Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

VW Kombi faz 70 anos e ainda é o carro que mais ficou em linha no mundo

"Velha Senhora" já não é fabricada há sete anos, mas outros veteranos precisam ficar vivos por pelo menos mais oito para bater seu recorde de longevidade

Henrique RodriguezPor Henrique Rodriguez Atualizado em 28 mar 2020, 03h31 - Publicado em 27 mar 2020, 20h29
A Kombi foi produzida em Wolfsburg, junto com o Fusca, até 1956 Divulgação/Volkswagen

Em 8 de março de 1950 saía da fábrica de Wolfsburg o Volkswagen Typ 2, que chegaria naquele mesmo ano ao Brasil, onde o modelo ficaria mais conhecido como Kombi.

E foi aqui no Brasil onde o furgão estabeleceu um recorde que tão cedo não será batido: o de maior tempo em produção sem grandes mudanças.

Volkswagen Plattenwagen: o motorista ficava atrás da carga Divulgação/Volkswagen

A ideia de Ben Pon, importador dos Volkswagen para a Holanda, era criar uma van baseada no chassi do Typ 1 (o Fusca). A inspiração teria sido os Plattenwagen usados no transporte de carga dentro da fábrica de Wolfsburg.

Esboço da Kombi feito por Ben Pon Reprodução/Internet

Mas, embora tenha dado origem a vários outros carros ao longo da história, o chassi do Fusca não era adequado para aquela proposta. Criaram, então, uma carroceria monobloco compatível com o conjunto mecânico do Fusca.

Pátio da Volkswagen, na Alemanha, com as várias versões da Kombi Volkswagen/Divulgação

Tudo começaria com o 1.1 boxer refrigerado a ar de 25 cv e com câmbio de quatro marchas não sincronizadas.

E o fim seria com um quatro-cilindros em linha 1.4 flex com injeção eletrônica de 80 cv, 63 anos e nove meses mais tarde, na fábrica da Volkswagen em São Bernando do Campo (SP).

1953: a primeira feita aqui Divulgação/Volkswagen

Foi a Brasmotor, empresa que também representava a Dodge, Chrysler, De Soto, Plymouth e Fargo no Brasil, a responsável pela importação da Kombi.

Ela iniciaria a montagem local, com peças importadas da Alemanha, em 1953 – um ano antes de fundar uma tal de Brastemp.

A Kombi 1950 é a única existente nas Américas
Esta Kombi 1950 é a única existente nas Américas com espaço para passageiros e carga Alexandre Battibugli/Quatro Rodas

A fabricação nacional, de fato, só começaria em 1957 pelas mãos da própria Volkswagen.

As primeiras unidades tinham 50% de conteúdo nacional. O motor, agora 1.200 de 36 cv, ainda era importado e tinha manivela de partida, e o sistema elétrico era de 6 volts.

Linha de montagem da Kombi na Volkswagen, em 1958
Linha de montagem da Kombi na Volkswagen, em 1958 Acervo/Quatro Rodas

Uma série de mudanças foram feitas na Kombi brasileira até seu fim, em 2013, vítima da lei que obrigava freios ABS e airbags dianteiros em carros novos.

Kombi Last Edition
Kombi Last Edition, a última produzida no mundo Divulgação/Volkswagen

Mas ela ainda preservava características da Kombi original (como a produção quase artesanal) enquanto a Europa já comprava a quinta geração do VW Transporter, completamente irreconhecível.

Foi por pouco

Morgan 4/4 tinha chassi com madeira e carroceria de alumínio Arquivo/Quatro Rodas

Um carro poderia quebrar o recorde da Kombi em breve. Ainda que tenha sido vendido sob encomenda, o roadster inglês Morgan 4/4 esteve em produção ininterrupta de setembro de 1955 até o final de 2019 com chassi de madeira e carroceria de alumínio. Foram 63 anos e quatro meses, ficando a apenas cinco meses de superar a Kombi. 

Continua após a publicidade

Os próximos candidatos ao título são modelos um tanto obscuros.

UAZ 452 Bukhanka UAZ/Divulgação

O UAZ-452 Bukhanka não tem apenas o formato em comum com a Kombi, como também o apelido (Bukhanka é “pão” em russo).

Está em produção há 55 anos, desde 1965, e tem motor 2.7 a gasolina de 112 cv dianteiro com tração 4×4 e caixa de transferência de duas velocidades.

Zamyad Z24, a avó perdida da Nissan Frontier Zamyad/Divulgação

Outro que tem grandes chances é o Zamyad Z24, em produção no Irã desde 1970. Trata-se da Nissan Junior, lançada no Japão no mesmo ano, e que bem mais tarde acabaria dando origem à Frontier.

Uma curiosidade é que o nome Z24 vem do motor 2.4 da lendária família Z, que, por sinal, deixou de ser produzida no Japão em 1989.

Uaz Hunter Uaz/Divulgação

Já o UAZ Hunter é nada mais que o UAZ-469, criado em 1971 para ser o jipe soviético com toque de modernidade na carroceria.

Além do motor do Bukhanka, esse jipe de meia idade também está disponível com um 2.2 diesel de 114 cv e tem opção de teto rígido ou de lona.

Lada Niva segue vivo na linha 2020 Divulgação/Lada

Outro russo na corrida é o Lada Niva, feito desde 1977 pela AvtoVAZ com a mecânica simples e o acabamento espartano de sempre.

Xodó dos russos e um autêntico 4×4, ele oferece atualmente a versão hatch (três portas) e wagon (cinco portas), mas já teve picapes de duas e quatro portas e até van.

Caterham Seven 275 S Caterham/Divulgação

Mas não podemos nos esquecer do Caterham 7, lançado em 1973 e que segue em produção ininterrupta até os dias atuais. Mas ele não tem apenas 47 anos.

Esse esportivo levinho é baseado no Lotus Seven projetado por Colin Chapman (fundador da equipe de Fórmula 1) e fabricado em sua empresa entre 1957 e 1972.

  • Quando Chapman decidiu interromper a produção do modelo, a Caterham, até então revendedora da Lotus, comprou os diretos. A produção foi retomada em 1973, mas com a terceira fase do Seven, que havia deixado de ser produzida em 1970.

    Lotus 7 1968 Lotus/Divulgação

    Há algumas linhagens ainda mais antigas. A Chevrolet Suburban mantém o mesmo nome desde 1935, mas já está em sua décima geração. As picapes Ford F-Series surgiram em 1948 e o Chevrolet Corvette foi lançado em 1953. Contudo, todos eles mudaram de geração ao longo do tempo.

    Continua após a publicidade
    Publicidade