Clique e assine com até 75% de desconto

Pilotamos McLaren Senna em Interlagos, pista que Ayrton ajudou a desenhar

Impressões: convidados a participar do Senna Day no dia do aniversário de morte do tricampeão, aceleramos o supercarro de 800 cv que recebe o seu nome

Por Paulo Campo Grande Atualizado em 1 Maio 2019, 18h09 - Publicado em 1 Maio 2019, 17h26
Superesportivo foi a principal atração em dia de homenagens à Ayrton Senna Divulgação/McLaren

Há 25 anos, o dia 1º de maio deixou de ser somente o Dia Internacional do Trabalho para os brasileiros: tornou-se também o dia de relembrar da morte do piloto Ayrton Senna, um dos maiores ídolos da História do país.

O tricampeão de Fórmula 1 foi exemplo de dedicação, perseverança, seriedade e competência profissional. E se a tristeza da perda parece nunca totalmente esquecida, também será eterno o legado do paulistano falecido aos 34 anos.

LEIA TAMBÉM: jornalista de QUATRO RODAS liderou invasão de pista em vitória de Senna

McLaren voou baixo no Senna Day Divulgação/McLaren

O choro deu lugar às homenagens, como as que ocorrem nesta quarta-feira (1º) no Autódromo de Interlagos, São Paulo (SP), durante o Senna Day festival dedicado ao piloto.

Ao longo do dia, o circuito que abriga o GP do Brasil de F1 ininterruptamente há quase 29 anos, e no qual o próprio Senna obteve duas de suas vitórias mais épicas na carreira, em 1991 e 93, foi palco de muitas homenagens.

Rolaram shows musicais, exposições de pertences do piloto – como capacetes e macacões -, corridas de kart e, como ponto alto, o desfile do superesportivo McLaren Senna em alta velocidade pelo circuito do autódromo.

Senna tem motor V8 4.0 de 800 cv de potência Divulgação/McLaren

Convidados a participar do evento, tivemos o prazer de pilotar o carro que homenageia o piloto brasileiro, feito pela fabricante nascida a partir da equipe com a qual ele conquistou seus três títulos na F1, além de 35 de suas 41 vitórias.

Senna, o carro, é um superesportivo que recebeu o nome por um acordo feito entre a McLaren, fábrica ligada à equipe de F1, e a família de Senna, o piloto.

McLaren é simples, no acabamento, mas sofisticado, na tecnologia Divulgação/McLaren

QUATRO RODAS já havia experimentado o superesportivo, mas agora tivemos o privilégio de pilotá-lo em Interlagos, uma pista na qual Senna correu e venceu, mas não só isso: um traçado que ele ajudou a desenhar.

Isso aconteceu na virada de 1989 para 90, quando São Paulo voltou a ser anunciada como sede do GP do Brasil, no lugar do Rio de Janeiro, e a prefeitura local teve de providenciar às pressas uma reforma de adequação do autódromo aos novos padrões da F1.

Senna foi convidado a ajudar, e partiu dele a sugestão de ligar a reta dos boxes à curva do Sol através de um S, encurtando o traçado da maneira como os organizadores gostariam (e precisavam).

Continua após a publicidade

O próprio Ayrton ficou um pouco desapontado com o resultado final, pois a curva ficou mais lenta do que ele inicialmente havia pensado, mas tudo bem: aquele se tornou o principal ponto de frenagem e ultrapassagem da pista até os dias de hoje.

Nada mais apropriado para homenageá-lo, portanto.

Somente 6 das 500 unidades produzidas do McLaren Senna foram vendidas no mercado brasileiro Divulgação/McLaren

E, para reforçar ainda mais a mística do momento, o McLaren foi adesivado nas cores branca e vermelha da McLaren Marlboro, que nos acostumamos a ver Senna guiando aos domingos pela TV, quase sempre nas primeiras posições.

Construído em fibra de carbono (como os carros de F1) e equipado com motor V8 4.0 biturbo de 800 cv, o Senna (carro) é um carro que certamente Senna (o piloto) aprovaria. Afinal, o brasileiro gostava muito de se divertir fora das pistas pilotando carros de rua, motos e barcos velozes.

Segundo a fábrica, o Senna acelera de 0 a 100 km/h em 2,8 segundos e chega aos 340 km/h de velocidade máxima. Com preço estimado em R$ 8 milhões, terá somente 500 unidades produzidas. Todas foram vendidas logo no lançamento e apenas seis serão destinada ao Brasil.

  • Nossa vez de entrar na pista com o Senna seria ao meio-dia, mas o cronograma atrasou e tive de esperar pacientemente – e ansiosamente – a minha vez. Ela enfim chegou depois das três da tarde.

    Quando me chamaram, coloquei o capacete, me joguei para dentro da cabine e logo veio alguém me prender ao banco com o cinto de cinco pontos. Também pudera: o McLaren Senna seria o carro mais rápido que já dirigi em Interlagos, pelo menos em teoria.

    Só que não precisei de muito tempo para chegar a essa conclusão na prática. Bastou acelerar no início da reta dos boxes para sentir o motor central-traseiro empurrar o carro à frente com insano vigor.

    Além de proporcionar reações daquelas que confundem a vista quando se tenta fixar a visão em qualquer direção, o McLaren Senna é muito grudado no chão, transmitindo confiança até naqueles momentos em que a gente pensa que exagerou.

    Carro foi adesivado com as cores da McLaren F-1 pilotada por Ayrton Senna Divulgação/McLaren

    Graças ao carro, cujos limites parecem estar acessíveis só para um ás do calibre de Ayrton Senna, você percebe que está tudo sob controle o tempo todo. Até o Bico do Pato, curva que apanho para fazer, consegui contornar direitinho.

    O ronco do V8 é um show à parte e ajuda a adrenalina a subir. Mas a eficiência dos freios de cerâmica também é digna de nota.

    Já andei em Interlagos muitas vezes, com diversos carros, mas este feriado de 1º de maio foi especial. Tão especial quando parávamos tudo o que estávamos fazendo num domingo qualquer para assistir ao Senna correr.

    Continua após a publicidade
    Publicidade