Clique e assine por apenas 8,90/mês

VW Jetta 2.0 TSI brasileiro terá visual mais “careta” que o GLI americano

Flagras que circulam pelas redes sociais revelam possível versão com visual inspirado no Jetta GLI dos EUA, porém mais discreto

Por Henrique Rodriguez - 11 fev 2019, 17h45
Versão mais potente terá menos adereços no Brasil Reprodução/Internet

Atração do Salão de Chicago, o Volkswagen Jetta GLI combina a carroceria do sedã médio, mesmo conjunto mecânico do Golf GTI e uma série de adornos visuais para destacar sua vocação esportiva.

Durante o lançamento do Jetta na Argentina, no ano passado, o designer da VW José Carlos Pavone já havia adiantado que o Jetta GLI não será vendido no Brasil.

Não ficaremos sem um Jetta com motor 2.0 TSI e o câmbio automatizado de dupla embreagem DSG, mas este conjunto virá em um Jetta com visual discreto. 

Flagra que circula pelas redes sociais revela aquela que poderia ser a nova versão Highline para o Brasil.

As duas saídas de escape traseiras são funcionais Reprodução

No carro flagrado, a grade com formato de colmeia tem frisos cromados e o para-choque é o mesmo do Jetta GLI, mas sem elementos pintados de preto.

Continua após a publicidade

Os faróis full led com assinatura que se integra à grade são iguais às versões mais caras do Jetta nos EUA – entre elas a GLI. Eles permitem que a versão abra mão dos faróis de neblina.

Completam o visual as rodas Brooklin aro 17″, mesmas do Golf GTI, e as saias laterais pretas. Atrás, a grande diferença é que há duas saídas de escape redondas e verdadeiras – as saídas retangulares das demais versões são apenas estéticas.

Versão GLI tem grade preta com friso vermelho e o logo da versão Divulgação/Volkswagen
GLI ainda tem rodas com outro desenho Divulgação/Volkswagen

Esse visual pode ser exclusivo para o Brasil, onde a versão com motor 2.0 TSI será, ao mesmo tempo, a mais potente e equipada. Além disso, o comprador do Jetta no Brasil é um pouco mais velho do que o norte-americano.

O Jetta é o sedã mais barato da Volkswagen nos EUA.

O importante é que o motor mantém os 230 cv e 35,7 mkgf de torque e o câmbio DSG de seis marchas é mais rápido que o automático convencional das versões com motor 1.4 TSI de 150 cv.

A receita é completada por conjunto de freio reforçado, diferencial de deslizamento limitado e pela suspensão traseira independente, enquanto o Jetta tradicional usa eixo de torção.

Continua após a publicidade
Publicidade