Clique e assine por apenas 5,90/mês

Longa Duração: Jeep Compass diesel exige cuidados ao abastecer

Primeiro mês de convívio mostra que diesel nem sempre é sinônimo de despreocupação com abastecimentos

Por Péricles Malheiros - Atualizado em 2 abr 2018, 16h31 - Publicado em 14 nov 2017, 18h07
Compass em São Roque, no interior paulista Péricles Malheiros/Quatro Rodas

Uma das grandes vantagens de um carro a diesel é não ter de se preocupar com os abastecimentos, uma vez que a autonomia é ampliada. Certo?

Mais ou menos. Na prática, nosso Compass mostra que a história pode não ser bem essa. Na entrega do veículo, o técnico deixou claro: “O combustível correto é o diesel S-10. Só nos casos onde não houver outra alternativa, pode-se utilizar o diesel S-500”.

O problema é que não é todo posto de estrada que tem o S-10, visto que os caminhões – tradicionais consumidores de diesel – rodam com o S-500. Esse combustível pode ser utilizado na maioria dos veículos fabricados até 2012.

Compramos nosso Compass por R$ 14 mil abaixo da tabela Christian Castanho/Quatro Rodas

Dependendo da região por onde se passa, o mais seguro é completar o tanque com S-10, ainda que o computador de bordo indique uma larga autonomia. O risco é enfrentar trechos que não tenham postos com o combustível ideal.

Nesse primeiro mês de convívio, além do teste de pista, mais pontos positivos do que negativos com o Compass. O status proporcionado pelo visual elegante e parrudo é, de longe, o grande destaque.

Sucesso de vendas, o SUV já não é novidade nas ruas e estradas e , ainda assim, muita gente olha pra ele. O sistema de som Beats (opcional), com seus graves abundantes, segue causando boma impressão na equipe. Mas tem algo estranho com o nosso Compass.

“Às vezes, o ato de tirar o pé do acelerador, deixar o carro rolar por alguns metros e retomar a aceleração é seguido de um tranco na transmissão”, conta Péricles Malheiros, editor responsável pelo Longa Duração.

Continua após a publicidade

“Esses solavancos não foram sentidos no Compass diesel cedido pela fábrica, solicitado para realizar essa comparação. Vamos pedir uma verificação aos 10.000 km, quando faremos a primeira parada para manutenção (rodízio e balanceamento dos pneus)”, diz o editor.

Diesel no Brasil

Por causa do controle da emissão de poluentes, desde 2014, o uso dos diesel S-50 e S-1800 estão proibidos no transporte rodoviário – trens, veículos de mineração e termelétricas ainda usam o S-1800.

O diesel S-10 é o que tem menor concentração de enxofre. Polui menos, mas é mais caro. E é o combustível ideal para todos os veículos diesel fabricados a partir de 2012.

O S-500, mais barato, mas muito mais poluente, abastece os veículos feitos antes disso. Como a frota brasileira de caminhões é muito antiga, boa parte dos postos (em especial os de estrada) só trabalha com o S-500.

Teste de pista –   1.207 km        

  • 0 a 100 km/h (s)                                              12,2
  • D 40 a 80 km/h (s)                                           5,6
  • D 60 a 100 km/h (s)                                         7,1
  • D 80 a 120 km/h (s)                                         9,3
  • 60 km/h a 0 (m)                                               18,4
  • 80 km/h a 0 (m)                                               32,3
  • 120 km/h a 0 (m)                                             74,3
  • Consumo urb./rod. (km/l)                             12,8 / 15,9

Jeep Compass –  4.863 km

Consumo

  • No mês: 11,9 km/l com 21,5% de rodagem na cidade
  • Desde out/17: 11,9 km/l com 21,5% de rodagem na cidade
  • Combustível: diesel S-10

Gastos no mês

  • Combustível: R$ 1.397

Ficha técnica

  • Versão: Longitude 2.0 16V turbodiesel
  • Motor: 4 cilindros, dianteiro, transv., 1.956 cm3, 16V, 170 cv a 3.750 rpm, 35,7 mkgf a 1.750 rpm
  • Câmbio: automático, 9 marchas, 4×4
  • Combustível: diesel
  • Seguro (perfil QUATRO RODAS): R$ 9.969
Continua após a publicidade
Publicidade