Clique e assine por apenas 5,90/mês

Velha Fiat Strada será mantida viva até 2022. Veja 6 razões para isso

No mercado há 22 anos, picapinha derivada do primeiro Palio será mantida em linha mesmo com a chegada da segunda geração, mas só com cabine simples

Por Leonardo Felix e Zeca Chaves - Atualizado em 13 fev 2020, 14h43 - Publicado em 13 fev 2020, 14h40
A linha 2020 não teve alterações visuais Divulgação/Fiat

A nova Fiat Strada será lançada no Brasil no início de abril. Só que ainda não será desta vez que veremos a primeira geração, lançada há quase 22 anos, sair da linha de produção em Betim (MG).

Segundo os colegas do Motor1, a primeira Stradinha será mantida em linha apenas na versão Working 1.4 manual cabine simples, atualmente oferecida a R$ 54.990. Tanto que sua fabricação jamais chegou a ser interrompida.

Já a configuração cabine dupla deixou de ser feita no fim de janeiro, junto com a perua Weekend, por um motivo simples: a nova legislação que obriga todos os carros vendidos no país a terem ganchos Isofix para cadeirinhas infantis no banco de trás.

Após vazamento, Fiat revelou a nova geração da Strada oficialmente Divulgação/Fiat

Como a Strada cabine simples não possui segunda fileira de assentos, está imune de punições devido à ausência desse item. E deve seguir em linha até o começo de 2022.

É nesse ano que uma outra lei, a que torna mandatória a presença de controle eletrônico de estabilidade em qualquer carro zero-quilômetro comercializado em território nacional, deve enfim aposentá-la.

Ou seja: a FCA muito provavelmente manterá a primeira Stradinha viva até o limite de suas forças. Por quê? QUATRO RODAS aponta seis motivos para tal.

1) Custo/benefício

Projeto já (muito bem) pago, a velha Strada poderá ser vendida pela Fiat a um preço muito mais atraente que a nova, que terá tíquete médio superior para justificar os custos de desenvolvimento e as novas tecnologias embarcadas.

Já a antiga deve ser mantida abaixo de R$ 60.000, tornando-se muito atraente entre quem procura uma picape de trabalho.

Velha Stradinha cabine dupla já foi descontinuada Fernando Pires/Quatro Rodas

2) Relevância nas vendas

Sétimo carro mais emplacado no Brasil em 2019, a Stradinha derivada do primeiro Palio ainda representa cerca de 20% de todas as vendas da Fiat no Brasil. É um percentual muito robusto para ser ignorado ou desperdiçado.

Como as vendas simultâneas das duas gerações devem ser contabilizadas como se fosse um modelo só, é bem possível que ambas as Strada mantenham juntas o bom volume que a veterana apresenta hoje atuando sozinha.

Continua após a publicidade

3) Apelo entre frotistas

Atenção: 95,2% de todas as vendas da Strada são destinadas a frotistas.

Com a chegada da segunda geração, com pinta de “mini-Toro” e uma proposta um pouco mais voltada ao estilo, a geração anterior ficará responsável por atender em percentual talvez ainda maior as vendas diretas.

Cabine simples tem caçamba maior e maior apelo para uso a trabalho Divulgação/Fiat

4) Manutenção atraente

O mercado de frotas costuma fazer muitas contas e buscar as soluções mais confiáveis na hora de comprar um veículo novo. Nesse ponto, a velha Strada antederá muito bem às expectativas.

Ela já tem consolidada a reputação de um veículo que dá poucos problemas e é barato de manter. Tudo que um frotista quer.

5) Valentia

Comprador de picape compacta, especialmente de trabalho, valoriza muito um carro que seja “pau para toda obra”. A primeira Strada já comprovou ser capaz disso.

Tem suspensões com molas semielípticas na traseira, o que a nova também deve ter, mas com fama de picapinha valente e confiável. O manjadíssimo motor 1.4 Fire flex é demasiadamente fraco para os padrões atuais, mas é conhecido e bem aceito.

 

6) Desvalorização

Com já dissemos, frotistas usam muito a calculadora antes de comprar um veículo.  Até porque está adquirindo um patrimônio para sua empresa.

Dois dos itens mais valorizados nesse mercado são a baixa desvalorização e a boa liquidez na hora da revenda. Aspectos nos quais a Stradinha já é consagrada.

Atualmente, segundo nossos parceiros da KBB, a configuração Working 1.4 cabine simples registra desvalorização média de 7%, índice bastante comedido para um comercial leve.

Continua após a publicidade
Publicidade