Clique e assine por apenas 5,90/mês

Longa Duração: VW Virtus não é um trator, mas os solavancos aumentaram

Já perto da aposentadoria, sedã segue recebendo críticas por conta dos trancos apresentados pelo câmbio nas reduções de marchas baixas

Por Péricles Malheiros - Atualizado em 27 nov 2019, 12h05 - Publicado em 8 ago 2019, 12h28
Escapada da cidade levou o Virtus até Cruzeiro (SP) Zeca Chaves/Quatro Rodas

O editor Leonardo Felix entrou para a equipe no fim de 2018. Portanto, ele chegou com o teste de Renault Kwid, Toyota Prius e Volkswagen Virtus já em curso. E essa visão de quem chega depois também é valiosa.

“É duro se acostumar aos trancos do câmbio do Virtus. Na cidade, dirigindo de pé leve, chega a assustar o solavanco durante as aproximações em semáforos fechados, por exemplo. Parece que alguém deu uma batidinha de leve na traseira”, conta Léo.

É uma reprise do que vários outros usuários relataram já na fase inicial do teste – a estreia do Virtus no Longa Duração ocorreu em junho de 2018.

Para aferir a intensidade da característica descrita por Léo, o editor de Longa Duração, Péricles Malheiros, marcou um reencontro com o Virtus.

“Dirigi o carro por quatro dias em meio ao trânsito de São Paulo. Os solavancos, de fato, estão um pouco mais fortes e perceptíveis do que no começo do teste, sobretudo na redução de terceira para segunda marchas”, relata.

“Com o tempo, a gente se acostuma, mas também é verdade que trancos são exatamente o que menos se espera de um câmbio automático com conversor de torque”, acrescenta.

Nas cinco revisões realizadas até aqui, ouvimos respostas semelhantes em praticamente todas as concessionárias.

Continua após a publicidade

“Fizemos uma varredura na central eletrônica e não encontramos nada de errado. Por via das dúvidas, aplicamos novamente o software mais atual de controle do câmbio”, disse um dos consultores.

Porém, em nenhuma das paradas, os trancos foram resolvidos a contento.

Uma vez com os solavancos aceitos como uma característica do projeto, a vida do Virtus seguiu prioritariamente urbana no último mês. Exceção feita a uma viagem até Cruzeiro (SP). E que venham os últimos 5.000 km da jornada do Virtus!

Volkswagen Virtus – 54.461 km

Consumo

No mês: 9,9 km/l com 75,7% de rodagem na cidade
Desde jun/18: 11,6 km/l com 25,8% de rodagem na cidade
Combustível: (flex) gasolina

Gastos no mês

Combustível: R$ 821

Revisões

Até 60.000 km: R$ 1.953 (as três primeiras revisão desta versão são gratuitas)

Ficha Técnica

Versão: Highline 200 TSI
Motor: 3 cil., diant., transv., turbo, 999 cm3, 12V, 128/116 cv a 5.500 rpm, 20,4 mkgf a 2.000 rpm
Câmbio: aut., 6 marchas, tração dianteira

Seguro

R$ 2.185*

Continua após a publicidade
Publicidade