Clique e assine por apenas 8,90/mês

Empresário reúne e restaura modelos raros de Fusca e Kombi

Colecionador especializado nos Volks a ar tem mais de 30 exemplares - um mais raro que o outro

Por Isadora Carvalho - 21 out 2017, 09h45
Uma coleção com os mais raros do país
Uma coleção com os mais raros Volkswagen do país Alexandre Battibugli/Quatro Rodas

Carpete e estofamento da Porsche, lã do revestimento interno da Rolls-Royce, pintura profissional com tecnologia russa, frisos e acabamentos cromados americanos. Todos esses detalhes tornam a coleção de modelos Volkswagen do empresário paulista Luiz Goshima exemplar e premiada.

Goshima com sua Kombi 1975
Goshima com sua Kombi 1975 Alexandre Battibugli/Quatro Rodas

Porém, além desse esmero na restauração dos carros, o acervo se destaca pelas raridades, como Kombi 1950 Bus De Luxe, das quais só há três no mundo, o Fusca 1959, primeiro a ser fabricado no país, e o Fusca 1963 conversível alemão que transportou o presidente Juscelino Kubitschek em visita à fábrica da Volks.

O Fusca 1977 alemão foi o primeiro com injeção eletrônica
O Fusca 1977 alemão foi o primeiro com injeção eletrônica Alexandre Battibugli/Quatro Rodas

Quem conhece de perto a coleção de Goshima tem a impressão de ter voltado ao passado, tamanho é o cuidado com os detalhes. “Me apaixonei pela história da VW e de maneira especial pela trajetória do Fusca”, diz.

Aos 14 anos, ele comprou o seu primeiro Fusca, um 1962, incentivado pelo pai. “Meu sonho mesmo era ter um Chevrolet Bel Air, mas meu pai logo me alertou que era um modelo que daria muito problema mecânico e que deveria começar com um Fusca. E a partir daí decidi me dedicar apenas aos VW“, conta.

Continua após a publicidade
O modelo alemão 1956 possui teto solar de fábrica
O modelo alemão 1956 possui teto solar de fábrica Alexandre Battibugli/Quatro Rodas
Interior do modelo 1956 tem apenas peças originais
Interior tem apenas peças originais Alexandre Battibugli/Quatro Rodas
Modelo alemão 1956 conta com caixa de ferramentas eletrônica
Modelo alemão conta com caixa de ferramentas original Alexandre Battibugli/Quatro Rodas

Um detalhe é ele ter influenciado o pai a tornar-se mais tarde um colecionador de carros clássicos. “O processo é sempre inverso, o pai influencia o filho. No meu caso eu que o incentivei a ter a sua própria coleção. A diferença é que o acervo dele é mais luxuoso e tem exemplares da Porsche e Ferrari”, diz Goshima, entre risos.

Há quatro anos, Luiz multiplicou a coleção. Já são mais de 30 Volks, incluindo Karmman Ghia, TL, Kombi e Fusca.

A Kombi 1950 é a única existente nas Américas
A Kombi 1950 é a única existente nas Américas Alexandre Battibugli/Quatro Rodas

Nota-se a predileção pela Kombi 1975 branca e verde-turquesa. Assim que assumia a direção da Kombi para as fotos, Luiz não conseguia tirar o sorriso dos lábios.

No painel da Kombi 1975 há um RetroSound, com o layout do original, mas funcionalidade moderna
No painel da Kombi 1975 há um RetroSound, com o layout do original, mas funcionalidade moderna Alexandre Battibugli/Quatro Rodas

Ela passou um ano sendo restaurada. Conta com carpete da Porsche 356, motor 1500 zero-quilômetro e frisos e cromados internos importados. É o xodó por ser bastante utilizada para passeios com a esposa e a filha. “A experiência de viajar com a família a bordo de uma Kombi é memorável. Indico a todos”, afirma.

Continua após a publicidade
Estofados refeitos e carpete de Porsche 356
Estofados refeitos e carpete de Porsche 356 Alexandre Battibugli/Quatro Rodas

Luiz garante que respeita os atributos originais de todos os modelos. A única exceção é o Fusca 1959 customizado, que tem um motor 1800 preparado que chega a 120 cv.

O Fusca 1959, de mão inglesa, é o único customizado do acervo
O Fusca 1959, de mão inglesa, é o único customizado do acervo Alexandre Battibugli/Quatro Rodas
Forração da Porsche e lã da Rolls-Royce no teto equipam o Fusca 1959
Forração da Porsche e lã da Rolls-Royce no teto equipam o Fusca 1959 Alexandre Battibugli/Quatro Rodas
Acabamento do porta-malas segue o padrão do tecido do interior
Acabamento do porta-malas segue o padrão do tecido do interior Alexandre Battibugli/Quatro Rodas

Ele explica que personalizou só pra ver como era, mas que é na essência um purista. E logo se apressa a dizer: “O carro foi para minha esposa, que também não queria ficar para trás”.

 

Publicidade