Clique e assine por apenas 8,90/mês

Changan: que marca é essa que vai vender SUVs e sedãs elétricos no Brasil?

Em vez de pequenos caminhões, chinesa quer apostar apenas em elétricos

Por Thais Villaça - Atualizado em 15 fev 2019, 10h12 - Publicado em 14 fev 2019, 19h18
O SUV CS 15, da Changan, tem motor elétrico de 122 cv Changan/Divulgação

Lembra da Chana? Calma, não é nada disso que você está pensando. Vamos falar sobre a marca chinesa que apareceu pela primeira vez no Brasil no Salão do Automóvel de 2006 – e cujo nome viraria piada pronta.

Em 2011, a empresa mudou o nome para Changan (não pelas gracinhas, disseram na época) e atuou no país até meados de 2016, quando a crise afetou a importadora luso-brasileira Tricos Districar – também responsável por trazer a coreana SsangYong -, que encerrou suas operações.

Agora a Changan volta ao Brasil pelas mãos de outro grupo. Se outrora o foco eram veículos comercias, como vans e utilitários de pequeno porte, a marca pretende entrar com força total no mercado de carros elétricos nessa segunda passagem pelo país.

A autonomia pode chegar a 460 km por carga Changan/Divulgação

A Changan virá pelas mãos de um grupo de Brasília chamado Investlogic, que tem como sócios os mesmos empresários que fabricam as motos e bicicletas da Electro Motors, em Goiás, e que trouxeram a Zotye ao Brasil.

Continua após a publicidade

Ah, você não conhece a Zotye ou há tempos não ouve falar nada sobre a empresa? Pois é. Apesar de ter anunciado o início da operação brasileira em 2014, a marca não tinha documentação de homologação de seus carros, que só foi regularizada agora em fevereiro.

Ainda neste ano a empresa pretende iniciar, agora oficialmente, a importação de modelos como o SUV T300, com opção de propulsão elétrica ou a gasolina.

Por dentro e por fora, o elétrico parece um carro convencional Changan

Mas voltemos à Changan. Esqueça a marca que ficou cerca de 10 anos por aqui. Os chineses não terão participação efetiva na operação, mas farão uma parceria mais ativa em termos de estudos de mercado. Inclusive virão ao país em março para conhecer nosso mercado mais a fundo.

As primeiras unidades desembarcam aqui no final de março para homologação. A princípio, serão oferecidos dois modelos no Brasil: o sedã Eado 460 (seu nome na China, que aqui será diferente – mas que ainda não foi definido) e o SUV CS 15, que acaba de passar por um facelift e chegará atualizado.

Continua após a publicidade

Com autonomia anunciada de até 460 km, o Eado tem potência de 122 cv e 28,5 mkgf de torque. A lista de equipamentos é bem atraente, com itens como câmera de ré, controle de cruzeiro, GPS, central multimídia com wifi, entre outros. O preço ficará na faixa de R$ 170.000.

Por aqui, o Eado 460 terá outro nome Changan/Divulgação

Já o SUV tem espaço interno razoável graças ao entre-eixos de 2,51 m (1 cm a menos que o Ford EcoSport). Os motores rendem 106 cv de potência e 14,1 mkgf de torque. Custará em torno de R$ 150.000.

Apesar de provavelmente não entregarem um desempenho brilhante se nos basearmos nos números de fábrica, os preços são indicação da estratégia agressiva que a marca pretende adotar no país. 

Segundo o diretor de marketing da Changan, Vitor de Lima, esse foi o principal foco de discussão na empresa. “Vamos chegar com produtos de alta tecnologia e preços competitivos, por isso traremos só carros elétricos. Não queríamos ser mais uma marca chinesa no mercado, mas passar uma imagem diferente ao consumidor, com uma proposta que será essencial no futuro do segmento automotivo”, afirma.

Continua após a publicidade

E é fato: os chineses podem ainda estar um pouco atrasados perante a indústria automotiva mundial em relação aos carros a combustão, mas passam a ser referência quando o assunto é alta tecnologia de motores movidos a eletricidade.

A ideia da Changan é iniciar as vendas a partir de setembro deste ano, inicialmente com 10 concessionárias em estados como São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Goiás e no Distrito Federal. A operação será feita por meio de concessionárias digitais, que demandam espaços menores, menos funcionários e ajudam a manter o preço baixo.

Os carros terão garantia de cinco anos – há negociações para oferecer 10 anos para as baterias –, rede de assistência técnica 24 horas e certificado de recompra de usados, promete a empresa.

Há, inclusive, estudos avançados para a construção de uma fábrica no país. “Queremos montar um parque automotivo de carros elétricos, não só com a Changan, mas com diferentes marcas. Falamos até com uma empresa de baterias chinesa que tem interesse em vir ao Brasil”, conclui Vitor.

Publicidade