Clique e assine por apenas 8,90/mês

O jornalista de QUATRO RODAS que invadiu pista e tomou uma Coca com Senna

Hoje editor de QUATRO RODAS, Péricles Malheiros foi membro de fã-clube do tricampeão e ajudou a abrir o alambrado de Interlagos no GP do Brasil de 93

Por Péricles Malheiros - 1 Maio 2019, 07h00
Senna no GP do Brasil de 93. No canto inferior direito, destacado pelo quadrado vermelho, estava Péricles Malheiros Reprodução/TV Globo/FOM/Arte/Quatro Rodas

Já fui muito mais apaixonado por Fórmula 1. Em 1990, quando o GP do Brasil voltou a ser disputado em São Paulo, quase fiquei de fora.

Como até então o GP era disputado no Rio de Janeiro, uma legião de torcedores cariocas foi para Interlagos e eu, um garoto de 15 anos inexperiente em grandes eventos, cheguei apenas umas duas horas antes da largada.

A fila estava, literalmente, quilométrica – a ponto de dar uma volta completa no autódromo. Desolado, pensei: “Vou seguir essa fila até o portão da arquibancada G. Se eu tiver mesmo que pegar ela inteira, volto para casa”. E assim fiz.

Depois de tanto andar, cheguei até o portão, me aproximei de um policial com meu ingresso na mão e perguntei: “Por favor, aqui é a entrada da G”?. Ele pôs a mão na minha cabeça e, me direcionando para dentro do autódromo, disse: “Aqui mesmo. Vai, entra, entra”. “Nunca mais vou ter tanta sorte em algo relacionado à F1”, pensei.

Comemoração com a bandeira do Brasil: a atitude que virou marca registrada do campeão Acervo/Quatro Rodas

Errei. Felizmente. Naquele ano de 1990, Senna foi o campeão e eu nunca mais deixei de ir ao GP Brasil – uma vez ou outra fui apenas em dias de treino. E, pode acreditar, tive ainda mais sorte em minha relação com a F1.

Continua após a publicidade

Em 1991, Senna venceu pela primeira vez em interlagos. Foi uma loucura. Mas só em 1993, ano da segunda vitória em casa, que ocorreu a histórica invasão da pista.

Não sei explicar a razão, mas o fato é que naquele ano levei um alicate em minha mochila de mantimentos. Na revista de entrada, implorei ao policial: “É do meu pai. Não posso me desfazer dele. Se voltar pra casa sem ele, estou lascado”. E ele me liberou.

Para quem não sabe, o motivo de levar uma mochila para uma corrida de F1 é que a arquibancada G, localizada na reta oposta e geralmente ocupada pelo “povão”, exigia uma operação de guerra para o dia da corrida.

No sábado, antes de o treino classificatório acabar, boa parte dos torcedores abandonava as arquibancadas e já começava a formar a fila para a corrida, no dia seguinte.

Isso mesmo: passávamos quase 24 horas na calçada, em fila, sob sol e chuva. Tudo para ver a corrida do melhor ponto da arquibancada G. Mas voltemos ao alicate na mochila.

Continua após a publicidade
Secos e molhados: sem a chuva, Senna não teria chance alguma diante das Williams naquele GP do Brasil Acervo/Quatro Rodas

Nas últimas voltas do GP de 1993, com a iminente vitória de Senna, fui para o nível inferior da arquibancada, peguei meu alicate – ignorei a promessa feita ao policial de não tocar nele enquanto estivesse em Interlagos – e comecei a abrir a base da grade metálica.

Obviamente minha manobra logo foi notada: por outros torcedores e alguns policiais que estavam logo abaixo, entre a arquibancada e a pista.

O fato é que, de mão em mão, o alicate que levei abriu um enorme buraco na grade, enquanto Senna recebia a bandeirada da vitória. Quando ele entrou na reta oposta, não teve jeito: uma cascata de torcedores começou a cair.

Com golpes de cacetetes, os policiais tentaram conter o público, mas já era tarde: de cada um que eles atingiam outros tantos escapavam em direção à pista. Já quase no fim da reta oposta, Senna parou, cercado pela multidão.

