Volkswagen lança sistema de som Beats para Polo e Virtus

Equipamento de áudio será oferecido como opcional, mas apenas nas versões equipadas com motor 1.0 turbo

Os Polo equipados com som Beats terão apliques na carroceria e retrovisores vermelhos exclusivos

Os Polo equipados com som Beats terão apliques na carroceria e retrovisores vermelhos exclusivos (Divulgação/Volkswagen)

A Volkswagen repetiu o que já era feito na Europa e lançou no Brasil o pacote Beats para Polo e, por tabela, Virtus.

O sistema de som premium é da mesma marca usada no Jeep Compass e inclui sete alto-falantes (sendo um subwoofer), amplificador de oito canais e potência de 300 Watts RMS.

Interior do Polo também terá elementos na cor vermelha, como no modelo europeu

Interior do Polo também terá elementos na cor vermelha, como no modelo europeu (Divulgação/Volkswagen)

O equipamento será ofertado como um pacote opcional e inclui pequenos adereços visuais, com soleiras, plaquetas laterais de identificação da versão e retrovisores vermelhos (exclusivos do Polo).

O sistema de som será vendido como opcional nas versões 1.0 TSI

O sistema de som será vendido como opcional nas versões 1.0 TSI (Divulgação/Volkswagen)

O painel do hatch também terá sua parte central pintada de vermelho, como ocorre na versão europeia do Polo e, futuramente, no inédito T-Cross – que já dirigimos.

A plaqueta no para-lama dianteiro substitui a identificação “Comfortline” e “Highline” no Polo

A plaqueta no para-lama dianteiro substitui a identificação “Comfortline” e “Highline” no Polo (Divulgação/Volkswagen)

Neste primeiro momento o pacote com som Beats estará disponível somente para as motorizações 1.0 TSI, nas versões Comfortline e Highline.

Ao contrário do Polo, no Virtus não haverá diferenciação externa para as versões com som Beats

Ao contrário do Polo, no Virtus não haverá diferenciação externa para as versões com som Beats (Divulgação/Volkswagen)

O preço do opcional varia para cada modelo e versão:

Polo Comfortline: R$ 2.872
Polo Highline: R$ 2.278
Virtus Comfortline: R$ 2.083
Virtus Highline: R$ 2.050

Além do pacote Beats, a Volkswagen prepara uma versão inédita para o Polo e Virtus. A dupla receberá, ainda este ano, uma nova opção GTS.

Ela usará o mesmo 1.4 de 150 cv do Golf e terá apelo esportivo. A solução nacional é uma alternativa esportiva ao Polo e Virtus, mas distante do apimentado GTI europeu.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Putz poderia ser Bose, JBL, B&O, mas colocaram justo a marca do hype, aquela que vende gato por lebre…

  2. Juarez Veras

    Não deveria ser uma versão e sim um opcional. Isso vale para qualquer modelo e marca. Com relação específica ao polo, me fez lembrar uma matéria da QR há décadas, quando alguém reclamou do barulho do uno, a resposta: Compre um som potente. O mesmo vale para o polo/virtus. A vw economizou na redução de ruídos. Quando fiz o test-drive do polo e mesmo andando devagar o barulho de bate-saia do motor invadia a cabine, reclamei ao vendedor. Ele orgulhosamente me respondeu que era o comando variável. Eu retruquei, não importa a fonte, é só barulho. Bom, a vw seguiu a receita da QR para o uno, resolveu o problema oferecendo um som mais potente. Ao invés de investir em na redução de ruídos, faz o comprador investir na compra de um algo que sobrepõe o ruído. Por fim, estou com o Gumga, deveria haver uma opção que abrisse mão da potência e privilegiasse a qualidade. Eu gosto de jazz e clássicos, os projetos da beats priorizam batidões, seja funk carioca ou pagode. Não tenho pressa de ficar surdo, e tão pouco quero obrigar quem estiver ao lado do meu carro ouvir o que não quer.