Clique e assine por apenas 5,90/mês

Longa Duração: chegada do Jeep Compass marca a volta de um diesel

Vinte anos depois da Ford F-1000, outro modelo a diesel integra a frota de Longa. Começa agora o teste do Jeep Compass

Por Péricles Malheiros - Atualizado em 2 abr 2018, 16h31 - Publicado em 26 out 2017, 15h07
Teste de longa volta a ter um modelo a diesel após 20 anos com o Compass Christian Castanho/Quatro Rodas

Pensamos bastante antes de comprar o Compass diesel. Quem votava contra argumentava: “Os 60.000 km não vão fazer cócegas num motor a diesel”, “As revisões são a cada 20.000 km. Visitaremos a rede Jeep somente duas vezes até o fim do teste”.

Do time dos que defendiam a ideia, ouvimos: “Será a oportunidade de ver se a fama de robustez do diesel é válida”, “O Compass é um fenômeno de vendas, todo mundo quer saber dele”. Prós e contras pesados, decidimos seguir em frente com a ideia.

Nossa versão é a Longitude 2.0 16V Christian Castanho/Quatro Rodas

Coincidentemente, a fase de cotação se deu na virada de ano-modelo. Optamos pela proposta feita pela concessionária paulistana Dahruj: “Um Compass Longitude diesel ano-modelo 2018 com pintura metálica e os pacotes Premium e Segurança sai por R$ 149.330. Tenho uma unidade 2017/2017 com essa mesma configuração a pronta entrega. Como estamos com uma operação de limpa-estoque, posso fazer por R$ 135.000”.

Compramos nosso Compass por R$ 14 mil abaixo da tabela Christian Castanho/Quatro Rodas

Na retirada do Compass, tivemos uma entrega mais cuidadosa do que a vista no Renegade, o primeiro Jeep a integrar a frota de Longa Duração, em junho de 2015.

“Demonstrando bastante conhecimento, o técnico da Dahruj me recebeu dando os parabéns pela aquisição e pediu que eu o interrompesse caso surgisse alguma dúvida”, diz Péricles Malheiros, editor responsável pelo Longa Duração.

Detalhista, o rapaz fez questão de mostrar (e explicar como usar) o adaptador compatível com os parafusos antifurto das rodas e o funil necessário para abastecimento em caso de emergência.

Continua após a publicidade
Painel tem superfície emborrachada. À frente do câmbio, botão giratório e teclas permitem a seleção dos modos de tração e ativação do controle de descida Christian Castanho/Quatro Rodas

O plano de manutenção do Compass diesel prevê revisões a cada 20.000 km, o que nos levaria apenas duas vezes à rede autorizada – aos 60.000 km, após o desmonte, o carro é remontado respeitando as indicações da revisão desta quilometragem.

Mas, como vamos seguir a recomendação de execução de rodízio a cada 10.000 km, visitaremos a rede Jeep em cinco oportunidades.

Interior do Compass é espaçoso e completo Christian Castanho/Quatro Rodas
Atrás há espaço suficiente para três adultos Christian Castanho/Quatro Rodas

As primeiras impressões de nossa equipe foram bastante positivas. Quase todos elogiaram o sistema de som aprimorado, com subwoofer no porta-malas e alto-falantes da marca americana Beats.

Por outro lado, a turma não poupou críticas pela ausência de xenônio – somente na linha 2018 os faróis especiais passaram a fazer parte do pacote Premium.

Ponto criticado no Renegade, o porta-malas, de 410 litros, do Compass é espaçoso Christian Castanho/Quatro Rodas

Desde a Ford F-1000, em 1997, não tínhamos um diesel na frota. Após duas décadas o Compass põe fim ao jejum.

Jeep Compass –  0 km

Ficha técnica

  • Versão: Longitude 2.0 16V
  • Motor: 4 cilindros, dianteiro, transv., 1.956 cm3, 16V, 170 cv a 3.750 rpm, 35,7 mkgf a 1.750 rpm
  • Câmbio: automático, 9 marchas
  • Combustível: diesel
Continua após a publicidade
Publicidade