Teste: VW T-Cross 200 TSI manual é um Up! turbo com porte de SUV

Configuração de entrada do modelo é bem equipada e ainda supera Volkswagen Up! TSI na pista de testes

 (Fernando Pires/Quatro Rodas)

Ele não tem ronquinho de esportivo e nem é chamado de “bengador” pelos donos.

Esse carro é tão discreto que pensei ter confundido a ficha de testes com algum hatch – ele foi mais rápido que o VW Up! TSI, com vantagem de 1,2 s no 0 a 100 km/h. Só que não.

 (Fernando Pires/Quatro Rodas)

Se a opção mais barata do T-Cross (R$ 84.990) nem recebeu sobrenome próprio, o que não falta é fôlego para conquistar o coração de quem já não consegue encontrar esse conjunto em carros menores.

 (Fernando Pires/Quatro Rodas)

É difícil pensar que uma configuração de entrada tratará os compradores com alguma dignidade. Do tampão do porta-malas ao adesivo preto em volta das janelas, nada está a salvo dos cortes de custo.

Mas o T-Cross se virou bem: seis airbags, controle de estabilidade, rodas de liga leve e até acendimento automático dos faróis vêm de série.

Pena que central multimídia com tela sensível ao toque de 6,5 polegadas seja opcional, por R$ 1.720 – junto com câmera de ré e sensor de estacionamento dianteiro.

 (Fernando Pires/Quatro Rodas)

O motorista não deverá sofrer para encontrar a posição ideal: há ajustes de altura do banco e da coluna de direção (que também tem regulagem de profundidade).

Lá atrás, o espaço para os joelhos é suficiente até para cruzar as pernas, graças ao entre-eixos de 2,65 m.

Só lembre que três adultos ficarão apertados na segunda fileira por conta da largura da carroceria. Mas esse modelo peca mesmo é pelo acabamento, já que há plásticos rígidos (como em todas as demais versões) por todos os lados.

Mas, nessa opção mais barata, não há faixa colorida no painel e quadro de instrumentos digital para distraírem as atenções.

 (Fernando Pires/Quatro Rodas)

Ouso dizer que esse é um dos melhores carros para dirigir no dia a dia – nós, da QUATRO RODAS, disputamos a tapas quem andaria primeiro. É o único VW com motor 1.0 turbo de 128 cv e câmbio manual de seis marchas desde que o Golf saiu de linha.

Se não é prático como um automático, os engates precisos fazem sonhar como seria esse conjunto no Polo. E, no SUV, você nem precisa se preocupar com buracos, já que a suspensão – mais confortável que o normal para a marca – absorve boa parte deles.

 (Fernando Pires/Quatro Rodas)

A principal vantagem do T-Cross nesse segmento de SUVs manuais, que perdeu Jeep Renegade e Honda HR-V nos últimos anos, é que, além de toda a racionalidade, ele traz uma dose de esportividade difícil de ser encontrada entre seus pares.

E a lista de equipamentos não decepciona.

Veredicto

Completo e espaçoso, o T-Cross ainda oferece desempenho digno de esportivo. Mas interior pode melhorar.

Ficha técnica

Preço: R$ 84.990
Motor: flex, dianteiro, transversal, 3 cil., 12V, 999 cm3, 74,5 x 76,4 mm, 115/128 cv a 5.500 rpm (G/E), 20,4 mkgf entre 2.000 e 3.500 rpm
Câmbio: manual, 6 marchas, tração dianteira
Suspensão: McPherson (diant.) / eixo de torção (tras.)
Freios: disco ventilado (diant.) / sólido (tras.)
Direção: elétrica
Rodas e pneus: liga leve, 205/60 R16
Dimensões: comprimento, 419,9 cm; largura, 175,1 cm; altura, 156,8 cm; entre-eixos, 265,1 cm; peso, 1.215 kg; tanque, 50 l; porta-malas, 373 l

Teste

Aceleração
0 a 100 km/h: 10,5 s
0 a 1.000 m: 31,9 s – 164,9 km/h
Velocidade máxima: 210 km/h*

Retomada
3a 40 a 80 km/h: 5,9 s
4a 60 a 100 km/h: 7,4 s
5a 80 a 120 km/h: 10,4 s

Frenagens
60/80/120 km/h – 0 m: 15,3/26/58,5 m

Consumo
Urbano: 13,8 km/l
Rodoviário: 17,1 km/l

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Marcos Rafael Gomes

    Esse T-Cross é um paradoxo: segue a tendência sendo um SUV, mas mantém uma característica em extinção na sua faixa de preço: o (excelente) câmbio manual. É muito provável que a VW pare de produzi-lo com o lançamento do Nivus. Mas quem está disposto a, como muitos costumam exclamar, “pagar mais de R$ 80 mil num carro manual!”, faz parte do grupo de dinossauros (no qual me incluo) que gostam de dirigir os carros. Estes, certamente terão algum prazer em conduzir este T-Cross.