Clique e assine com até 75% de desconto

Teste: Fiat Toro 1.8 manual é confortável, mas clama por um motor melhor

Sem fôlego, versão de entrada da picape diverte pouco e nos faz desejar intensamente a chegada dos propulsores Firefly turbo

Por Leonardo Felix Atualizado em 13 jan 2020, 11h01 - Publicado em 13 jan 2020, 07h00
Exceção ao “quebra-mato”, visual da Toro não muda desde 2016 Fernando Pires/Quatro Rodas

A Fiat Toro foi lançada em 2016 e inaugurou um segmento impensado no mercado brasileiro. Tanto que rivais como GM, Ford, Volkswagen e Hyundai correm atrás para lançar modelos concorrentes nos próximos anos.

Apesar do sucesso, o uso do motor 1.8 E.torQ nas versões flex 4×2 sempre foi uma das soluções mais contestadas da picape.

Mesmo em modo Sport, Toro sente a falta de um motor mais forte Fernando Pires/Quatro Rodas

Voltamos a experimentar essa configuração, dessa vez aliada a câmbio manual de cinco marchas na versão de entrada Endurance, e constatamos: o desempenho está muito aquém do porte e da robustez que teoricamente a Toro se propõe a oferecer.

O causador da discórdia: motor 1.8 E.torQ flex rende 139 cv com etanol Fernando Pires/Quatro Rodas

No modo de condução convencional, criado para garantir um consumo de combustível acima de 9 km/l na cidade com gasolina, as acelerações e retomadas são sôfregas a ponto de a picape quase não conseguir arrancar numa subida íngreme.

Se quiser um desempenho minimamente condigno, acione o botão Sport. Só não espere nenhum tipo de esportividade real, visto que até nesse modo o 0 a 100 km/h fica próximo de 15 segundos.

Rodas da Toro Endurance usam “supercalotas” que emulam liga leve Fernando Pires/Quatro Rodas

O único alento é que o câmbio tem engates até macios para os padrões de um utilitário.

Merece boa menção o trabalho das suspensões, que contribui para o conforto a bordo, assim como o bom nível de isolamento acústico. Os freios operam de maneira decente para um veículo que pesa mais de 1,5 tonelada e usa tambores na traseira.

Painel da Toro também não mudou desde lançamento Fernando Pires/Quatro Rodas

Por se tratar de uma versão de entrada, a Toro Endurance vem com bancos de tecido e rodas de aço com calotas que emulam liga leve.

Para ter uma picape mais bem equipada, é preciso pagar R$ 3.500 para adquirir o pacote com faróis de neblina, retrovisores com tilt down e sensores traseiros de estacionamento.

Continua após a publicidade
Toro manual vem com tecido nos bancos, mas bom acabamento. Porta-objetos são escassos Fernando Pires/Quatro Rodas

Outro pacote de R$ 2.500 acrescenta central de 7 polegadas com projeção de celulares, câmera de ré, volante multifuncional com couro e sistema de som com seis alto-falantes e dois tweeters. A pintura marrom Deep da imagem custa mais R$ 2.500.

Alavanca de câmbio arredondada lembra a do velho Uno, só que mais longa Fernando Pires/Quatro Rodas

Sentimos falta de mais porta-objetos e de um porta-celular, o que evidencia a necessidade de uma atualização visual e também da cabine da Toro, além, é claro, de um motor mais pujante. Mas a picape só deve receber mudanças tão profundas assim entre 2020 e 2021.

Capacidade de carga na Toro flex cai de 1 tonelada para 650 kg Fernando Pires/Quatro Rodas

Veredicto

A Toro 1.8 MT sentiu o peso da carroceria e da idade. Visual segue atual, mas ela precisa (muito) renovar cabine e motor.

  •  

    Ficha de teste – Toro Endurance 1.8 manual

    Aceleração
    0 a 100 km/h: 14,82 s
    0 a 1.000 m: 35,82 s – 148,5 km/h
    Velocidade máxima: 175 km/h*
    *Dado de fábrica.

    Retomada
    40 a 80 km/h: 8,9 s (3a)
    60 a 100 km/h: 12 s (4a)
    80 a 120 km/h: 23,5 s (5a)

    Frenagens
    60/80/120 km/h – 0 m: 14,8/26,5/59,2 m

    Consumo
    Urbano: 9,2 km/l
    Rodoviário: 11,9 km/l

    Ficha técnica – Toro Endurance 1.8 manual

    • Preço: R$ 94.990
    • Motor: gasolina, dianteiro, transversal, 4 cilindros, 16V, 1.747 cm³; 139 cv a 5.750 rpm, 19,3 mkgf a 3.750 rpm
    • Câmbio: manual, cinco marchas, tração dianteira
    • Suspensão: McPherson (diant.); múltiplos braços (tras.)
    • Freios: disco ventilado (diant.); tambor (tras.)
    • Direção: elétrica, diâmetro de giro: 12,2 m
    • Rodas e pneus: aço, 215/65 R16
    • Dimensões: comprimento, 494,4 cm; largura, 184,4 cm; altura, 168 cm; entre-eixos, 299 cm; peso, 1.606 kg; tanque, 60 l; caçamba, 650 kg

    Continua após a publicidade
    Publicidade