Clique e assine por apenas 8,90/mês

Impressões: Kia Stonic, um SUV compacto com ajuste fino

Derivado do hatch Rio chega no segundo semestre de 2018 e tem o tamanho certo para encarar os SUVs compactos

Por Joaquim Oliveira, de Lisboa (Portugal) - Atualizado em 24 jan 2018, 16h30 - Publicado em 18 dez 2017, 16h00
Apostando no visual, ele pode ser uma das opções mais baratas do segmento
Apostando no visual, ele pode ser uma das opções mais baratas do segmento Divulgação/Kia

Kia tem uma ampla gama de SUVs pelo mundo: KX3, Sportage, Sorrento, Mohave. Não satisfeita, ela decidiu fazer mais um. Em setembro deste ano, apresentou o Stonic, um SUV que tem porte ligeiramente menor que o do KX3, até agora seu menor SUV, para brigar no segmento de Jeep Renegade e outros. 

O Stonic tem 4,14 m de comprimento, enquanto o KX3 mede 4,48 m e o Renegade, 4,23 m. Da mesma forma que outros SUVs compactos, o Stonic é derivado de um hatch, no caso, o Kia Rio, que, por sua vez, usa a mesma plataforma do Creta, Soul, i30, Elantra e cee’d.

Stonic virá da nova fábrica da Kia no México
Stonic virá da nova fábrica da Kia no México Divulgação/Kia

As coincidências não param por aí: assim como o Rio será vendido no país a partir do primeiro trimestre de 2018, o Stonic também entra nos planos da Kia para o Brasil no próximo ano.

Mas seu desembarque deve ocorrer um pouco mais tarde: no segundo semestre. Rio e Stonic virão da nova fábrica da Kia no México.

O nome Stonic é resultado da junção das palavras Speedy (veloz) e Tonic (tônico), o que tem a declarada intenção de definir o carro como algo estimulante, vigoroso. Seu estilo, de fato, passa a imagem de veículo ágil e robusto com as caixas de rodas bem marcadas e as colunas dianteira e traseira inclinadas.

Na dianteira, a grade segue a identidade criada pelo alemão Peter Schreyer, que chegou à empresa em 2006. Na traseira, as lanternas remetem ao Sportage. 

De tão inclinadas, as colunas dianteira e traseira reduzem a área do teto
De tão inclinadas, as colunas dianteira e traseira reduzem a área do teto Divulgação/Quatro Rodas
Acabamento de plástico preto circunda toda a parte inferior
Acabamento de plástico preto circunda toda a parte inferior Divulgação/Kia

Por dentro, o painel é limpo e tem visual familiar aos donos de Kia, com diversos elementos como volante, botões e mostradores compartilhados com outros modelos da linha.

Também não há surpresas no que diz respeito ao acabamento de construção sólida e diversos elementos, mas tudo feito com plásticos duros, menos agradáveis ao toque – e mais permeáveis ao aparecimento de ruídos, com o avançar da idade do carro.

O painel de instrumentos, com dois mostradores redondos, é clássico. Pena que o visor do ar-condicionado continue com a cor âmbar do passado, que além do estilo ultrapassado dificulta a leitura. 

Painel do Stonic é de plástico duro, mas a ergonomia é ótima
Painel do Stonic é de plástico duro, mas a ergonomia é ótima Divulgação/Kia

O espaço interno é confortável para cinco pessoas, desde que os ocupantes de trás tenham medidas medianas. E o motorista que tiver a expectativa de dirigir um SUV típico, sentado em posição elevada, pode decepcionar-se, visto que mesmo colocando o banco ajustável no ponto mais alto ainda não se consegue esse ponto de vista superior.

De qualquer modo, a posição de dirigir é boa. A visibilidade é garantida pela ampla área envidraçada à frente e pelos retrovisores atrás, uma vez que, assim como o Nissan Kicks, o Stonic tem colunas traseiras largas.

Continua após a publicidade

A ergonomia é digna de elogios porque tudo o que o motorista precisa está à mão, até os botões do ar-condicionado, no console. 

SUV oferece apoio de braço entre os bancos da frente
SUV oferece apoio de braço entre os bancos da frente Divulgação/Kia
Stonic tem piso plano para o conforto dos que viajam atrás
Stonic tem piso plano para o conforto dos que viajam atrás Divulgação/Kia

Ao volante, o dinamismo sugerido pelo nome e pelo design não é tão grande assim na prática. O Stonic foi apresentado em três versões: 1.4 de 98 cv, 1.6 diesel de 108 cv e 1.0 turbo de 118 cv. Nós andamos na 1.0 turbo, equipada com câmbio manual de seis marchas, e sentimos falta de vigor nas reações.

