VW cogita Up! elétrico de R$ 100.000 no Brasil, mas com suspensão elevada

Para presidente da Volkswagen, elétricos com suspensão muito baixa no Brasil podem ser um risco em vez de uma solução

ID.3 pode ser “baixinho” demais para o Brasil

ID.3 pode ser “baixinho” demais para o Brasil (Henrique Rodriguez/Quatro Rodas)

A Volkswagen planeja uma ofensiva elétrica para o Brasil. Serão lançados seis carros eletrificados no Brasil, entre híbridos e elétricos, até 2024 O primeiro deles será o Golf GTE, previsto para o final deste ano.

Já o primeiro 100% elétrico deve ser um dos representantes da família ID. Porém, pode não ser o ID.3, uma das principais atrações desta edição do Salão de Frankfurt, e que terá suas primeiras entregas na Europa feitas em 2020.

Vão livre reduzido melhora a aerodinâmica

Vão livre reduzido melhora a aerodinâmica (Henrique Rodriguez/Quatro Rodas)

Durante o evento alemão, o presidente da Volkswagen para a América do Sul, Pablo Di Si, comentou – além de falar sobre SUVs – sobre as barreiras que os elétricos da marca podem enfrentar no Brasil.

A rede de recarga, claro, é um problema previsto que a Volkswagen pretende contornar a partir do ano que vem.

Ela terá sua rede de carregadores (em parceria com empresas de energia e fabricantes de automóveis) e de revendas capazes atender seus veículos eletrificados no Brasil, tendo São Paulo como ponto de partida.

Bateria dos VW elétricos estará sempre no assoalho

Bateria dos VW elétricos estará sempre no assoalho (divulgação/Volkswagen)

Outra barreira – e essa fora do controle da Volks – é a qualidade das vias não só do Brasil, como de toda a América Latina.

Acontece que a plataforma elétrica modular MEB, base para os veículos elétricos do grupo Volkswagen, prevê que as baterias sejam instaladas no assoalho para favorecer a dinâmica e o aproveitamento do espaço interno.

Acontece que essa posição também deixa o conjunto de baterias vulnerável, caso o carro seja muito baixo. Pode ser esse o caso do ID.3.

No caso do ID.Crozz de produção, a suspensão não seria um problema no Brasil

No caso do ID.Crozz de produção, a suspensão não seria um problema no Brasil (Henrique Rodriguez/Quatro Rodas)

Todos os carros, sejam elétricos ou a combustão, têm suspensão retrabalhada para aumentar a distância do solo antes de serem vendidos no Brasil.

No caso do ID.3, será necessário estudar se é possível fazer essa alteração sem comprometer outras características do carro. Dependendo do resultado, o hatch elétrico poderá ter seu visto para o Brasil negado.

“Não adianta [o primeiro carro elétrico] ser o ID.3, bater a parte de baixo [numa valeta] e depois não funcionar”, completou o executivo.

Contudo, isso não seria um impeditivo para o próximo integrante da família ID, a versão de produção do conceito ID.Crozz, um SUV cupê elétrico que deve ser revelado em 2020.

O objetivo da Volkswagen é lançar o primeiro carro da família ID no Brasil antes do fim de 2021.

Volkswagen e-Up! custa o equivalente a R$ 100 mil na Europa

Volkswagen e-Up! custa o equivalente a R$ 100 mil na Europa (Henrique Rodriguez/Quatro Rodas)

Outro elétrico que despertou interesse na filial sul-americana da Volkswagen foi o e-Up!.

“Adorei esse Up! elétrico. Em uma reunião hoje com meu time, falei que precisamos desse carro no Brasil, mas precisamos levantá-lo [as suspensões]. É a mesma questão do ID.3”, destacou.

Para Pablo, essa informação é fundamental para traçar planos para o modelo, como definir se chegaria importado ou se poderia vir a ser montado no Brasil.

Autonomia do Up elétrico é para 260 km

Autonomia do Up elétrico é para 260 km (Henrique Rodriguez/Quatro Rodas)

Atualizado para a linha 2020, o Volkswagen e-Up! ganhou um novo conjunto de baterias que aumenta sua autonomia em 100 km, totalizando 260 km.

Seu motor tem 82 cv e leva o compacto aos 100 km/h em cerca de 11 s. O problema seria o preço: custa o equivalente a R$ 100.000 na Europa.

Vale lembrar que o Up! fabricado no Brasil tem diferenças técnicas substanciais em relação ao europeu. Além da suspensão elevada, tem portas traseiras com vidros que se abrem (apenas manualmente) e seção traseira maior para ampliar seu porta-malas.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s