Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Longa Duração: uma avaliação de 1.000 km com o Hyundai Creta

Abastecido com gasolina, Creta cobre os 1.000 km entre São Paulo e Brasília com apenas uma parada no meio da viagem

Por Péricles Malheiros Atualizado em 13 set 2017, 17h32 - Publicado em 13 set 2017, 17h12
Creta em Sobradinho, na periferia de Brasília
Creta em Sobradinho, na periferia de Brasília Péricles Malheiros/Quatro Rodas

Depois da compra e entrega e do primeiro teste de pista, chegou a hora de o Hyundai Creta encarar as primeiras viagens de longa quilometragem. Com o tanque completado, o editor Péricles Malheiros saiu de sua casa, na zona sul de São Paulo, rumo a Sobradinho (DF).

Tendo feito a mesma viagem de 1.000 km em outros 20 carros de Longa Duração, Péricles diz: “Como o Creta é abastecido com gasolina, precisei fazer uma única parada no posto. Mas cheguei com o tanque bem baixo tanto em Uberaba (MG), no ponto central da viagem, como em Sobradinho, destino final”.

A avaliação ao longo da viagem é completa.

“Cumpro quase metade do trajeto (em São Paulo) de madrugada, que geralmente é bem fria. É quando dá para ver a qualidade dos sistemas de iluminação e aquecimento da cabine.”

“No Creta, senti falta de faróis mais eficientes, principalmente por se tratar de uma versão topo de linha. Mas o aquecimento é ótimo, não senti frio em momento algum. E olha que dirigi por horas abaixo dos 13°C”, diz Péricles.

Nos trechos de serra, já em Minas Gerais, o SUV arrancou mais elogios. “A suspensão bem acertada confere boa estabilidade, com tendência a sair de frente em nível aceitável que só se torna mais evidente quando o abuso é elevado. Mas aí o controle de estabilidade logo entra em ação e traz o carro de volta aos comandos do motorista, sem sustos”, conta.

E destaca ainda: “morro acima, o motor 2.0 do Creta se mostrou um companheiro de viagem mais interessante que o 1.8 de HR-V e Renegade (recentemente avaliados no Longa Duração) e o 1.6 do Kicks (cujo teste segue em curso).”

Continua após a publicidade

“Ainda que o assento do motorista conte com sistema de ventilação – providencial na parte diurna do deslocamento, feito sob até 36oC -, ao final da viagem senti que o banco do Kicks me acomodou com mais conforto.”

De volta a São Paulo, o Creta já estava com quilometragem suficiente para ser submetido à primeira revisão.

Na autorizada Max, ficou em serviço por apenas quatro horas, tempo necessário para troca de filtros (de combustível e de óleo) e lubrificante do motor, a um custo de R$ 215 – mais barato que os R$ 228 sugeridos no site da Hyundai.

De extra, pedimos apenas alinhamento e balanceamento, por R$ 165.

Hyundai Creta –  11.052 km

Consumo

  • No mês: 9,2 km/l com 30,6% de rodagem na cidade
  • Desde jun/17: 9,3 km/l com 26,6% de rodagem na cidade
  • Combustível: gasolina

Gastos no mês

  • Combustível: R$ 1.646
  • Revisão: R$ 215
  • Alinhamento: R$ 165

Ficha técnica

  • Versão: Prestige 2.0 16V
  • Motor: 4 cilindros, dianteiro, transv., 1.999 cm3, 16V, 166/156 v a 5.600 rpm, 20,5/19,1 mkgf a 4.700 rpm
  • Câmbio: automático, 6 marchas
  • Combustível: flex (gasolina)
Continua após a publicidade

Publicidade