Em baixas rotações, o motor até mostra certa vivacidade. Mas, naquelas situações em regimes medianos, em que é preciso fazer uma ultrapassagem, ele não tem o fôlego desejado. Segundo a fábrica, o Stonic 1.0 Turbo acelera de 0 a 100 km/h em 10,3 segundos, o que é um bom número.

Mas o melhor de tudo é que a versão vendida no Brasil deverá ter uma quarta opção de motor: a 1.6 16V flex, de 128/122 cv – a mesma do Rio (e duas versões de câmbio, manual e automática, sempre com seis marchas e tração 4×2 dianteira). Com esse motor, o Stonic deve ficar mais esperto.

Motor Turbo gera 118 cv
Motor Turbo gera 118 cv Divulgação/Kia
Segundo a fábrica, o SUV acelera de 0 a 100Km/h em 10,3 segundos
Segundo a fábrica, o SUV acelera de 0 a 100Km/h em 10,3 segundos Divulgação/Kia

No dia a dia, em razão de suas dimensões compactas, o SUV se torna fácil de manobrar. Sua direção se mostrou pouco comunicativa, mas em compensação é precisa e com peso adequado.

E se portou bem quando solicitada, absorvendo as irregularidades do piso sem precisar conter os movimentos laterais da carroceria, típicos dos SUVs, porque o centro de gravidade do Stonic é tão baixo quanto o de um hatch.

Porta-malas leva 332 litros, mas rebatendo o banco traseiro pode-se transportar até 1135 litros
Porta-malas leva 332 litros, mas rebatendo o banco traseiro pode-se transportar até 1135 litros Divulgação/Kia

A unidade avaliada era completa. Além do pacote básico de segurança (airbags, ESP, cintos de três pontos em todas as posições) e de conforto (ar-condicionado, volante multifuncional, computador de bordo, sistema de som), o Stonic trazia ainda central multimídia com tela de 7 polegadas e compatibilidade com os sistemas Apple CarPlay e Android Auto, sistema GPS, câmera de ré, assistente de frenagem de emergência, detector de fadiga e teto preto.

A pintura do teto (e também das colunas dianteiras e dos retrovisores) em cor diferente é oferecida como item de personalização. Há cinco opções de cor: preto, verde, vermelho, laranja e branco para combinar com a carroceria.

Stonic trazia central multimídia com tela de 7 polegadas
Stonic trazia central multimídia com tela de 7 polegadas Divulgação/Kia
O pacote de itens inclui volante multifuncional
O pacote de itens inclui volante multifuncional Divulgação/Kia

Em Portugal, onde fizemos nossa avaliação (as fotos de divulgação foram feitas em Berlim, na Alemanha), o Stonic 1.0 Turbo básico é vendido a 16.430 euros, cerca de R$ 62.500.

No Brasil, ele deve chegar na mesma faixa de preço dos rivais, entre R$ 80.000 e R$ 90.000, uma vez que, vindo do México, ele não terá imposto de importação.

No Brasil, ele deve chegar na mesma faixa de preço dos rivais, entre R$80.000 e R$90.000
No Brasil, ele deve chegar na mesma faixa de preço dos rivais, entre R$80.000 e R$90.000 Divulgação/Kia

Veredicto

O Stonic é bonito e confortável, mas, apesar de ser um SUV, ele tem comportamento de um hatch.

FICHA TÉCNICA – KIA STONIC

  • Preço: R$ 65.000 (conversão direta em reais do preço em Portugal)
  • Motor: gas., diant., transv., 3 cil., 998 cm3, 12V, 71 x 84 mm, 10:1, 118 cv a 6.000 rpm, 17,3 mkgf de 1.500 a 4.000 rpm
  • Câmbio: manual, 6 marchas, tração dianteira
  • Suspensão: McPherson(dianteira), eixo de torção (trastraseira)
  • Freios:  discos ventilados (dianteira), discos sólidos (traseira)
  • Direção: elétrica
  • Rodas e pneus: 205/55 R17
  • Dimensões: comprimento, 414 cm; largura, 176 cm; altura, 152 cm; entre-eixos, 258 cm; peso, 1.185 kg; tanque, 45 l; porta-malas, 332 l
Continua após a publicidade
Publicidade