo de terreno, com a colaboração da plataforma rígida. Divulgação/Quatro Rodas

O que incomoda é que o motorista precisa focar e refocar a visão mais do que gostaria, a partir de três áreas de visão distintas: o exterior, através do para-brisa; o painel de instrumentos, com aspirações a ser head-up display; e a grande tela central.

Outra solução com evidente margem para melhorar é a qualidade dos materiais. Há excesso de plástico duro e barato. Para completar o lado negativo, o motorista fica um pouco “preso” entre o painel da porta excessivamente largo e o console central intrusivo.

Toyota BZ4X
Divulgação/Quatro Rodas

O desempenho é satisfatório, considerando que estamos em um carro de 2 toneladas. Os 36,7 kgfm de torque instantâneo garantem aceleração de 0 a 100 km/h em 6,9 segundos, de acordo com a Toyota. A máxima é limitada estrategicamente a 160 km/h.

O bZ4 agradou em termos de dirigibilidade e rigidez torcional do chassi. A arquitetura TNGA já provou seus méritos no Corolla, RAV4 e Prius. Agora com o prefixo “e” a sensação é ainda melhor, graças à instalação da bateria no assoalho, que reduz o centro de gravidade.

toyota_bz4x
Divulgação/Toyota

Em casa na trilha 

toyota_bz4x
Divulgação/Toyota

Os movimentos laterais da carroceria são muito bem controlados, sem comprometer o conforto em estradas ruins. E a frenagem se mostrou muito competente, incluindo a progressividade do pedal do freio, um dos calcanhares de aquiles de muitos carros elétricos. Na maioria deles, nos primeiros 30% do curso do pedal quase não se sente desaceleração.

O pequeno volante ajuda a tornar a experiência de dirigir o bZ4 como algo bastante envolvente. A Toyota vai lançar futuramente um sistema steer-by-wire (sem ligação mecânica entre a direção e as rodas), com um volante futurista e que promete resposta mais rápida e direta e ângulo máximo de rotação de 150 graus.

Na trilha off-road, o bZ4X mostrou estar em casa. A aderência é excelente sobre cascalho e, à medida que as condições do pavimento se deterioraram, o bZ4X continuou como se nada estivesse acontecendo, mesmo sobre lama profunda. Tudo o que o motorista precisa fazer é alternar entre os dois modos de condução do sistema XMode: Neve-Terra e Neve profunda/Lama.

toyota_bz4x
Divulgação/Toyota

A generosa articulação dos eixos, (duplo A, na frente, e multibraços, atrás) a elevada distância do solo (30 cm) e a capacidade de enfrentar trechos com até 50 cm de água ajudaram ainda mais o primeiro bZ da Toyota a passar por todos os obstáculos sem uma gota de suor.

A Toyota estima autonomia de 450 km para o carro de tração dianteira e 410 km para o 4×4, mas esses números ainda precisam ser homologados oficialmente. Com o carregador rápido de até 150 kW, a montadora informa que é possível recuperar 80% de energia em 30 minutos.

Toyota BZ4X
O câmbio tem uma marcha apenas, acionada via seletor rotatório, no console Divulgação/Quatro Rodas

Veredicto

A Toyota está atrasada para lançar uma linha de veículos elétricos puros. Mas o primeiro SUV da série bZ mostra que vem coisa boa por aí.

Ficha técnica

Preço: 48.500 euros (estimado)
Motor: dois motores elétricos (um em cada eixo); 218 cv e 36,7 kgfm; baterias de íons de lítio de 71,4 kWh; tempo de recarga, 30 min (até 80%, em 150 kW); autonomia, até 410 km
Câmbio: automático, 1 m., tração integral
Direção: elétrica
Suspensão: duplo A (diant.), multibraços (tras.)
Freios: disco ventilado (diant.) / disco sólido (tras.)
Pneus: 225/60 R18
Dimensões: comprimento, 469 cm; largura, 186 cm; altura, 160 cm; entre-eixos, 285 cm; peso, 2.000 kg (estimado); porta–malas, 452 l
Desempenho: 0 a 100 km/h, 6,9 s; velocidade máxima, 160 km/h; consumo 6,26 km/kWh (estimado)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue lendo, sem pisar no freio. Assine a QR.

Impressa + Digital

Plano completo de QUATRO RODAS. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da QUATRO RODAS, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Comparativo entre os principais modelos do mercado.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.

Receba mensalmente a QUATRO RODAS impressa mais acesso imediato às edições digitais no App QUATRO RODAS, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.


a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)