Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Prova de batismo

Por Redação 10 jan 2012, 12h47

Por Péricles Malheiros

5 370 km

Diferentemente do que foi informado na entrega técnica do veículo, o plano de revisão do Cruzenão obriga a uma troca de óleo entre as revisões. No 0800 da marca, o atendente foi claro: “Esse procedimento é indicado apenas para veículos  que rodam alta quilometragem em condições severas, como estradas poeirentas, trânsito pesado ou trajetos curtos”. Como os últimos carros de Longa Duração têm cumprido sua missão com cerca de 70% da quilometragem rodada em estradas e as saídas para as tarefas em São Paulo quase sempre superam uma dezena de quilômetros, a partir do Cruze aplicaremos a manutenção para carros em condições normais de uso. Ou seja, o Cruze passará por uma revisão a cada 10 000 km.

A agenda de compromissos do sedã esteve lotada neste segundo mês. O primeiro deles foi para uma parada não programada. Nos primeiros quilômetros, o ar-condicionado passou a funcionar de maneira intermitente e um barulho metálico surgiu na suspensão dianteira. “O sistema de refrigeração estava com carga excessiva de gás e o espelho defletor da roda dianteira esquerda estava solto”, disse o técnico da concessionária paulistana Itacolomy.

Continua após a publicidade

Conduzido pelo diretor de arte de QUATRO RODAS, Tarcísio Moraes Alves, o Cruze seguiu para Barretos, no interior de São Paulo. “Quem foi atrás reclamou do pouco espaço para as pernas. Ao volante, gostei da suspensão, mas o motor é ruidoso. E os problemas do ar-condicionado e do tal do espelho da roda dianteira estão de volta”, disse. Ou seja, o Cruze fará outro pit-stop antes da primeira revisão.

Em Limeira (SP), em nosso campo de provas, o sedã passou sem surpresas pelo primeiro teste: de maneira geral, registrou números próximos aos do Cruze LTZ automático testado em setembro. Como de praxe, ao fim dos 60 000 km, repetiremos a prova e faremos a comparação. Será que o Cruze manterá a disposição mostrada agora?

Consumo:

No mês (34,2% na cidade) – Etanol: 6,4 km/l
Desde novembro/11 (34,2% na cidade) – Etanol: 6,4 km/l

Sem abertura do vidro para alívio da pressão interna, as portas são difíceis de fechar (esq.) | As configurações dos sistemas só podem ser personalizadas com o carro parado (dir.)

Continua após a publicidade

Publicidade