Naquele dia, apareci na transmissão da TV por algumas vezes, pulando perto da McLaren, arrastando a enorme bandeira do Brasil e até driblando as viaturas que escoltaram o Fiat Tempra para dar um Hi-Five em Senna, que foi do ponto onde deixou seu carro até os boxes pendurado na janela.

Continua após a publicidade
A edição de abril de 93 da QUATRO RODAS dedicou oito páginas à vitória de Senna em Interlagos Acervo/Quatro Rodas

O refri pago pelo ídolo

Tive ainda outro momento incrível, mas este deixei por último porque, confesso, não lembro em qual ano entre 1991 e 1993, ele ocorreu.

Empolgado como qualquer garoto, acabei me filiando à TAS, a Torcida Ayrton Senna. Nós, os fãs de carteirinha, costumávamos nos reunir na sede (na Zona Norte de São Paulo) para assistir às corridas juntos.

Um certo dia, atendi a uma convocação de voluntários para ajudar na arrumação de novas fotos do Senna nas paredes da casa. Apesar de morar do outro lado da cidade e me deslocar de transporte público, cheguei bem cedo, num sábado.

O presidente da TAS e amigo de Senna, Adilson Carvalho de Almeida, também estava lá. Depois de uma meia hora, a campainha tocou. Como a casa ficava num ponto mais elevado do terreno, dava para ver quem chegava da porta de entrada.

Avisei: “P#%@ que p@π!#, Adilson! É o Senna”! Ele passou por mim rindo: “Sabia que você ia gostar”. Desceu a escadinha que ligava a casa à rua e foi atender o visitante ilustre. E eu lá em cima, petrificado.

Continua após a publicidade
Senna indo ao pódio do GP do Brasil de 93 no lendário Tempra 16V safety car Acervo/Quatro Rodas

Dois minutos de conversa entre eles e aconteceu: “Pega a chave, tranca a porta e vamos lá na padaria com a gente”, gritou o Adilson lá de baixo. E lá fomos nós, rumo a uma padaria na rua Dr. Édson de Melo, a mesma onde ficava o fã-clube.

À época não me dei conta do quão assustado aquela situação me deixou, mas hoje, olhando para trás, creio que entrei numa espécie de transe. Recordo apenas de alguns flashes.

Não sei dizer em qual carro Senna chegou (um Opala preto, talvez) nem se fomos a pé, ou mesmo qual era o nome da padaria. Mas, graças a Deus, lembro de momentos que aconteceram diante do balcão.

“O que vai ser hoje, campeão?”, disse o atendente. Não lembro a resposta, só recordo de ficar vendo Ayrton e Adilson no maior bate-papo. “Não vai querer nada? Pega uma Coca, menino. Traz uma Coca pra ele aqui” disse Senna, apontando pra mim.

Era nesta casa no nº 95 da rua Dr. Édson de Melo que ficava o fã-clube TAS. Na infância, Senna morou no local Google Maps/Internet

Daí para frente, amigo, lembro de bem pouca coisa: o Senna, meu ídolo, pedindo uma Coca pra mim foi um golpe duro demais para o psicológico de um garoto.

Pela educação que tive, disse que eu mesmo pagaria o meu refrigerante, mas ele insistiu que fazia questão e eu aceitei a gentileza.

Continua após a publicidade

Quando o agradeci, ouvi: “Obrigado, nada. O Adilson me contou que você veio do outro lado do mundo para ajudar a arrumar a sede da TAS. Quem tem que te agradecer sou eu”.

Daí para frente, tudo sumiu: não lembro como a conversa terminou, como nos despedimos nem sequer como voltamos para a sede.

Isso nunca me abalou: fiquei conhecido entre os amigos da TAS como e menino que tomou uma Coca com o Senna. E desse momento eu nunca me esquecerei. Valeu, Senna, de novo! Obrigado pela melhor Coca-Cola de toda a minha vida.

Publicidade